A pedagogia histórico-crítica e a atualidade do trabalho como princípio educativo: apontamentos para a prática revolucionária na educação popular

  • Marcos Roberto Lima FE-Unicamp
Palavras-chave: Educação popular. Pedagogia histórico-crítica. Trabalho como princípio educativo

Resumo

As reformas educacionais das últimas décadas têm se caracterizado pela instrumentalização de conceitos caros ao marxismo, ofuscando a compreensão dos conflitos sociais fundamentados nas relações sociais de produção. Dentre estas, destaca-se a categoria trabalho, que ao ser manuseada de forma indevida possibilita aos reformadores neoliberais fundamentar a formação para o mundo do trabalho na aquisição de um conjunto de habilidades e competências que garantam a empregabilidade do trabalhador. Assim, os conhecimentos técnicos e humanísticos necessários à formação omnilateral dos indivíduos são desqualificados, inviabilizando-se a compreensão das relações sociais de produção na qual estão inseridos, concomitantemente ao aperfeiçoamento do controle social. Dilui-se a percepção dos conflitos sociais em um caleidoscópio de múltiplas identidades, das quais a identidade fundamentada no antagonismo de classes é apenas mais uma. O objetivo deste artigo é desmistificar o conceito de trabalho no qual estão ancoradas as pedagogias liberais na atualidade, apontando para uma estratégia de articulação da educação às diferentes iniciativas populares de resistência[i].


[i] Não se trata de um embate travado somente com as pedagogias oficiais, posto que também no campo do marxismo esta questão permanece polêmica, alimentada pelo “ego hipertrofiado” de muitos intelectuais de esquerda Paulo Sérgio Tumolo (2001), fazendo referência direta à pedagogia histórico-crítica, critica a tese do trabalho como princípio educativo nela presente. O autor faz uma análise da categoria trabalho na principal obra de Marx O Capital, afirmando haver uma distinção entre a forma abstrata apresentada no Capítulo V, em que o trabalho é produtivo por produzir valores de uso, independentemente de suas formas, e o trabalho no processo de produção capitalista, desenvolvido a partir da Seção V A produção da mais-valia absoluta e relativa, destacando-se no Capítulo XIV a determinação do trabalho produtivo como essencialmente produtor de mais-valia (MARX, 1988, p. 101). Em texto anterior, Tumolo (1996) havia enfrentado a temática do trabalho como princípio educativo, contrapondo autores que abordaram a questão da centralidade do trabalho como categoria analítica.  A hipótese do autor é a de que no enfrentamento dos detratores da centralidade do trabalho, autores como Ricardo Antunes padeceriam da “falta de radicalidade”, devido ao fato de não incluírem a categoria de trabalho produtivo em suas análises, limitando-se às categorias trabalho concreto e trabalho abstrato (idem, p. 54). Porém, se no primeiro texto o autor se limitou ao desenvolvimento da categoria de trabalho produtivo para a sustentação da inviabilidade da tese do trabalho como principio educativo, no texto apresentado na 24º Encontro da Anped, Tumolo é um pouco mais ousado em sua crítica, questionando se devido à impossibilidade do trabalho ser um principio educativo, seja na sociedade capitalista, seja na sociedade comunista, não seria o “prazer de viver” o principio educativo, já que tendencialmente a necessidade do trabalho seria minimizada (TUMOLO, 2001, p. 256). Saviani se apoia no Capítulo VI inédito de O Capital para afirmar o trabalho educativo constitui-se em uma modalidade de trabalho não material cujo produto não se separa da produção (MARX, s/d, p. 119).

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Roberto Lima, FE-Unicamp
Licenciado em História, atualmente cursando o mestrado em Filosofia e História da Educação pela Unicamp; Professor efetivo da Rede Pública Estadual.

