Memória, história e educação

Autores

  • Sérgio Eduardo Montes Castanho FE/UNICAMP

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v16i67.8646115

Palavras-chave:

História da Educação. História Cultural. Memória

Resumo

Nos dias atuais a memória veio para o primeiro plano das questões acadêmicas, de certa maneira deslocando discretamente a história. Considero a memória o principal nutriente da história. Mas não se identifica com ela. A memória é bem mais confiável e objetiva do que se poderia supor. E a história, tendo progredido teórica e metodologicamente, apresenta-se hoje como uma ciência da qual é justo esperar resultados bem mais significativos para o indivíduo e a sociedade do que o historicismo relativista faria crer. Nem sempre a sociedade se lembra; muitas vezes, a sociedade, e em especial a sua camada dominante, esquece-se. A memória lembra e a história recompõe o movimento da sociedade humana no tempo. A história cultural é legítima, não porque toda história seja cultural, mas porque é possível uma história do âmbito cultural com relativa autonomia. A história cultural tem seu âmbito próprio, sem deixar de ser história. E a história da educação acaba também por se constituir como campo autônomo, dotado de objeto próprio, ainda que tangenciando outras disciplinas históricas ou com elas caminhando junto. Por fim, nunca é demais reiterar que a história deve ser vista de um  ponto de vista globalizante e unitário. E a história da educação, especialidade disciplinar recente, ganha legitimidade justamente na medida em que se articula com a totalidade histórica. Com essa condição, ela pode estudar objetos mínimos como certas instituições escolares individuais, mas com subordinação ao processo geral da institucionalização escolar, dentro do processo histórico da escolarização da educação, que por sua vez se situa no processo mais amplo da produção manufatureira, que por seu turno é um episódio da cooperação produtiva, que constitui uma realização histórica do processo de produção material da existência, que é, ao fim e ao cabo, a determinação básica de toda a história.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Eduardo Montes Castanho, FE/UNICAMP

Possui graduação em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1964), mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1987) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1993), ambos na área de Filosofia e História da Educação. Atualmente é professor doutor colaborador da Universidade Estadual de Campinas, na área de História da Educação.

Referências

AZEVEDO, Fernando de. A cultura brasileira. 4. ed. rev. amp. Brasília: Ed. UnB, 1963.

BRAUDEL, Fernand. Civilização material, economia e capitalismo: séculos XV-XVIII. Trad. Telma Costa. São Paulo, Martins Fontes, 1995. 3 v.

CASTANHO, Sérgio. Globalização, redefinição do estado nacional e seus impactos. In: LOMBARDI, José Claudinei (org.). Globalização, pós-modernidade e educação: história, filosofia e temas transversais. Campinas, SP: Autores Associados: HISTEDBR: Caçador, SC: UnC, 2001.

CHAUÍ, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000.

CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa, Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 2, p. 177-229, 1990.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GOLDMANN, Lucien. Ciências humanas e filosofia. Trad. Lupe Contrim Garaude e J. Arthur Giannotti. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1967.

GRAMSCI, Antonio. Concepção dialética da história. 5. ed. Trad. Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

HOBSBAWM, Eric J. Sobre história. Trad. Cid Knipel Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LE GOFF, Jacques. História e memória. 4. ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1996.

MARX, Karl. Elementos fundamentales para la crítica de la economía política (Grundrisse) 1857-1858. Vol. 1. 14. ed. México, Buenos Aires, Madrid, Bogotá: Siglo Veintiuno, 1986a.

MARX, Karl. Elementos fundamentales para la crítica de la economía política (Grundrisse) 1857-1858. Vol. 2. 10. ed. México, Buenos Aires, Madrid, Bogotá: Siglo Veintiuno, 1985.

MARX, Karl. Elementos fundamentales para la crítica de la economía política (Grundrisse) 1857-1858. Vol. 3. 8. ed. México, Buenos Aires, Madrid, Bogotá: Siglo Veintiuno, 1986b.

THOMPSON, E. P.. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. Orgs. Antonio Luigi Negro e Sérgio Silva. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2001.

VIÑAO FRAGO, Antonio. Historia de la educación e historia cultural: posibilidades, problemas, cuestiones. Revista Brasileira de Educação, n. 0, p. 63-82, set/dez 1995.

VIÑAO FRAGO, Antonio. Espacio y tiempo, educación e historia. Morella, México: IMCED, 1996.

Downloads

Publicado

2016-07-05

Como Citar

CASTANHO, S. E. M. Memória, história e educação. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 67, p. 154–164, 2016. DOI: 10.20396/rho.v16i67.8646115. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8646115. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: X Jorn HISTEDBR-História da Educação: intelectuais, memória e política