O ativismo de rappers e o “progresso intelectual de massa”: uma leitura gramsciana do rap no Brasil

Autores

  • Bráulio Loureiro Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v17i2.8645849

Palavras-chave:

Educação não formal. Formação política. Periferia. Hip-Hop. Rap.

Resumo

Rappers são compositores e cantores do gênero musical rap. Não raramente, esses artistas extrapolam as fronteiras da música e se dedicam a atividades assistenciais, culturais e políticas direcionadas às populações de seus bairros e da periferia urbana em geral. Este artigo pretende resgatar e apresentar um conjunto de informações a respeito da prática política, da concepção de mundo e da formação política de seis conhecidos rappers ativistas brasileiros. Por meio do material reunido a partir de letras musicais e depoimentos registrados em sites, revistas e documentários, busco sustentar que a ação política e a forma pela qual se educaram faz com que os rappers ativistas apareçam, em determinadas circunstâncias, como educadores da periferia, na direção do papel que Antonio Gramsci conferiu aos intelectuais no processo que chamou de “progresso intelectual de massa”. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bráulio Loureiro, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Bacharel em Relações Internacionais (UNESP/Marília), mestre em Ciências Sociais (UNESP/Marília) e doutor em Ciência Política (IFCH/UNICAMP). Professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

ACANDA, J. L. Sociedade civil e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2006.

ANGELO, D. Dexter, GOG e Coletivo Peso – como vai seu mundo? Soul Art. Entrevistados Eduardo Bustamante e Dexter. 04 nov. 2013. Disponível em: < http://soulart .org/social/dexter-gog-e-coletivo-peso-como-vai-seu-mundo/ >. Acesso em: 02 abr. 2015.

BAKER, S. The history of rap and hip-hop. Farmington Hills: Lucent books, 2006.

BARATTA, G. As rosas e os cadernos: o pensamento dialógico de Antonio Gramsci. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

BRADLEY, A.; DUBOIS, A. The anthology of rap. Yale: Yale University Press, 2010.

BRASIL. Ministério da Cultura. Programas e ações – Pontos de Cultura. 2015. Disponível em: < http://www.cultura.gov.br/pontos-decultura1 >. Acesso em: 13 jul. 2015.

CARVALHO, I. MV Bill e Dexter minam o campo periférico. Revista Fórum, ed. 132, 31 jan. 2014. Entrevistados Dexter e MV BILL. Disponível em: < http://www.revistaforum.com.br/2014/01/31/mv-bill-e-dexter-minam-o-campo-periferico/ >. Acesso em: 20 jul. 2015.

DAVIS, M. Cidades mortas. Rio de Janeiro: Record, 2007.

D’ANDREA, T. P. A formação dos sujeitos periféricos: cultura e política na periferia de São Paulo. 2013. 309 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

DEBRUN, M. Gramsci: filosofia, política e bom senso. Campinas: Editora da UNICAMP, 2001.

DEL ROIO, M. T. Gramsci e a educação do educador. Caderno Cedes, Campinas, v. 26, n. 70, p. 311-328, set./fev. 2006.

DEXTER, D. Portal rap nacional. 2011. Disponível em: < www.rapnacional.com.br >. Acesso em: 19 maio 2013.

DIAS, E. F. Educação, luta de classes e revolução. Germinal: marxismo e educação em debate, Londrina, v. 3, p. 43-49, fev. 2011.

EDUARDO. Eduardo – Facção Central. Portal rap nacional. 2009. Disponível em: < http://bacteria2009.blogspot.com.br/2009/08/eduardo-faccao-central.html >. Acesso: 13 mar. 2012.

EDUARDO. Palestra aos moradores do bairro Chácara Flórida – Embu-Guaçu-SP, 2013. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=yxxRmBjbkxM >. Acesso em: 20 fev. 2015.

ENGUITA, M. F. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

FACÇÃO CENTRAL. A guerra não vai acabar. In: A marcha fúnebre prossegue. São Paulo: Discoll Box, 2001a. 1 CD.

FACÇÃO CENTRAL. Sei que os porcos querem meu caixão. In: A marcha fúnebre prossegue. São Paulo: Discoll Box, 2001b. 1 CD.

FÉLIX, J. B. Chic Show e Zimbabwe: a construção da identidade nos bailes black paulistanos. 2000. 2002 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

GARCIA, W. S. “Diário de um detento”: uma interpretação. In: NESTROVSKI, A. (Org.). Lendo música. São Paulo: Publifolha, 2007.

GARCIA, W. S. Ouvindo Racionais MC’s. Ensaios sobre arte e cultura na Formação. São Paulo: Coletivo Nacional de Cultura do MST, 2006.

GAS-PA. Companheiro Gas-Pa lança novo CD de hip-hop. Produto da mente, 6 ago. 2010. Disponível em: < http://assuntosprodutodamente.blogspot.com.br/2010/08/companheiro-gas-pa-lanca-novo-cd-de-hip.html >. Acesso em: 14 set. 2012.

GAS-PA. O levante: somos a exceção. Central Hip-Hop. 2011. Disponível em: < http://www.fazendomedia.com/o-levante-somos-a-excecao/ >. Acesso em: 13 maio 2014.

GRAMSCI, A. Apontamentos e notas dispersas para um grupo de ensaios sobre a história dos intelectuais. In: GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Edição e tradução, Carlos Nelson Coutinho. Coedição, Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. v. 2.

GRAMSCI, A. Às margens da história: história dos grupos sociais subalternos. In: GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere – vol. 5. Edição e tradução, Luiz Sérgio Henriques; Coedição, Carlos Nelson Coutinho e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002a.

