Rito escolar – perspectiva histórico-pedagógica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v17i3.8650916

Palavras-chave:

Rito escolar. Sociocultural educativo. Instituição educativa. Pessoa humana.

Resumo

Há um rito no educacional escolar, que a escola comporta e a que dá sequência e significado. O currículo é cognição e passagem. O texto escolar é actualizado e ajustado. O ofício escolar é o de leitor-escrevente e o meta-percurso é o de uma mente letrada, mas é sobretudo o sociocultural educativo que confere substância e reificação ao rito. Neste texto apresentarei uma genealogia e uma reiteração do rito escolar, aplicado à criança e aplicado ao percurso do escolar. Procurarei também fundamentar como esse rito que é inerente à formação da pessoa humana integra a instituição educativa e o educacional escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Justino Magalhães, Universidade de Lisboa

Doutor em história da educação, Universidade do Minho (UMINHO), Portugal. Professor Catedrático do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa (ULisboa).

Referências

BARRIE. James. Peter Pan. Lisboa: Relógio d’Água, 1993. p. 179-180.

BOURDIEU, Pierre. Langage et pouvoir symbolique. Paris: Éditions Fayard. 2001.

CARNEIRO, Mário Sá. Poesias. Lisboa: Ática, 1978. p. 141-142.

CHARBONNEL, Nanine. Pour une critique de la raison éducative. Berne, Francfort-S. Main, New York ; Paris: Peter Lang. 1988.

CLAUSSE, Arnould. A relatividade educativa. Esboço de uma história e de uma filosofia da escola. Coimbra: Almedina. 1976.

CONDORCET. Cinq mémoires sur l’instruction publique. Paris: Flammarion. 1994.

CORSINI, Raymond. The dictionary of psychology. Philadelphia: Taylor & Francis. 1999.

DURAND, Hippolyte. Thêatre d’éducation. In: BUISSON (Dir.). Nouveau Dictionnaire de Pédagogie et d’Instruction Primaire. Paris: Librairie Hachette. 1911. p. 1962-1963.

ELIADE, Mirceia. Mitos, sonhos e mistérios. Lisboa: Edições 70. 1989.

ENCICLOPÉDIA EINAUDI. v. 10.

FEIJÓ, Álvaro. Os poemas de Álvaro Feijó. Porto: Brasília Editora. p. 80.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Porto: Afrontamento. 1972.

GIL, José. Metamorfoses do corpo. 2. ed. Lisboa: Relógio d’Água. 1997.

GOMES, Joaquim Ferreira. Dez estudos pedagógicos. Coimbra: Almedina. 1977.

GOODY, Jack. Representaciones y contradicciones. La ambivalência hacia las imágenes, el teatro, la ficción, las reliquias y la sexualidade. Barcelona: Paidós. 1999.

GUSDORF, Georges. Professores para quê? 2. ed. Lisboa: Moraes. 1970.

ILLICH, Ivan. Une societe sans école. Paris: Éditions du Seuil. 1971.

KANT, Emmanuel. Opuscules sur l’histoire. Paris: Flammarion. 1990.

KANT, Emmanuel. Qu’est-ce que les Lumières? Paris: Hatier. 2007.

KANT. Pedagogia. Madrid: Akal. 1983.

LEVI-STRAUSS, Claude. História do lince. Porto: ASA. 1992.

MÈLICH, Joan-Carles. Antropología simbólica y acción educative. Barcelona: Paidós. 1996.

MIALARET, Gaston. Introduction aux Sciences de l’Education. Paris: Unesco/Lausanne; Delachaux & Niestlé. 1985.

PESTALOZZI. Le chant du cygne suivi de Mes destinees. Boudry-Neuchâtel: Editions de la Baconnière. 1947.

PESTALOZZI. Léonard et Gertrude. Un livre pour le peuple. v. 1; 2. Boudry-Neuchâtel: Editions de la Baconnière. 1947-1948.

REGO, José Lins do. Doidinho. Lisboa: Editores Associados, s/d. p. 125.

REGO, José Lins do. Menino de engenho. Lisboa: Livros do Brasil & Editorial Verbo, 1971. p. 151.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Émile ou De l´éducation. Paris: Gallimard. 1969.

ROWLING, Joanne Kathleen. Harry Potter e a pedra filosofal. Lisboa: Presença, 1999.

SNYDERS, Georges. Y a-t-il une vie après l’école? Paris: ESF éditeur. 1996.

Downloads

Publicado

2017-12-13

Como Citar

MAGALHÃES, J. Rito escolar – perspectiva histórico-pedagógica. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 17, n. 3, p. 714–731, 2017. DOI: 10.20396/rho.v17i3.8650916. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8650916. Acesso em: 16 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)