O discurso oficial de educação para o exercício da cidadania e o papel do ensino de sociologia

Valci Melo

Resumo


O presente estudo analisa o discurso oficial acerca da “formação para o exercício da cidadania” e os sentidos atribuídos ao ensino da Sociologia neste processo. Para tal, investiga-se, à luz da Análise do Discurso filiada ao filósofo francês Michel Pêcheux (1938-1983), os “efeitos de sentidos” materializados em documentos como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9.394/96), as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (DCNEM) de 1998 e de 2012, os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM) de 1999 e as Orientações Curriculares para o Ensino Médio, Conhecimentos de Sociologia (OCEM-Sociologia) de 2006. Ao longo do estudo, demonstra-se a afinidade entre o discurso oficial de “preparação para o exercício da cidadania” – finalidade junto à qual o ensino de Sociologia é chamado a atuar – e a defesa da sociedade capitalista como a única alternativa societária viável. Por fim, conclui-se que o discurso oficial, ressalvadas as diferenças entre as materialidades discursivas analisadas, busca disciplinar o ensino de Sociologia e controlar suas possibilidades formativas de modo que não ultrapasse os limites da adaptação dos estudantes à ordem social vigente.


Palavras-chave


Documentos oficiais. Ensino de Sociologia. Cidadania. Educação Básica. Análise do Discurso

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Marta Maria de. Governo e sociedade na trajetória da nova LDB: dois projetos, duas versões, uma vontade política. Educação em Revista, Belo Horizonte, nº 30, dez. 1999.

BARROS, José D'Assunção. Igualdade, desigualdade e diferença: contribuições para uma abordagem semiótica das três noções. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, n. 39, p. 199-218, abr. 2006.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 05 de outubro de 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. Resolução CEB nº 3, de 26 de Junho de 1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 5 ago. 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 1999.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n.º 38/2006. Inclusão obrigatória das disciplinas de Filosofia e Sociologia no currículo do Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, 14 de agosto de 2006.

BRASIL. Orientações curriculares para o Ensino Médio. Brasília, DF: MEC, 2006.

BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 7, de 07 de abril de 2010. Apresenta Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 09 de julho de 2010.

BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 5, de 24 de janeiro de 2011. Apresenta Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, 24 de janeiro de 2012.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 2, de 30 de janeiro de 2012. Define diretrizes curriculares nacionais para o ensino médio. Diário Oficial da União, Brasília, 31 de janeiro de 2012.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

CASÃO, Carolina Dias Cunha; QUINTEIRO, Cristiane Thaís. Pensando a Sociologia no Ensino Médio através dos PCNEM e das OCNEM. Revista Mediações, v. 12, n. 1, p. 225-238, 2007.

CAVALCANTE, Maria do Socorro Aguiar de Oliveira. Qualidade e cidadania nas reformas da educação brasileira: o simulacro de um discurso modernizador. Maceió: Edufal, 2007.

CORTINA, Adela. Cidadãos do mundo: para uma teoria da cidadania. São Paulo, SP: Loyola, 2005 (Tradução de Silvana Cobucci Leite).

COUTINHO, Carlos. Nelson. 2008. Contra a corrente: ensaios sobre democracia e socialismo. 2. ed. rev. e atual. - São Paulo: Cortez.

DAGNINO, Evelina. Os movimentos sociais e a emergência de uma nova noção de cidadania. In: DAGNINO, Evelina (org.). Os anos 90: política e sociedade no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BRASIL. Confluência perversa, deslocamentos de sentido, crise discursiva. In: GRIMSON, Alejandro (org.). La cultura em las crisis latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2004.

FLORÊNCIO, Ana Maria Gama et. al. Análise do discurso: fundamentos e práticas. Maceió: EDUFAL, 2009.

LÖWY, Michael. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen: marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

MARSHALL, Thomas Humphrey. Cidadania, classe social e status. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1967.

MARX, Karl. Glosas críticas marginais ao artigo “O rei da Prússia e a reforma social”: de um prussiano. São Paulo: Expressão Popular, 2010a (Tradução e introdução de Ivo Tonet).

BRASIL. Sobre a questão judaica. São Paulo: Boitempo, 2010b (Apresentação e posfácio de Daniel Bensaïd; tradução de Nélio Schneider, Daniel Bensaïd e Wanda Caldeira Brant).

MELO, Kátia. Discurso, consenso e conflito: a (re)significação da profissão docente no Brasil. Maceió: EDUFAL, 2011.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. 2. ed. ampliada. São Paulo: Boitempo, 2008 (Tradução de Isa Tavares).

MOEHLECKE, Sabrina. O ensino médio e as novas diretrizes curriculares nacionais: entre recorrências e novas inquietações. Rev. Bras. Educ., v.17, n.49, p.39-58. 2012.

MORAES, Amaury César. Ensino de Sociologia: periodização e campanha pela obrigatoriedade. Cadernos Cedes, Campinas, v. 31, n. 85, p. 359-382, 2011.

MORAES, Amaury César. Ciência e ideologia na prática dos professores de sociologia no Ensino Médio: da neutralidade impossível ao engajamento indesejável, ou seria o inverso? Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 1, p. 17-38, jan./mar. 2014. Disponível em: http://www.ufrgs.br/edu_realidade. Acesso em: 31 jan. 2014.

OLIVEIRA, Amurabi. O ensino de sociologia e as novas DCNEM. Educere et Educare, Cascavel – PR, vol. 9, n. 18, p. 641 – 650, jul.-dez. 2014.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 2. ed. Campinas: Pontes, 2007.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 3. ed. Campinas – SP: Editora da UNICAMP, 1995.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 2. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1995 (Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi et al.).

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. 4. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2006 (Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi).

PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. Campinas – SP: Pontes, 1999 (Tradução e introdução de José Horta)

PÊCHEUX, Michel.; FUCHS, Catherine. A propósito da Análise Automática do Discurso: atualização e perspectivas. In: Por uma Análise Automática do Discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3.ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1997 (tradução de tradutores Bethania S. Mariani et al.).

RABELO, Jackline et. al. Educação para todos e reprodução do capital. Trabalho necessário, Rio de Janeiro, n. 9, ano 7, 2009. Disponível em: http://www.uff.br/trabalhonecessario/images/TN09%20JIMENEZ,%20S.%20et%20al.pdf. Acesso em: 23 jan. 2015.

SAVIANI, Dermeval. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas. 11. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008c.

SILVA SOBRINHO, Helson Flávio da. Manifestos, resoluções e o peso da lei: o discurso sobre a obrigatoriedade do ensino de Sociologia. In: OLIVEIRA, Dijaci David de et al. (org.). Ensino de Sociologia: currículo, metodologia e formação de professores. Goiânia:UFG/FUNAPE, 2011.

SOUZA, Davisson Charles Cangussu. O ensino de sociologia e a pedagogia histórico-crítica: uma análise dos fundamentos teórico-metodológicos das propostas atuais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, nº 51, p. 122-138, jun. 2013.

TONET, Ivo. Educação, cidadania e emancipação humana. Ijuí: Unijuí, 2005.

TONET, Ivo. Educação contra o capital. Maceió, Edufal, 2007.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação Para Todos (Conferência de Jomtien). Tailândia: Unesco, 1990. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf. Acesso em: 23 jan. 2015.

WEBER, Max. A "Objetividade" do Conhecimento na Ciência Social e na

Ciência Política. In: WEBER, Max. Metodologia das Ciências Sociais. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001 (parte 1).




DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v16i68.8645017

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista HISTEDBR On-line

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

(c) Rev. HISTEDBR On-line, Campinas (SP) - ISSN 1676-2584.