Verticalização e trabalho docente nos institutos federais: uma construção histórica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v17i2.8645865

Palavras-chave:

Institutos Federais. Verticalização. Trabalho docente. Intensificação do trabalho.

Resumo

O processo de criação da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica foi de transformações históricas, educacionais, sociais e da reestruturação produtiva do modo de produção capitalista, encadeando modificações na maneira de pensar e realizar as políticas públicas para a educação profissional no país com consequências para o trabalho docente. Os Institutos Federais, parte integrante da Rede Federal, têm entre suas características a verticalização, que visa otimizar a infraestrutura física, os quadros de pessoal e os recursos de gestão, bem como integrar a Educação Básica a Superior. O método crítico-dialético foi a lente pela qual esta pesquisa buscou a compreensão da realidade, que se entende como contraditória e em permanente transformação, e para isso concebemos o objeto como processo histórico concreto. Os procedimentos utilizados na investigação incluíram pesquisa bibliográfica, documental e levantamento do estado do conhecimento. Os estudos sobre o tema indicam que o trabalho docente nesse contexto verticalizado tem implicações uma vez que o professor atende a diferentes áreas tanto de conhecimento como de níveis, fragilizando a compreensão sobre a materialidade do trabalho e apontando elementos de sua intensificação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Blenda Cavalcante de Oliveira, Instituto Federal de Brasília

Graduada em Pedagogia, especialista em Psicopedagogia, mestranda em Educação pela Universidade de Brasilia (UnB). Professora do Instituto Federal de Brasília (IFB).

Shirleide Pereira da Silva Cruz, Universidade de Brasília

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora Adjunta do Departamento de Planejamento e Administração da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB).

Referências

AMORIM, H. As teorias do trabalho imaterial: uma reflexão crítica a partir de Marx. Caderno CRH, Salvador, v.27, n. 70, jan./apr. 2014.

ANTONIAZZI, M. R. F. A educação profissional no contexto da sociedade capitalista brasileira: análise a partir do método crítico-dialético. Revista Entreideias, Salvador, v. 1, n. 2, p. 127-145, jul./dez. 2012.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

ARAÚJO, J. J. A complexa construção de sentidos no cotidiano escolar: o caso da área de design do campus Pelotas do Instituto Federal Sul-rio-grandense. Currículo sem Fronteiras, v. 14, n. 3, p. 208-229, set./dez. 2014.

BATISTA, E. L. Trabalho e educação profissional nas décadas de 1930 e 1940 no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2015.

BRASIL. Concepção e diretrizes – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Brasília: MEC/Setec. 2008b.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil.Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. De 10 de novembro de 1937.

BRASIL. Crêa nas capitaes dos Estados da Republica Escolas de Aprendizes Artifices, para o ensino profissional primario e gratuito. Diário Oficial da União - Seção 1 - 26/9/1909, Página 6975. Decreto nº 7.566, de 23 de Setembro de 1909.

BRASIL. Educação profissional técnica de nível médio integrada ao ensino médio. Documento base. Brasília: MEC/Setec. 2007.

BRASIL. Institui a Rede Federal de Educação Profissional Científica e Tecnológica e dá outras providências. Congresso Nacional. Lei 11.892, de 29 de dezembro de 2008.

BRASIL. Planejando a Próxima Década Conhecendo as 20 Metas do Plano Nacional de Educação. Presidência da República - Ministério da Educação - Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino, 2014.

BRASIL. Proposta em discussão: políticas públicas para a educação profissional e tecnológica. Brasília: MEC/Setec. 2004.

BRASIL. Regulamento da Lei orgânica do ensino industrial. Decreto-Lei nº 4073 de 30 de janeiro de 1942.

CRUZ, S. P. da. S.; NETO, J. B. A polivalência no contexto da docência nos anos iniciais da escolarização básica: refletindo sobre experiências de pesquisas. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 50,maio/ago. 2012.

CRUZ, S. P. da. S.; VITAL, T. R. S. A construção da profissionalidade docente para a educação profissional: análise de concursos públicos para docente. Holos, ano 30, v. 02, 2014.

CUNHA, L. A. O ensino industrial-manufatureiro no Brasil. Revista Brasileira de Educação, n. 14, maio/ago. 2000.

DAL ROSSO, S. Mais trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo, 2008.

FARIAS, I. M. de. Diferenças entre polivalência e politecnia: implicações para a formação da concepção sobre o trabalho no processo educativo. Educação e Filosofia, v. 12, n. 33, p. 11-29, jan./jul. 1998.

FARTES, V. L. B. Reforma da educação profissional e crise das identidades pedagógicas e institucionais. Cadernos de Pesquisa, v. 38, n. 135, p. 657-684, set./dez. 2008.

FERNANDES, M. R. da. S. O processo de verticalização da educação profissional e tecnológica e suas implicações na qualidade do trabalho dos docentes do Câmpus São Vicente do Sul do Instituto Federal Farroupilha. 2013. 103 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2013.

FERRETTI, C. J. Problemas institucionais e pedagógicos na implantação da reforma curricular da educação profissional e técnica de nível médio no IFSP. Educ. Soc., Campinas, v. 32, n. 116, p. 789-806, jul./set. 2011.

INSTITUTOS FEDERAIS lei 11.892, de 29/11/2008: comentários e reflexões. IFRN Organização, Caetana Juracy Resende Silva. Natal, 2009.

KUENZER, A. Z. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. In: SAVIANI, D.; SANFELICE, J. L.; LOMBARDI, J.C. (Org.). Capitalismo, trabalho e educação. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

LEHER, R. Educação e tempos desiguais; elementos para uma re-construção da problemática. Revista Trabalho & Educação, Núcleo de Estudos sobre Trabalho e Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, n. 1, fev. 1997.

