Crítica ao ideário neoliberal na educação: precarização e descaracterização da escola pública paulista

Autores

  • José Luis Derisso Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Rita de Cássia Duarte Sem vínculo

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v17i4.8651218

Palavras-chave:

Precarização do trabalho docente. Estado de São Paulo. Políticas educacionais. Pedagogia histórico-crítica.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo abordar o processo de precarização e descaracterização da escola pública paulista no contexto da aplicação sistemática de políticas neoliberais – no quadro de um projeto de reformas do estado e da educação brasileira desencadeadas a partir de meados da década de 1990 – e problematizá-lo à luz da concepção de educação e de escola pública da Pedagogia Histórico-Crítica (PHC). Priorizou-se a rede oficial de ensino paulista, em nível de educação básica, por sua condição de maior sistema público de ensino do país bem como pela própria importância econômica e política do estado de São Paulo no cenário nacional. Neoliberalismo, reforma do Estado e da Educação, precarização do trabalho docente e descaracterização da educação escolar no que tange aos seus fins constituem ingredientes de uma mesma concepção de educação e de sociedade que a PHC tem todo o aporte teórico para criticar e se contrapor, justamente porque sua concepção de sociedade, de formação do indivíduo, de educação e de papel social atribuído à escola é diametralmente oposta e antagônica à do ideário neoliberal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Luis Derisso, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutor em educação escolar pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Professor adjunto de fundamentos da educação na Universidade Estadual do Oeste do Paraná em Cascavel (UNIOESTE).

Rita de Cássia Duarte, Sem vínculo

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar na Universidade estadual Paulista de Araraquara (UNESP). Bolsista CAPES/CNPQ.

Referências

BLOCK, A. Filosofia da escola nova. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1951.

DEITOS. R. A. A ideologia do desenvolvimento e da globalização e as proposições curriculares elaboradas. In: FIGUEIREDO, I. M. Z.; ZANARDINI, I. M. S.; DEITOS, R. A. Educação, políticas sociais e estado no Brasil. Cascavel: Ed. da EDUNIOESTE; Curitiba: Fundação Araucária, 2008.

DERISSO, J. L. Luta de classes, trabalho docente e pedagogia histórico-crítica na educação escolar. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 5, n. 2, p. 47-58, dez. 2013.

DUARTE, N. As pedagogias do “aprender a aprender” e algumas ilusões da assim chamada sociedade do conhecimento. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, ANPED, n. 18, p. 35-40, set./dez. 2001.

G1 SÃO CARLOS E ARARAQUARA. 40% dos professores afastados por saúde têm depressão. 10 out. 2012. Disponível em: < http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2012/10/40-dos-professores-afastados-por-saude-tem-depressao-aponta-estudo.html >. Acesso em: 26 jul. 2017.

LÖWY, M. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Müchhausen: marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

LUIZ, G. Piso salarial dos professores terá reajuste de 11,36% em 2016. G1: Educação. Brasília. 14 jan. 2016. Disponível em: < http://g1.globo.com/educacao/noticia/2016/01/piso-salarial-dos-professores-tera-reajuste-de-1136-em-2016-diz-mec.html >. Acesso em: 24 mar. 2017.

LUKÁCS, G. Marxismo e teoria da literatura. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

MARSIGLIA, A. C. G. Um quarto de século de construtivismo como discurso pedagógico oficial na Rede Estadual de Ensino Paulista: análise de programas e documentos da Secretaria de Estado da Educação no período de 1983 a 2008. 2011. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. Tradução de Conceição Jardim e Eduardo Lucio Nogueira. 4. ed. Portugal: Presença; São Paulo: Martins Fontes, 1980.

PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

PINTO, J. M. R. Remuneração adequada do professor desafio à educação brasileira. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 3, n. 4, p. 1-302, jan./jun. 2009. Disponível em: < http://www.cnte.org.br/index.php/publicacoes/retratos-da-escola/14360-retratos-da-escola-volume-3-numero-4-janeiro-a-junho-de-2009.html >. Acesso em: 24 mar. 2017.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. A Sociedade Órfã. Produção de José Renato Nalini, secretário da Educação do estado de São Paulo. Portal do Governo. 05/04/16. Disponível em: < http://www.educacao.sp.gov.br/noticias/a-sociedade-orfa >. Acesso em: 28 mar. 17.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 31. ed. Campinas: Autores Associados, 1997. (Polêmicas do Nosso Tempo, v. 5).

SAVIANI, D. O trabalho como princípio educativo frente as novas tecnologias. In: FERRETTI, C. J. et al. (Org.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Petrópolis: Vozes, 1994.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 5. ed. São Paulo: Autores Associados, 2005.

TAKAHASHI, F. Rede estadual de SP enfrenta saída recorde de professores. Folha de São Paulo, São Paulo, 17 nov. 2015. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2015/11/1707366-rede-estadual-de-sp-enfrenta-saida-recorde-de-professores.shtml >. Acesso em: 22 fev. 2015.

TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: DE TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial a as políticas educacionais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

ZANARDINI, J. B. A ideologia do Desenvolvimento e da globalização e as proposições curriculares elaboradas. In: FIGUEIREDO, I. M. Z.; ZANARDINI, I. M. S.; DEITOS, R. A. Educação, políticas sociais e estado no Brasil. Cascavel: Ed. da EDUNIOESTE; Curitiba: Fundação Araucária, 2008.

Downloads

Publicado

2017-12-21

Como Citar

DERISSO, J. L.; DUARTE, R. de C. Crítica ao ideário neoliberal na educação: precarização e descaracterização da escola pública paulista. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 17, n. 4, p. 1169–1185, 2017. DOI: 10.20396/rho.v17i4.8651218. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8651218. Acesso em: 15 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos