Cultura escolar e cultura urbana na Salvador do pós-abolição, 1888-1906.

Autores

  • Ian Andrade Cavalcante

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v16i67.8646089

Palavras-chave:

Cultura urbana. Cultura escolar. Escolarização. Pós-abolição

Resumo

Este artigo tem como objetivo contribuir com reflexões acerca da relação entre a cultura escolar e a cultura urbana, na cidade do Salvador no período em destaque. É fruto de pesquisas voltadas para a produção da dissertação de mestrado em Educação, intitulada: “Pela instrucção dos filhos do povo”: escolarização e cultura escolar na Salvador do pós-abolição. Por meio de uma gama diversificada de fontes, incluindo bibliografia especializada, dados censitários, legislação do período, periódicos e jornais, começamos por analisar a cultura urbana na Salvador de fins do século XIX e começo do século XX. Procuramos ressaltar a cena urbana da cidade do Salvador e sua relação com a instrução pública, priorizando a questão racial e a agência dos sujeitos sociais históricos que conquistaram sua emancipação no ano de 1888. Por último demos destaque às diferentes versões sobre a escolarização durante os anos de 1888 e 1906, analisando os interesses e conflitos entre os diferentes agentes históricos envolvidos nesse processo histórico. Procuramos dar voz à professores, inspetores de ensino, delegados escolares, e cruzar esta à legislação do período e aos embates e ajustes entre a cultura escolar e a cultura urbana da capital baiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ian Andrade Cavalcante

Pesquisador em História Social da Educação, com ênfase em questões raciais, de gênero e classe, durante os períodos da abolição e do pós-abolição. Licenciado e Bacharel em História pela UCSal, Mestre em Educação pela UFF e Professor do Ensino Básico da rede privada, na cidade do Salvador.

Referências

ABREU, Martha. “Sobre Mulatas Orgulhosas e Crioulos Atrevidos”: conflitos raciais, gênero e nação nas canções populares (Sudeste do Brasil, 1890 – 1920). Tempo. Rio de Janeiro, no 16, p. 143–173, 2004.

ALBUQUERQUE, Wlamyra R. de. O jogo da dissimulação: abolição e cidadania negra no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ALBUQUERQUE, Wlamyra R. A exaltação das diferenças: racialização, cultura e cidadania negra (Bahia, 1880 – 1900). Tese de doutoramento pela UNICAMP. Campinas: 2004.

ANANIAS Mauricéia. Propostas de educação popular em Campinas: “As aulas noturnas”. Campinas, SP: Cadernos Cedes, ano XX, no 51, novembro/2000.

BACELAR, Jeferson. A hierarquia das raças: negros e brancos em Salvador. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.

CÂMARA, Marcus Paraguassu de A. Conceição e Pilar: freguesias seculares do centro econômico e do porto de Salvador até o século XIX. (Mestrado em História) Salvador: FFCH/UFBA, 1989.

CAVALCANTE, Ian A. “Pela Instrucção dos filhos do povo”: escolarização e cultura escolar na Salvador do pós-abolição, 1888-1906. Dissertação de Mestrado. Niterói-RJ: FEUFF, 2015.

CHALHOUB, Sidney. A força da escravidão: ilegalidade e costume no Brasil oitocentista. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: cortiços e epidemias na Corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CHAMON, Carla S.; FARIA FILHO, Luciano M. de. A educação como problema, a América como destino: a experiência de Maria Guilhermina. In: MIGNOT, Ana Chrystina V.; GONDRA, José G. (orgs.) Viagens pedagógicas. São Paulo: Cortez, 2007.

CONCEIÇÃO, Miguel Luiz da. “O aprendizado da liberdade”: educação de escravos, libertos e ingênuos na Bahia oitocentista. (Dissertação de mestrado) Salvador: UFBA, 2007.

CORRÊA, Lígia. Da beleza e vigor do corpo: breve história da Calistenia. (Monografia de licenciatura) Campinas: UNICAMP, 2002.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de; BERTUCCI, Maria Liane. Experiência e cultura: contribuições de E. P. Thompson para uma história social da educação. Currículo sem Fronteiras, v. 9, n.1, p. 10-24, Jan/Jun 2009.

FERREIRA FILHO, Alberto Heráclito. Desafricanizar as ruas: elites letradas, mulheres pobres e cultura popular em Salvador (1890-1937). Afro-Ásia, no 21-22, 1998-1999, p. 239-256.