LEHER, R. Para fazer frente ao apartheid educacional imposto pelo Banco Mundial: notas para uma leitura da temática trabalho-educação. Trabalho e Crítica. Anuário do GT Trabalho e Educação da ANPEd. EDUFF/NETE-UFMG, set. 1999.

LELIS, I.; IÓRIO, Â. C. F.; MESQUITA, S. S. A.; NASCIMENTO, M. das. G. O trabalho docente: a tensão entre intensificação e bem-estar profissional. In:LELIS, I.; NASCIMENTO, M. das. G. (Org.). O trabalho docente no Século XXI quais perspectivas? Rio de Janeiro: Forma & Ação, 2009.

LIMA, A. B. de. Plano decenal de educação para todos e LDB: tudo a ver. In: HISTEDBR, FACULDADE DE EDUCAÇÃO. 2008. UFU/MG GT-2: História das Políticas Educacionais no Brasil, 2008.

LIMA, K. R. de. S. Organismos internacionais e política de educação superior na periferia do capitalismo. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 26., 2003. GT: Política de Educação Superior, n. 11, 2003.

LOPES, E. C. P. M.; CAPRIO, M. As influências do modelo neoliberal na educação. Unesp. Departamento de Ciências da Educação. Revista Eletrônica, 2013.

MARX, K. O processo de trabalho ou o processo de produção de valores de uso. In: MARX, K. O Capital (Vol. I, Parte III: A produção de mais valia absoluta, Cap. V: Processo de trabalho e processo de produção de mais valia). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 12.ed. 1989.

MASSON, G. As contribuições do método materialista histórico e dialético para a pesquisa sobre políticas educacionais. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 9., 2012. ANPED Sul. 2012.

MELO, Nildo Aparecido de. Reestruturação capitalista e a base produtiva de presidente prudente: Fordismo/Taylorismo e acumulação flexível e as relações com a empregabilidade dos trabalhadores. Geografia em Atos, n. 8, v.2. UNESP, Presidente Prudente, 2008.

MENEZES, Graziela Ninck Dias. O trabalho docente na educação profissional técnica. In: 37ª Reunião Nacional da ANPEd, UFSC – Florianópolis. 04 a 08 de outubro de 2015.

MOURA, D. H. A formação de docentes para a educação profissional e tecnológica. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, Brasília, v. 1, n. 1, p. 23-28, jun. 2008. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica.

NEVES, L. M. W. Por que dois planos nacionais de educação? In: NEVES, L. M. W. (Org.). Educação e política no limiar do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2000.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educ. Soc., Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./dez. 2004.

ORTIGARA, C. Institutos Federais: uma nova concepção de educação ou reorganização administrativa? In: COLÓQUIO NACIONAL, 2., 2013, Natal. Anais... Natal. A Produção do Conhecimento em Educação Profissional, IFRN, 2013.

OTRANTO, C. R. Criação e implantação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia – IFETs. RETTA, ano 1, n. 1, p. 89-110, jan./jun. 2010.

PACHECO, E. M.; PEREIRA, L. A. C.; SOBRINHO, M. D. Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: Limites e possibilidades. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 16, n. 30, p. 71-88, jan./jun. 2010.

RUFINO NETO, J. A missão institucional do campus Crato do IFCE: percepção da comunidade escolar sobre os avanços e desafios para desenvolver o ensino, a pesquisa e a extensão em um novo projeto de sociedade. 2012. 56 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2012.

RUMMERT, S. M. Educar e qualificar: caminhos e descaminhos da educação de jovens e adultos trabalhadores. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 31, n. 2, p. 405-423, maio/ago. 2013.

SANTOS, M. do. C. dos. Sob a égide do conflito: a reforma da educação profissional no CEFET-BA. 2005. 251 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

SAVIANI, D. A política educacional no Brasil. In: STEPHANOU, M.; CAMARA, M. H. B. (Org.). História e memórias da educação no Brasil – Vol. III – Século XX. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

SHIROMA, E. O.; CAMPOS, R. F.; GARCIA, R. M. C. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 23, n. 02, p. 427-446, jul./dez. 2005.

SILVA, K. R. de. S. Organismos internacionais e política de educação superior na periferia do capitalismo. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED 26., 2003, Poços de Caldas, “Novo Governo, Novas Políticas?”. Poços de Caldas: GT: Política de Educação Superior, n. 11, 2003.

SILVA, M. A. da. O consenso de Washington e a privatização na educação brasileira. Linhas Críticas, Brasília, v. 11, n. 21, p. 255-264, jan./jun. 2005.

SOUZA, F. C. S.; NASCIMENTO, V. S. de. O. Bacharéis professores: um perfil em expansão na Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. In: MOURA, D. H. (Org.). Produção de conhecimentos, políticas públicas e formação docente em educação profissional. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2013.

TUPPY, M. I. N. A educação profissional. In: OLIVEIRA, R. P.; ADRIÃO, T. (Org.). Organização do ensino no Brasil – níveis e modalidades na Constituição e na LDB. São Paulo: Xamã, 2007.

VARGAS, A. C. L. A face dependente do capitalismo brasileiro e a política de formação para a classe trabalhadora. COLÓQUIO NACIONAL, 2., 2013, Natal, Anais... A Produção do Conhecimento em Educação Profissional, IFRN, 2013.

Downloads

Publicado

2017-10-20

Como Citar

OLIVEIRA, B. C. de; CRUZ, S. P. da S. Verticalização e trabalho docente nos institutos federais: uma construção histórica. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 17, n. 2, p. 639–661, 2017. DOI: 10.20396/rho.v17i2.8645865. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8645865. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)