O pensamento tecnocrático e autoritário na educação brasileira, de 1964 a 1985

Autores

  • Maria José Aviz do Rosário Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v16i69.8648239

Palavras-chave:

Educação brasileira. Reformas de ensino. Ditadura militar. Lei 5.540/68 e 5.692/71. Tecnocracia e autoritarismo.

Resumo

O presente texto reúne indicações para discussão e análise dos fundamentos acerca do pensamento tecnocrático e autoritário implementado na educação brasileira pelo governo dos militares entre 1964 e 1985, tendo por base as Reformas de ensino, Lei 5.540/68 e 5.692/71 que reformaram respectivamente os níveis de ensino superior e primário e secundário e - contribuir para o debate sobre o pensamento pedagógico brasileiro; para a pesquisa educacional e; reflexão das atuais reformas educacionais em curso no país. Articula-se a tese de que a política educacional dos governos militares cuja base foram as reformas de ensino serviram para auxiliar a internacionalização da economia mantendo com isso, o país na periferia do capitalismo mundial. Para compreender os fundamentos do pensamento tecnocrático e autoritário implementado na educação brasileira, a partir do golpe militar de 1964 – 1985 e responder os objetivos propostos desenvolveu-se um estudo baseado nos procedimentos de: 1) pesquisa bibliográfica e, 2) análise documental. Em relação a pesquisa bibliográfica foram reunidos dados que pudessem recompor o quadro contextual das reformas de ensino, lei 5.540/68 e 5.692/71 e em seguida partiu-se para a análise dos documentos procurando “dar voz a documentação “ e a mesmo tempo “escutar a voz da documentação”, que no caso em questão foram as leis 5.540/68 e 5.692/71. Sua estruturação apresenta elementos que compõem a justificativa na qual evidencia – se o problema pesquisado que tematizou os fundamentos do pensamento tecnocrático e autoritário durante o governo dos militares, enfocando as reformas de ensino, lei 5.540/68 e 5.692/71, haja vista que o país passava por um processo de redirecionamento político/social no qual os militares a serviço dos capitais nacional e internacional, das classes dominantes e seus privilégios, assumiram como atores principais o papel de combate às forças civis e políticas de esquerda, progressistas e democráticas que atuavam de modo organizado no país. Deste modo, foi instalado a linha de ação numa perspectiva civil/político/militar, baseada na tecnocracia e autoritaritarismo em todas as instituições sociais, tendo em vista o princípio norteador principal da política – segurança e desenvolvimento nacional. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José Aviz do Rosário, Universidade Federal do Pará

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará, mestrado em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba, doutorado em Educação pela Universidade Federal de São Carlos e realiza Pós - Doutorado, na Universidade Católica de Brasilia. É professora do Instituto de Ciências da Educação - UFPA, exercendo atividades de ensino, pesquisa e extensão nos cursos de graduação em Licenciaturas em Pedagogia, Letras, Ciências Sociais, Física e no Programa de Pós - Graduação em Currículo e Gestão da Escola Básica - PPEB (mestrado).

Referências

BOSCHETTI, Vania Regina. Plano Atcon E Comissão Meira Mattos: Construção D0 Ideário Da Universidade Do Pós-64. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, nº .27, p.221 – 229, set. 2007 - ISSN: 1676-2584. http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/27/art18_27.pdf. Acesso em 15/06/2015, às 10:48h.

BRASIL. Ato Institucional Nº 5, de 13 de Dezembro de 1968. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/AIT/ait-05-68.htm. Acesso em 23/06/14, às 15:19h.

BRASIL. Lei 5.692 de 11 de agosto de 1971. Disponível em: http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/128525/lei-de-diretrizes-e-base-de-1971-lei-5692-71. Acesso em 18/09/15, às 22:34h

CHAUI, Marilena Sousa. Ventos do progresso: A universidade Administrada. In Descaminhos da Educação pós 68. São Paulo: brasiliense, 1980

GASPARI, Elio. A ditadura envergonhada. São Paulo: Companhia das Letras 2002. http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/128525/lei-de-diretrizes-e-base-de-1971-lei-5692-71

GHIRALDELLI, Paulo, Júnior. História da Educação. São Paulo: Cortez, 2000

GOVERNO DE ESTADO DE SÃO PAULO. Diretrizes e Bases para o Ensino de 1º e 2º Graus. São Paulo: Edição especial, 1971.

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/legislacao-historica/atos-institucionais. Acesso em 4/04/15, às 12:19h.

IANNI, Otávio. O colapso do populismo no Brasil. Rio de Janeiro: Editora civilização brasileira, 1987.

NETTO, José Paulo. Pequena história da ditadura brasileira (1964-1985). São paulo

OLIVEIRA, Betty Antunes de. O Estado autoritário brasileiro e o ensino superior. São Paulo; Cortez, 1981

RELATÓRIO MEIRA MATOS. In Educação em debate, nº 09, São Paulo, 1968.

ROSÁRIO, Maria José Avizdo. O Pcb E A Organização Do Ensino Público Primário De Belém Do Pará (1945 A 1964). Tese de doutoramento. Universidade Federal de São Carlos – UFSCAR: Belém- Pará, 2006.

SYRKIS, Alfredo. Os carbonários: memórias da guerrilha perdida. São Paulo: Globo Editora e Distribuidora Ltda., 1980.

SAVIANI, Dermeval. O Legado Educacional Do Regime Militar. Cad. Cedes, Campinas, vol. 28, n. 76, p. 291-312, set./dez. 2008. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v28n76/a02v2876.pdf. Acesso em 04/09/14, às 14:56h

SILVA, Rosângela Maria de Nazaré Barbosa. A EDUCAÇÃO BÁSICA NO ESTADO DO PARÁ (1970-1985). Tese de doutoramento. Universidade Federal do Pará – PPGED-UFPA, Belém- Pará, 2014.

WEREBE, Maria José Garcia. Grandeza e misérias do ensino no Brasil. São Paulo: ática, 1994

Downloads

Publicado

2017-02-23

Como Citar

ROSÁRIO, M. J. A. do. O pensamento tecnocrático e autoritário na educação brasileira, de 1964 a 1985. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 16, n. 69, p. 87–99, 2017. DOI: 10.20396/rho.v16i69.8648239. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8648239. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)