FRAGA FILHO, Walter. Mendigos, moleques e vadios na Bahia do Século XIX. São Paulo: Hucitec; Salvador: EDUFBA, 1996.

GOMES, Flavio dos Santos. Negros e política (1888-1937). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

GONDRA, José; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império brasileiro. São Paulo: Cortez, 2008.

GOUVEIA, Maria Cristina S. Tempos de aprender: A produção histórica da idade escolar. Revista Brasileira de História da Educação, no 8, jul./dez. 2004.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação. Número 1, Campinas, Autores Associados, 2001.

LARA, Silvia Hunold. Introdução: a história social e o racismo. In: Dossiê racismo: história e historiografia. História Social, n. 19, segundo semestre de 2010.

MAGALDI, Ana Maria; SCHUELER, Alessandra. Educação escolar na Primeira República: memória, história e perspectivas de pesquisa. Tempo. Revista do Departamento de História da UFF. V. 26, 2009.

MARTINEZ, Alessandra F. Educar e instruir: a instrução popular na Corte imperial - 1870 a 1889. Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1997.

MATTOS, Hebe Maria. Das cores do silêncio: o significado da liberdade no sudeste escravista, Brasil Século XIX. RJ: Nova Fronteira,1998.

MATTOSO, Katia M. de Queirós. Bahia, século XIX: uma província no Império. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1992.

MENEZES, Jaci Maria Ferraz de. A República e a construção do direito à educação na Bahia. In: SANTANA, Elizabete Conceição et. al. (Orgs.). A construção da escola primária pública na Bahia: guia de referências temáticas nas leis de reforma e regulamentos, 1890-1930. Salvador: EDUFBA, 2011. pp. 17-29.

NASCIMENTO, Anna Amélia Vieira. Dez freguesias da cidade do Salvador: aspectos sociais e urbanos do século XIX. Salvador: EDUFBA, 2007 (Coleção Bahia de Todos).

NUNES, Antonietta d‟Aguiar. A formação dos sistemas públicos de educação no século XIX e sua efetivação na província da Bahia. Revista do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, no 99, pp. 75-113, 2004.

PEREIRA, Amilcar Araujo. O mundo negro: relações raciais e a constituição do Movimento Negro no Brasil. Rio de Janeiro: Pallas/FAPERJ, 2013.

PERES, Eliane. Templo de Luz. Pelotas, RS: Editora da UFPel, 2001.

REIS, João José. Domingos Sodré, um sacerdote africano: escravidão, liberdade e candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

REIS, João José. De olho no canto: trabalho de rua na Bahia na véspera da abolição. Afro-Ásia, no 24, 2000, p. 199-242.

ROCHA, Lucia Maria da Franca. A escola normal na província da Bahia. In: ARAUJO, José Carlos Souza et. al. (Orgs.) As escolas normais no Brasil: do Império a República. Campinas: Editora Alínea, 2008.

SANTANA, Elizabete Conceição et. al. (Orgs.). A construção da escola primária pública na Bahia: guia de referências temáticas nas leis de reforma e regulamentos, 1890-1930. Salvador: EDUFBA, 2011.

SANTANA, Elizabete Conceição. A voz dos professores baianos no início da República: a Revista do Ensino Primário (1892-1893). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, no 36, pp. 70-82, dez. 2009.

SANTOS, Mário Augusto da Silva. A República do povo: sobrevivência e tensão. Salvador: EDUFBA, 2001.

SCHUELER, Alessandra F. M. de. Formas e culturas escolares na cidade do Rio de Janeiro: representação, experiência e profissão docente nas escolas públicas primárias - (1870-1890); Rio de Janeiro, UFF. Tese de Doutorado, 2002.

SOUSA, Ione Celeste de. Para os educar e bem criar - tutelas, soldadas e trabalho compulsório de ingênuos na Bahia -1878-1897. In: XXV Simpósio Nacional da ANPUH-História e Ética, Fortaleza-Ce, 2009.

SOUSA, Ione Celeste de. Escolas ao Povo: experiências de escolarização de pobres na Bahia - 1870 a 1890. Tese de Doutorado em História Social, PEPGHS, PUC/São Paulo; 2006.

VIANA, Larissa. O idioma da mestiçagem: as irmandades de pardos na América Portuguesa. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2007.

Downloads

Publicado

2016-07-05

Como Citar

CAVALCANTE, I. A. Cultura escolar e cultura urbana na Salvador do pós-abolição, 1888-1906. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 67, p. 68–92, 2016. DOI: 10.20396/rho.v16i67.8646089. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8646089. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos