A hegemonia do projeto educativo do empresariado no Brasil e em Portugal

  • Camila Azevedo Souza Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF)
Palavras-chave: Projeto educativo. Empresários. Hegemonia. Brasil. Portugal

Resumo

Este trabalho analisa o movimento da responsabilidade social, tendo em vista os projetos educativos da organização empresarial brasileira Gife (Grupo de Institutos, Fundações e Empresas) e da organização empresarial portuguesa Epis (Empresários pela Inclusão Social). Com base no materialismo histórico e, mais especificamente, nas formulações de Antonio Gramsci, o objetivo é identificar os modos de pensar, agir e sentir disseminados por essas entidades empresariais para apreender o processo de hegemonia que legitima a cultura empresarial nas políticas educacionais e reafirma os interesses da classe dominante no conjunto das relações sociais.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Azevedo Souza, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF)

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Mestre e Doutoranda em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

BARROS, Luísa, PEREIRA, Ana Isabel e GOES, Ana Rita. Educar com Sucesso: manual para técnicos e pais. EPIS – Empresários pela Inclusão Social. Lisboa: Texto Editores, 2007.

CASTIONI, Remi. Educação no mundo do trabalho, qualificação e competência. São Paulo: Francis, 2010.

CIAVATTA, Maria. Estudos Comparados: sua epistemologia e sua historicidade. Revista Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 7, suplemento, p.129-151, 2009.

COSTA, Ricardo Jorge. Em foco – Autonomia e gestão das escolas. Revista A Página da Educação, Porto, série II, n. 186, Outono de 2009.

DUARTE, Newton. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões?: quatro ensaios crítico-dialéticos em filosofia da educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

DUARTE, Newton. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 4. ed. – Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. 4ª ed. São Paulo: Cortez, 1993.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Novos fetiches mercantis da pseudoteoria do capital humano no contexto do capitalismo tardio. In: ANDRADE, Juarez de e PAIVA, Lauriana G. de (organizadores). As políticas públicas para a educação no Brasil contemporâneo: limites e contradições. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2011.

GIFE, Grupo de Institutos, Fundações e Empresas. Guia GIFE sobre Investimento Social Privado em Educação. São Paulo: GIFE, 2003.

GIFE. Censo GIFE Educação 2005/2006. São Paulo: GIFE, 2006.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Vol. 2. Os intelectuais. O princípio educativo. Jornalismo. Rio de Janiero: Civilização Brasileira, 2000a.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Vol. 3. Maquiavel. Notas sobre o Estado e a política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000b.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Vol. 5. O risorgimento. Notas sobre história da Itália. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

LEHER, Roberto. O BIRD e as reformas neoliberais na educação. Pucviva, São Paulo, v. 1, n.5, p. 16-22, 1999.

LOPES, Kátia de Carvalho. Educação Pública como Nicho de Investimento Social Privado. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2010.

MARTINS, André Silva. Estratégias burguesas de obtenção do consenso nos anos de neoliberalismo da Terceira Via. In: NEVES, Lúcia Maria Wanderley (org.). A nova pedagogia da hegemonia: Estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

MARTINS, André Silva. A direita para o social: a educação para a sociabilidade no Brasil contemporâneo. Juiz de Fora: UFJF, 2009.

MARTINS, André Silva & NEVES, Lúcia Maria Wanderley (orgs.). Educação básica: tragédia anunciada? São Paulo: Xamã, 2015.

MARTINS, Pedro S. Improving Achievement through Targeted, Non-Cognitive Skills: Evidence from the EPIS Program. Queen Mary University of London & CEG-IST, Lisbon & IZA, Bonn. May 18, 2010.

MELO, Adriana Almeida Sales de. A mundialização da educação: o projeto neoliberal de sociedade e de educação no Brasil e na Venezuela. 2003. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley (org.). A nova pedagogia da hegemonia. São Paulo: Xamã, 2005.

PORTUGAL. Assembléia da República. Resolução do Conselho de Ministros nº 44, de 1º de Junho de 2010. Lisboa, Pt.: AR, 2010.

ROBERTSON, Susan L. A estranha não morte da privatização neoliberal na Estratégia 2020 para a educação do Banco Mundial. Revista Brasileira de Educação, v.17, n.50, maio-ago. 2012.

RUMMERT, Sonia Maria. Educação e Identidade dos Trabalhadores: as concepções do capital e do trabalho. São Paulo: Xamã; Niterói: Intertexto, 2000.

RUMMERT, Sonia Maria e ALVES, Natália. Jovens e adultos trabalhadores pouco escolarizados no Brasil e em Portugal: alvos da mesma lógica de conformidade. Revista Brasileira de Educação, v.15, n.45, set./dez. 2010.

SANTOS, Álvaro Almeida et al. Escolas de Futuro: 130 Boas Práticas de Escolas Portuguesas. EPIS – Empresários pela Inclusão Social. Porto: Porto Editora, 2010.

SAVIANI, Dermeval e DUARTE, Newton (orgs.). Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SCHULTZ, Theodore. O valor econômico da educação. 2.ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973.

SOUZA, Camila Azevedo. Responsabilidade social na educação: Brasil e Portugal na divisão internacional do trabalho. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Educação, Niterói, 2014.

UNESCO, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Relatório de monitoramento de educação para todos Brasil 2008: educação para todos em 2015; alcançaremos a meta? – Brasília : UNESCO, 2008.

VEGAS, Emiliana e UMANSKY, Ilana. Mejorar la enseñanza y el aprendizaje por medio de incentivos. ¿Qué lecciones nos entregan lãs reformas educativas de América Latina?. Washington, Banco Mundial, 2005.

Publicado
2016-10-30
Como Citar
Souza, C. A. (2016). A hegemonia do projeto educativo do empresariado no Brasil e em Portugal. Revista HISTEDBR On-Line, 16(68), 288-304. https://doi.org/10.20396/rho.v16i68.8644729
Seção
Artigos