Banner Portal
Crítica ao ideário neoliberal na educação: precarização e descaracterização da escola pública paulista
PDF

Palavras-chave

Precarização do trabalho docente. Estado de São Paulo. Políticas educacionais. Pedagogia histórico-crítica.

Como Citar

DERISSO, José Luis; DUARTE, Rita de Cássia. Crítica ao ideário neoliberal na educação: precarização e descaracterização da escola pública paulista. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 17, n. 4, p. 1169–1185, 2017. DOI: 10.20396/rho.v17i4.8651218. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8651218. Acesso em: 13 jun. 2024.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo abordar o processo de precarização e descaracterização da escola pública paulista no contexto da aplicação sistemática de políticas neoliberais – no quadro de um projeto de reformas do estado e da educação brasileira desencadeadas a partir de meados da década de 1990 – e problematizá-lo à luz da concepção de educação e de escola pública da Pedagogia Histórico-Crítica (PHC). Priorizou-se a rede oficial de ensino paulista, em nível de educação básica, por sua condição de maior sistema público de ensino do país bem como pela própria importância econômica e política do estado de São Paulo no cenário nacional. Neoliberalismo, reforma do Estado e da Educação, precarização do trabalho docente e descaracterização da educação escolar no que tange aos seus fins constituem ingredientes de uma mesma concepção de educação e de sociedade que a PHC tem todo o aporte teórico para criticar e se contrapor, justamente porque sua concepção de sociedade, de formação do indivíduo, de educação e de papel social atribuído à escola é diametralmente oposta e antagônica à do ideário neoliberal.

https://doi.org/10.20396/rho.v17i4.8651218
PDF

Referências

BLOCK, A. Filosofia da escola nova. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1951.

DEITOS. R. A. A ideologia do desenvolvimento e da globalização e as proposições curriculares elaboradas. In: FIGUEIREDO, I. M. Z.; ZANARDINI, I. M. S.; DEITOS, R. A. Educação, políticas sociais e estado no Brasil. Cascavel: Ed. da EDUNIOESTE; Curitiba: Fundação Araucária, 2008.

DERISSO, J. L. Luta de classes, trabalho docente e pedagogia histórico-crítica na educação escolar. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 5, n. 2, p. 47-58, dez. 2013.

DUARTE, N. As pedagogias do “aprender a aprender” e algumas ilusões da assim chamada sociedade do conhecimento. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, ANPED, n. 18, p. 35-40, set./dez. 2001.

G1 SÃO CARLOS E ARARAQUARA. 40% dos professores afastados por saúde têm depressão. 10 out. 2012. Disponível em: < http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2012/10/40-dos-professores-afastados-por-saude-tem-depressao-aponta-estudo.html >. Acesso em: 26 jul. 2017.

LÖWY, M. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Müchhausen: marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

LUIZ, G. Piso salarial dos professores terá reajuste de 11,36% em 2016. G1: Educação. Brasília. 14 jan. 2016. Disponível em: < http://g1.globo.com/educacao/noticia/2016/01/piso-salarial-dos-professores-tera-reajuste-de-1136-em-2016-diz-mec.html >. Acesso em: 24 mar. 2017.

LUKÁCS, G. Marxismo e teoria da literatura. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

MARSIGLIA, A. C. G. Um quarto de século de construtivismo como discurso pedagógico oficial na Rede Estadual de Ensino Paulista: análise de programas e documentos da Secretaria de Estado da Educação no período de 1983 a 2008. 2011. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. Tradução de Conceição Jardim e Eduardo Lucio Nogueira. 4. ed. Portugal: Presença; São Paulo: Martins Fontes, 1980.

PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

PINTO, J. M. R. Remuneração adequada do professor desafio à educação brasileira. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 3, n. 4, p. 1-302, jan./jun. 2009. Disponível em: < http://www.cnte.org.br/index.php/publicacoes/retratos-da-escola/14360-retratos-da-escola-volume-3-numero-4-janeiro-a-junho-de-2009.html >. Acesso em: 24 mar. 2017.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. A Sociedade Órfã. Produção de José Renato Nalini, secretário da Educação do estado de São Paulo. Portal do Governo. 05/04/16. Disponível em: < http://www.educacao.sp.gov.br/noticias/a-sociedade-orfa >. Acesso em: 28 mar. 17.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 31. ed. Campinas: Autores Associados, 1997. (Polêmicas do Nosso Tempo, v. 5).

SAVIANI, D. O trabalho como princípio educativo frente as novas tecnologias. In: FERRETTI, C. J. et al. (Org.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Petrópolis: Vozes, 1994.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 5. ed. São Paulo: Autores Associados, 2005.

TAKAHASHI, F. Rede estadual de SP enfrenta saída recorde de professores. Folha de São Paulo, São Paulo, 17 nov. 2015. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2015/11/1707366-rede-estadual-de-sp-enfrenta-saida-recorde-de-professores.shtml >. Acesso em: 22 fev. 2015.

TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: DE TOMMASI, L.; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial a as políticas educacionais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

ZANARDINI, J. B. A ideologia do Desenvolvimento e da globalização e as proposições curriculares elaboradas. In: FIGUEIREDO, I. M. Z.; ZANARDINI, I. M. S.; DEITOS, R. A. Educação, políticas sociais e estado no Brasil. Cascavel: Ed. da EDUNIOESTE; Curitiba: Fundação Araucária, 2008.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.