A expansão dos grupos escolares em Minas Gerais na primeira república: estudo comparado sobre a interiorização do ensino primário na zona da mata

Autores

  • Talitha Estevam Moreira Cabral Universidade Federal de Viçosa.
  • Giovanna Maria Abrantes Carvas Universidade Federal de Viçosa
  • Denilson Santos de Azevedo Universidade Federal de Viçosa.

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v17i71.8644867

Palavras-chave:

Grupos escolares. História comparada. Estado de Minas Gerais.

Resumo

O presente artigo apresenta alguns dos resultados de uma investigação sobre o processo de criação e os primeiros anos de funcionamento de dois grupos escolares de Minas Gerais, pioneiros em seus municípios. Por serem contemporâneos e estarem localizados em duas cidades distintas pertencentes à mesma região mineira, a Zona da Mata, buscamos realizar um estudo comparado entre estes dois educandários: o Grupo Escolar Silveira Brum (GESB), criado em Muriaé, e o Grupo Escolar Antônio Martins (GEAM), criado em Ponte Nova. Tal estudo se faz pertinente devido à ausência de estudos sistematizados sobre a temática, o que nos possibilitará perceber as leis emanadas do Estado, através da Secretaria do Interior, e como elas estavam se efetivando nos municípios mineiros no início do século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talitha Estevam Moreira Cabral, Universidade Federal de Viçosa.

Possui mestrado em Educação (2014) pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) graduação em Licenciatura em Pedagogia pela mesma instituição (2012). Desenvolveu trabalho de Iniciação Científica na área de Educação, com ênfase em História da Educação. Atualmente, é professora da rede estadual de Minas Gerais e da rede municipal de Muriaé/MG.

Giovanna Maria Abrantes Carvas, Universidade Federal de Viçosa

Mestre em Educação (2016) na linha de pesquisa Educação, Estado e Sociedade pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Possui graduação em Pedagogia pela mesma instituição. Atuou como bolsista PIBIC/CNPq entre os anos de 2009 e 2012, quando desenvolveu pesquisas na área de História da Educação, mais especificadamente, história das instituições escolares. Integrou ainda, durante o mesmo período, o grupo de pesquisa Políticas Públicas e atuou na linha de pesquisa de Política Educacional da UFV.

Denilson Santos de Azevedo, Universidade Federal de Viçosa.

Possui graduação em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985), mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (1993) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2005). É professor Associado lotado no Departamento de Educação da Universidade Federal de Viçosa, atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFV), no Programa de Pós-Graduação em História (PPGH/UFV), nível de mestrado acadêmico e profissionalizante respectivamente, em cursos de pós-graduação lato sensu e em cursos de graduação. Atualmente é avaliador de cursos de bacharelado e licenciatura do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em História da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, história da educação,educação e patrimônio histórico e política e educação contemporânea.

Referências

ASSIS, T. R.; AZEVEDO, D. S. Grupo Escolar Antônio Martins (1913-1930): trajetória, memória e cultura escolar. Viçosa: Relatório PIBIC/CNPq, 2009.

CABRAL, T. E. M.; AZEVEDO, D. S. A instalação e constituição do Grupo Escolar nas cidades de Muriaé e Ponte Nova (1907 - 1930): análise de acervo e memórias. Viçosa: Relatório PIBIC/FAPEMIG, 2012.

CARVAS, G. M. A.; AZEVEDO, D. S. A instalação e constituição do Grupo Escolar Antônio Martins na cidade de Ponte Nova (1907 - 1930): análise de acervo e memórias. Viçosa: Relatório PIBIC/CNPq, 2011.

ENTREVISTA. ministrada em julho de 2010, pela ex-aluna Emilia Portela.

FARIA FILHO, L. M. Dos Pardieiros aos Palácios – Cultura escolar e urbana em Belo Horizonte na Primeira República. Passo Fundo: Ed. Univ., UPF, 2000.

LOPES, A. C.. A escola em festa: Festividades escolares na I República no Piauí. Disponível em: http://www.faced.ufu.br/colubhe06/anais/arquivos/ 396AntonioPaduaCarvalhoLopes.pdf. Acesso em: 15 nov 2012. Revista de Historiografia Muriaeense. (1979). Ano II, nº 2 – Muriaé – MG, 2011.

Fontes:

GRUPO ESCOLAR SILVEIRA BRUM. Atas de Instalação, posse, exames. Cadernos de avaliação e certificados de aprovação dos alunos. Relatório do Diretor. Ofícios enviados e recebidos da Secretaria de Educação do Estado. 1912-1930. (Arquivo Escola Estadual Doutor Silveira Brum).

GRUPO ESCOLAR SILVEIRA BRUM. Documentos referentes à Caixa Escolar. Termos de Visitas Oficiais; Termos de Visitas Particulares (1912-1927). (Arquivo Público Mineiro e Escola Estadual Doutor Silveira Brum).

GRUPO ESCOLAR SILVEIRA BRUM. Atas de Instalação e Exames; Relatórios do diretor; Termos de Assentamento e Posse; Visitas Oficiais e Particulares; diplomas; requerimentos; nomeações; decretos; licenças; procurações; frequência dos professores e/ou alunos 1912-1930. (Arquivo Público Mineiro).

CÂMARA MUNICIPAL DE MURIAÉ. Ofícios, circulares e cartas recebidas pela Câmara Municipal, seu presidente e autoridades municipais; Jornais, Biografias, fotografias - 1907 a 1930.

GRUPO ESCOLAR ANTÔNIO MARTINS. Atas de Termo de Posse - 1913 a 1936. (Arquivo Escola Estadual Senador Antônio Martins).

GRUPO ESCOLAR ANTÔNIO MARTINS. Caderno de Atas – 1929 a 1932. (Arquivo Escola Estadual Senador Antônio Martins).

CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE NOVA. Ofícios, circulares e cartas recebidas pela Câmara Municipal, seu presidente e autoridades municipais. Jornais da época - 1907 a 1913.

Downloads

Publicado

2017-07-13

Como Citar

CABRAL, T. E. M.; CARVAS, G. M. A.; AZEVEDO, D. S. de. A expansão dos grupos escolares em Minas Gerais na primeira república: estudo comparado sobre a interiorização do ensino primário na zona da mata. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 174–190, 2017. DOI: 10.20396/rho.v17i71.8644867. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8644867. Acesso em: 18 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos