Redes e meandros da relação entre o público e o privado no processo de “federalização” do Centro Universitário Católico do Sudoeste do Paraná – UNICS: a arte de cair em pé

  • Leandro Turmena Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campus Dois Vizinhos.
Palavras-chave: Estado. História da Educação. Ensino superior. CPEA/UNICS. Governo do Paraná. IFPR

Resumo

Esta pesquisa investiga os meandros e as redes da relação público/privado que consistiu na implantação do Instituto Federal do Paraná (IFPR), campus Palmas no ano de 2009, explicitando a que demandas sociais correspondeu o processo de “federalização” do Centro Universitário Católico do Sudoeste do Paraná (UNICS). A pesquisa está assentada, epistemologicamente, no método do materialismo histórico dialético e, metodologicamente consultadas fontes primárias (leis, documentos, entre outros), entrevistas com os envolvidos diretamente no processo estudado e levantamento bibliográfico em obras clássicas, livros, artigos de periódicos, entre outros materiais. Primeiramente foi apontado o cenário da educação superior nos governos de FHC e Lula, e, em particular, a expansão numérica de instituições, na sua maioria privadas. Em seguida, problematizou-se sobre o desenvolvimento histórico de Palmas e a Igreja Católica neste contexto. Posteriormente abordou-se a historicidade do ensino superior em Palmas e o processo de implantação do Instituto Federal (IF). Constatou-se que, a implantação do ensino superior em Palmas, gestado pela Igreja Católica na década de 1960 e, mantida pelo Centro Educacional e Assistencial Dom Carlos (CPEA), balizado pelas políticas educacionais dos governos militares, enfrentou, no decorrer de sua história, problemas de ordem financeira fazendo com que seus gestores e sua mantenedora recorressem, em algumas ocasiões, ao Estado, visando pleitear subsídios que garantissem a manutenção das atividades. A partir do primeiro quinquênio do ano 2000 a crise financeira se agravou ocasionada pela diminuição do número de alunos. Neste sentido, houve um movimento conduzido pelo CPEA/UNICS, apoiado por políticos dos poderes executivo e legislativo, empresários/comerciantes, conduzido pela relação de amizade entre o Bispo Emérito da Diocese de Palmas e Francisco Beltrão, Dom Agostinho José Sartori e o governador do Paraná, Roberto Requião para a “federalização” do UNICS. Este processo se concretizou numa triangulação das esferas público federal, público estadual e privado – o Estado do Paraná procedeu a desapropriação da estrutura física, indenizando a mantenedora, e transferiu ao governo Federal para a implantação de um campus do IF – para a qual foram determinantes as relações de patrimonialismo e afinidades pessoais, demostrando que ainda não se superou no Brasil a distinção entre público e privado confundindo-os, neste caso, ainda mais. O estudo demonstrou também, que a “federalização” não foi um projeto de política pública de Estado para atender as demandas sociais e necessidades da classe trabalhadora por educação pública e gratuita. Foi um projeto arquitetado pela Igreja Católica tendo como representante o CPEA, fazendo uso do Estado para salvar a sua falência. Foi literalmente a “arte de cair em pé”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Turmena, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Campus Dois Vizinhos.
Graduado em Filosofia pelo ISF (Instituto Sapientia de Filosofia) em Francisco Beltrão-PR (2004). Licenciado em Pedagogia no UNICS (Centro Universitário Católico do Sudoeste do Paraná) em Palmas-PR (2007). Mestrado em Educação pela UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa) em Ponta Grossa-PR (2009), na linha de pesquisa "História e Políticas Educacionais". Doutorado em Educação na UEM (Universidade Estadual de Maringá) em Maringá-PR (2016)
Publicado
2016-10-30
Como Citar
Turmena, L. (2016). Redes e meandros da relação entre o público e o privado no processo de “federalização” do Centro Universitário Católico do Sudoeste do Paraná – UNICS: a arte de cair em pé. Revista HISTEDBR On-Line, 16(68), 393-393. https://doi.org/10.20396/rho.v16i68.8646248
Seção
Resumo