GRAMSCI, A. Dos cadernos miscelâneos: caderno 7. In: GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Edição e tradução, Carlos Nelson Coutinho. Coedição, Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999a. v. 1.

GRAMSCI, A. Introdução ao estudo da Filosofia. In: GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Edição e tradução, Carlos Nelson Coutinho. Coedição, Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999b. v. 1.

GRAMSCI, A. Maquiavel. Nota sobre o Estado e a política. In: GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Edição e tradução, Carlos Nelson Coutinho. Coedição, Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. v. 3.

GRAMSCI, A. Observações sobre o “folclore”. In: GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Tradução, organização e edição, Carlos Nelson Coutinho, Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002b. v.6.

HARVEY, D. Neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

HATCH, T. A history of hip-hop: the roots of rap. Minnesota: Red Brick Learning, 2006.

HIP-HOP, o pai que Dexter não teve. Brasil de Fato, out. 2012. Entrevistado Dexter. Disponível em: < http://www.brasildefato.com.br/node/10950 >. Acesso em: 23 ago. 2013.

ICE BLUE. A eminência parda. Revista Rolling Stone Brasil, São Paulo, n. 39, p. 80-89, 2009.

KEHL, M. R. A Fratria órfã. São Paulo: Olho d’água, 2008.

KEHL, M. R. A passividade. In: NOVAES, A. (Org.). Vida vício virtude. São Paulo: Senac-São Paulo, 2009.

LEAL, S. J. Acorda hip-hop. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2007.

LIGUORI, G. Roteiros para Gramsci. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007.

MANO BROWN. A eminência parda. Revista Rolling Stone Brasil, São Paulo, n. 39, p. 80-89, 2009.

MANO BROWN. Eu questiono porque não basta ser. Revista CULT, ed. 192, 2014. Disponível em: < http://revistacult.uol.com.br/home/2014/07/eu-questiono-porque-nao-basta-ser/ >. Acesso em: 29 abr. 2015.

MARX, K. Teses sobre Feuerbach. In: MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MITCHELL, T. Global noise: rap and hip-hop outside the USA. Middletown: Wesleyan University Press, 2001.

OFICINA de MCs da posse Enraizados. Futebol, rap e samba, 20 jan. 2008. Entrevista com Preto Zezé. Disponível em: < http://futebolrapesamba.blogspot.com.br/2008/01/

oficina-de-mcs-da-posse-enraizados-sp.html >. Acesso em: 04 maio 2014.

OLIVEIRA, F. de. Política numa era de indeterminação: opacidade e reencantamento. In: OLIVEIRA, F. de; RIZEK, C. S. (Org.). A era da indeterminação. São Paulo: Boitempo, 2007.

PINHEIRO, J. Entre o bairro e a fábrica: os movimentos populares urbanos (MPUs). In: ROCHA, E. (Org.). 100 anos de movimento sindical no Brasil: balanço histórico e desafios futuros – seminário nacional da UGT. Brasília: Editorial Abaré, 2010.

PORTAL suvaco de cobra. Entrevista com MV Bill. 2008. Disponível em: < http://suvacodecobrahiphop.blogspot.com.br/2009/05/entrevista-com-mv-bill.html >. Acesso em 02 abr. 2010.

RACIONAIS, MC’s. Negro drama. In: Nada como um dia após o outro dia. São Paulo: Cosa Nostra, 2002a. 1 CD.

RACIONAIS, MC’s. Vida loka I. In: Nada como um dia após o outro dia. São Paulo: Cosa Nostra, 2002b. 1 CD.

SANCHES P. A. Carta Capital, 09 set. 2011. Entrevista com Preto Zezé. Disponível em: < http://farofafa.cartacapital.com.br/2011/09/09/preto-zeze/ >. Acesso em 05 jul. 2012.

SCHLESENER, A. H. Revolução e cultura em Gramsci. Curitiba: Editora UFPR, 2002.

SILVA, J. C. Rap na cidade de São Paulo: música, etnicidade e experiência urbana. 1998. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

SINGER, P. Movimentos de bairro. In: SINGER, P.; BRANT, V. C. (Org.). São Paulo: o povo em movimento. 4. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1983.

SPOSITO, M. P. A sociabilidade juvenil e a rua: novos conflitos e ação coletiva na cidade. Tempo Social, São Paulo, v. 5, n. 1-2, p. 161-178, 1994.

TAVARES, L. F. MV BILL. Leia entrevista com rapper carioca e veja o clip inédito da música ‘O soldado que fica’. Revista Trip/Uol, 03 dez. 2012. Entrevista com MV BILL. Disponível em: < http://revistatrip.uol.com.br/so-no-site/entrevistas/mv-bill.html >. Acesso em: 01 fev. 2013.

TEPERMAN, R. Se liga no som: as transformações do rap no Brasil. São Paulo: Claro Enigma, 2015.

TONET, I. Educação, cidadania e emancipação humana: crítica da colocação da cidadania como objetivo maior da educação e proposta de substituição pela categoria da emancipação humana. 2001. Programa de Pós-Graduação (Educação) – Universidade Estadual Paulista, Marília, 2001.

WACQUANT, L. As duas faces do gueto. São Paulo: Boitempo, 2008.

WALKER, I. Hip-hop around the world. Broomall: Mason Crest Publishers, 2008.

YOSHINAGA, G. K. Resistência, arte e política: registro histórico do rap no Brasil. Trabalho de conclusão de curso em Comunicação social. 20001. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru, 2001.

Downloads

Publicado

2017-10-20

Como Citar

LOUREIRO, B. O ativismo de rappers e o “progresso intelectual de massa”: uma leitura gramsciana do rap no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 17, n. 2, p. 419–447, 2017. DOI: 10.20396/rho.v17i2.8645849. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8645849. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos