O atendimento educacional no interior da Amazônia: o município de Belterra

Autores

  • Angela Rocha dos Santos Universidade Federal do Oeste do Pará
  • Maria Lília Imbiriba Sousa Colares Universidade Federal do Oeste do Pará

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v16i69.8648238

Palavras-chave:

Educação escolar. Políticas educacionais. Município.

Resumo

O presente artigo aborda o tema da educação em um município amazônico pós-emancipação à categoria de cidade, a partir da socialização de resultado de pesquisa desenvolvida pelo Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Educação, do Mestrado em Educação, na área de pesquisa em História, Política e Gestão Educacional na Amazônia da Universidade Federal do Oeste do Pará-UFOPA.Para este fim, buscou-se registrar um breve histórico sobre o atendimento da educação pública do Município de Belterra/PA, pautado pela compreensão da educação como política pública social. Os resultados demonstraram desafios educacionais a serem (re) pensados pelos gestores municipais, como a elevada taxa de analfabetismo, além de outras estatísticas de indicadores educacionais reveladores da exclusão do direito à educação e de aprendizagem, como evasão e reprovação. Neste sentido, podemos inferir que ainda o Estado Brasileiro, em especial, para a região amazônica, precisa implementar políticas educacionais que possam enfrentar os problemas de desigualdades, advindas de um processo histórico excludente do direito à educação. E, que apenas os Municípios isoladamente, não podem assumir unicamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Rocha dos Santos, Universidade Federal do Oeste do Pará

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Oeste do Pará.Pedagoga na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), na Pró-reitoria de Ensino de Graduação. Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas História, Sociedade e Educação no Brasil. HISTEDBR/UFOPA.

Maria Lília Imbiriba Sousa Colares, Universidade Federal do Oeste do Pará

Doutora em Educação. Professorado Programa de Pós-graduação da Universidade Federal do Oeste do Pará/UFOPA.

Referências

ABREU, M. Educação Infantil no Brasil: legislação, matrículas, financiamentos e desafios. Estudo. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, Consultora Legislativa da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, 2004.

ARAUJO, F. L. G. M. P. (Org.). Direito humano à educação na Amazônia: uma questão de justiça social. Belém (PA): Sociedade Paraense em Defesa dos Direitos Humanos, 2013.

AZEVEDO, J. M. L. de; AGUIAR, M. A. Políticas de educação: concepções e programas. In: WITTMANN, L. C.; GRACINDO, R. V. (Coords.). O estado da arte em política e gestão da educação no Brasil: 1991 a 1997. Campinas (SP): Autores Associados; Brasília: Inep, 2001a. p. 43-51.

BELTERRA (Município). Relatório de Revitalização do Centro de Referência de Educação Ambiental – CEREA. Considerações IlonaGrunewald. Belterra: Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto, 2004.

BELTERRA (Município). Relatório de Atividades da Diretoria de Ensino. Belterra: Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto, 2006 a 2008.

BELTERRA (Município). Relatório do Sistema Gestor: período de 2010-2011-2012. Belterra: Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto, Setor de Estatística e Censo Escolar.

BLOG Belterra do Tapajós. Disponível em: http://belterradotapajos.blogspot.com.br/. Acesso em: 12 ago. 2014.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF: Imprensa Nacional, n. 191-A, 5 out. 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 02 nov. 2014.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Relatório da Fase 1 Plano de Educação Ambiental da Floresta Nacional do Tapajós 2001/2012. Brasília, DF: ProManejo, 2003.

BRASIL. Ministério da Educação. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília, DF: Secretaria de Educação Básica, 2010.

BRASIL, Presidência da República Federativa do. Decreto nº 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA, 2010b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7352.htm. Acesso em 13.08.2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo escolar 2012. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2012.

CALDART, R. S. Primeira Conferência Nacional por uma Educação Básica no Campo. 4. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

CAMARGO, C. Sociedade e natureza nas ondas do rádio na Amazônia: representações e significados. Anais do XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, da Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – UnB – 6 a 9 de setembro de 2006. Disponível

em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2006/resumos/R0306-1.pdf. Acesso em 02.09.2015

CARDOSO, M. A.; JACOMELI, M. R. M. Considerações sobre as Escolas Multisseriadas: estado da arte. Revista de Educação Educere, Cascavel/PR, v. 5, n. 9, p. 267-290, jan./jun. 2010.

COLARES, A. A. Afirmação étnica e educação escolar indígena do povo Munduruku de Marituba (Belterra – Pará).Revista HISTEDBR On-line, Campinas, nº 50 (especial), p. 99-122, mai. 2013. ISSN: 1676-258 100.

COSTA, F. de A. Capital estrangeiro e agricultura na Amazônia: a experiência da Ford Motor Company (1922-1945). 1981. Dissertação (Mestrado) – Escola Interamericana de Administração Pública, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1981.

GRANDIN, G. Fordlândia: Ascensão e queda da cidade esquecida de Henry Ford na selva.Tradução de Nivaldo Montingelli Jr. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.

HAGE, S. M. (Org.) Educação do campo na Amazônia: retratos de realidade das escolas multisseriadas no Pará. Belém: Gutemberg, 2008.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados do Censo Cidades: Belterra. 2010. Disponível em: www.cidades.ibge.gov.br. Acesso em: 05 mai. 2014.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Dados do Censo Cidades: Belterra. 2015. Disponível em: www.cidades.ibge.gov.br. Acesso em: 10 ago. 2016.

LANE, M. Fotos dos grupos escolares de Henry Ford, 2011. Disponível em: http://belterradotapajos.blogspot.com.br/search/label/Henry%20Ford. Acesso em 12.08.2015.

LOUREIRO, V. Educação e Sociedade nos últimos 60 anos. In: MENDES, Armando Dias. (Org.). Amazônia, Terra e Civilização: uma trajetória de 60 anos. Belém: Banco da Amazônia, 2004.

PARÁ (Estado). Secretaria Executiva de Educação Básica. 2º Caderno da Educação Básica do Estado do Pará. Belém, 2008b.

PARÁ (Estado). Secretaria Executiva de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças. Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará. Estatística Municipal: Belterra. Belém, 2013-2014.

PARÁ (Estado). Fundação Amazônia Paraense de Amparo à Pesquisa – Fapespa. Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração do Baixo Amazonas. Belém, 2015. Disponível em: http://www.fapespa.pa.gov.br. Acesso em 10.12.2014.

PEREIRA, J. C. M. Os modos de vida na cidade: Belterra, um estudo de caso na Amazônia Brasileira. 256f. 2012. Tese (Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

PEREZ, J. R. R. Por que pesquisar implementação de políticas educacionais atualmente? Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1179-1193, out.-dez. 2010. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 12.08.2014.

PRADO, E. C. do. Um olhar avaliativo sobre o MOVA-Regional no ABCD Paulista: dos movimentos populares dos anos de 60 à perspectiva neoliberal. 2007. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, SP, 2007.

ROMANELLI, O. de. O. História da educação no Brasil (1930-1973). 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

SANTOS, O. Belterra: a sua história.Santarém/PA: Instituto Cultural Boanerges Sena, 2004.

SAVIANI, D. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: FERRETTI, C. J. (Org.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

SAVIANI. D. O legado educacional do “longo século XX” brasileiro. In: O legado educacional do século XX no Brasil. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2006. (Educação Contemporânea).

SAVIANI, D. Direito à educação e inversão do conceito: destaques. Revista Profissão Docente, Uberaba, v. 11, n. 23, p. 45-58, jan/jul. 2011.

SENA, C. Fordlândia: breve relato da presença americana na Amazônia. Cad. hist. ciênc., vol. 4, n. 2, pp. 89-108, 2008.

XIMENES-ROCHA, S. H.; COLARES, M. L. I. S. (Orgs.). Formação de Professores: Pesquisa com ênfase na escola do campo. Curitiba: CRV, 2012.

Downloads

Publicado

2017-02-23

Como Citar

SANTOS, A. R. dos; COLARES, M. L. I. S. O atendimento educacional no interior da Amazônia: o município de Belterra. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 69, p. 162–186, 2017. DOI: 10.20396/rho.v16i69.8648238. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8648238. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)