Referências

BATISTA, E. L.; LIMA, M. R. A teoria histórico-crítica como teoria pedagógica transformadora: da consciência filosófica à prática revolucionária. In. BATISTA & MARCIGLIA. Pedagogia histórico-crítica: desafios e perspectivas para uma educação transformadora. Campinas: Autores Associados, 2012, [pp. 1-36].

DEWEY, John. Experiência e educação. 2ª edição. Petrópolis: RJ, 2011.

DUARTE, Newton. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões? Campinas-SP: Autores Associados, 2003.

DUARTE, Newton; SAVIANI, Dermeval (orgs.). Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas-SP: Autores Associados, 2012.

DUARTE, Newton. A individualidade para si. Ed. comemorativa. Campinas-SP: Autores Associados, 2013.

GRAMSCI, Antonio. Escritos políticos. Vol. 1. (1910-1920). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Vol. 1: Introdução aos estudos da filosofia. A filosofia de Benedetto Croce. 4ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006a.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Vol. 2: Os intelectuais. O princípio educativo. Jornalismo. 4ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006b.

LIMA, M. R. Gramsci e a escola unitária: a atualidade do trabalho como princípio educativo em tempos de reestruturação produtiva do capital. Anais da XII Jornada Nacional do HISTEDBR, Caxias-MA, 2014. Disponível em: www.xiijornadahistedbr.com.br.

MANACORDA, Mario A. O princípio educativo em Gramsci: americanismo e fordismo. Campinas-SP, Editora Alínea, 2008.

MARX, Karl; ENGELS, F. Textos sobre educação e ensino. 2ª ed. São Paulo: Moraes, 1992.

MARX, Karl; ENGELS, F. Crítica da Filosofia do Direito de Hegel – Introdução. São Paulo: Boitempo, 2005a.

MARX, Karl; ENGELS, F. A questão judaica. São Paulo, Centauro, 2005b.

MARX, Karl; ENGELS, F. Capítulo VI Inédito de O Capital: resultados do Processo de Produção Imediata. São Paulo: Moraes, s/d.

MARX, Karl; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

PISTRAK, Moisey M. fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2000.

PISTRAK, Moisey M.; (org.). A escola-comuna. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho como princípio educativo frente à novas tecnologias. In. FERRETI, C. J. at. al. (orgs); Tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. 3ª ed. Petrópolis-RJ, Vozes, 1994.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação. Vol. 12, nº34, jan./abril de 2007, [pp. 152-65].

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. 41ª edição. Campinas-SP: Autores Associados, 2009.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11ª edição rev. Campinas-SP, 2012.

SAVIANI, Dermeval. Aberturas para a história da educação. Campinas-SP: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, Dermeval. O lunar de Sepé: paixão, dilemas e perspectivas na educação. Campinas-SP: Autores Associados, 2014a.

SAVIANI, Dermeval. Sistema Nacional de Educação e Plano Nacional de Educação. Campinas-SP: Autores Associados, 2014b.

SAVIANI, Nereide. Saber escolar, currículo e didática. 6ª edição. Campinas-SP: Autores Associados, 2010.

TUMOLO, Paulo S. Trabalho: categoria sociológica chave e/ou principio educativo? O trabalho como princípio educativo diante da crise da sociedade do trabalho. Perspectiva. Florianópolis, v. 14, n. 26, jul./dez. 1996, [p. 39-70].

TUMOLO, Paulo S. O significado do trabalho no capitalismo e o trabalho como princípio educativo: ensaio de análise crítica. 24ª Reunião Anual da Anped. 7-11 de outubro de 2001, Disponível em: http://24reuniao.anped.org.br/ts.htm.

VÁZQUEZ, Adolfo S. Filosofia da práxis. São Paulo: Expressão popular, 2007.

Publicado
2016-07-05
Como Citar
Lima, M. R. (2016). A pedagogia histórico-crítica e a atualidade do trabalho como princípio educativo: apontamentos para a prática revolucionária na educação popular. Revista HISTEDBR On-Line, 16(67), 53-67. https://doi.org/10.20396/rho.v16i67.8646091
Seção
Artigos