Banner Portal
Estado capitalista brasileiro e organismos internacionais: continuidades e aprofundamentos das reformas educacionais
PDF

Palavras-chave

Banco Mundial. OCDE. Reformas educacionais. Gestão pública.

Como Citar

PEREIRA, Rodrigo da Silva; SILVA, Maria Abádia da. Estado capitalista brasileiro e organismos internacionais: continuidades e aprofundamentos das reformas educacionais. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 523–544, 2018. DOI: 10.20396/rho.v18i2.8651372. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8651372. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

O texto parte do campo teórico-metodológico do materialismo histórico-dialético e tem como objetivo analisar as relações hierárquicas entre os Organismos Internacionais e o Estado brasileiro dentro da ordem jurídico-constitucional e suas implicações na Educação. A revisão bibliográfica e análise documental subsidiaram a construção do trabalho. Problematiza as marcas de dominação, exploração e reprodução neste período particular da produção capitalista e, a partir destas reflexões, constata que há continuidades das reformas educacionais, desde 1990, com o aprofundamento das parcerias público-privadas, adoção do modelo das fundações não estatais, contratos de gestão e de tempo parcial na educação pública, além de reordenamentos jurídico e constitucional no país em acordo com a lógica do capital. Aponta, ainda, como instituições e intelectuais do campo privado-mercantil operam um processo de privatização na e da Educação, alterando seu caráter público e estatal, transformando-a em um nicho de investimentos financeiros. Conclui que é preciso alterar a correlação de forças entre capital e trabalho por meio da resistência organizada dos movimentos sociais e populares, que defendem a educação pública e estatal como um direito que imprime, em nós, a humanidade e o senso de justiça.

https://doi.org/10.20396/rho.v18i2.8651372
PDF

Referências

BANCO MUNDIAL. Aprendizagem para todos. Estratégia 2020 para a Educação. D.C. Washington. 2011.

BUENO, C. A. R.; FIGUEIREDO, I. M. Z. A relação entre educação e desenvolvimento para o Banco Mundial: a ênfase na “satisfação das necessidades básicas” para o alívio da pobreza e sua relação com as políticas para a educação infantil. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 9., 2012, Caxias do Sul. Anais eletrônicos... Caxias do Sul: Anped Sul, 2012. p. 1-15. Disponível em: < http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/1024/128.>. Acesso em: 03 jun. 2017.

CDPP. Centro de Debates de Políticas Públicas. Relatório 2014. 2014a. Disponível em: < http://cdpp.org.br/site/wp-content/uploads/2014/12/CDPP_Relatorio-Anual2014.pdf >. Acesso em: 03 jun. 2017.

CDPP. Centro de Debates de Políticas Públicas. Sob a luz do sol: uma agenda para o Brasil. 2014. 2014b. Disponível em: < http://cdpp.org.br/site/wp-content/uploads/2014/09/SobaLuzdoSol_v2209_2.pdf >. Acesso em: 03 jun. 2017.

FELDFEBER, M. Internacionalização da educação, “tratados de livre comércio” e apolíticas educativas na América Latina. In: FERREIRA, E. B.; OLIVEIRA, D. (Org). Crise da escola e políticas educativas. Belo Horizonte, Autêntica, 2009.

FREITAS, L. C. Ajuste Estrutural e as contrarreformas no ensino superior brasileiro resultantes dos postulados neoliberais do Consenso de Washington. Universidade e Sociedade, ano XXVII, n. 60, jul. 2017.

GIDDENS, A. A terceira via: reflexões sobre o impasse político atual e o futuro da social-democracia. Tradução de Maria Luiza X. De Borges. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

HARVEY, D. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

KIM, J. Y. Educación para el crecimiento y la prosperidade. Discurso do presidente do Grupo Banco Mundial Jim Yong Kim, em Dubai, Emirados Árabes Unidos em 13 de fevereiro de 2017. Disponível em: < http://www.bancomundial.org/es/news/speech/2017/02/13/education-for-growth-and-prosperity-a-keynote-speech-by-president-jim-yong-kim >. Acesso em: 20 out. 2017.

LEHER, R.; VITTORIA, P.; MOTTA, V. Educação e mercantilização em meio à tormenta político-econômica do Brasil. Germinal, Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 9, n. 1, p. 14-24, abr. 2017.

LOMBARDI, J. C. Crise capitalista e educação brasileira. Uberlândia, MG: Navegando Publicações, 2016.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Hucitec, 1984.

OCDE. Política Educacional. School Accountability, Autonomy, Choice, and the Level of Student Achievement International Evidence from PISA 2003. OECD Education Working Paper, n. 13, 2007. Disponível em: < http://www.oecd-ilibrary.org/education/school-accountability-autonomy-choice-and-the-level-of-student-achievement_246402531617 >. Acesso em: 30 mar. 2017.

OCDE. Professores são importantes. Atraindo, desenvolvendo e retendo professores eficazes. São Paulo: Moderna; OCDE, 2006.

PAULO NETO, J. P. Uma face contemporânea da barbárie. In: ENCONTRO INTERNACIONAL CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE, 3., 2010, Serpa/Portugal. Anais... Serpa/Portugal, 2010. p.1-41, mimeo.

PEREIRA, J. M. M. O Banco Mundial como ator político, intelectual e financeiro -1944-2008. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2010.

PEREIRA, R. da. S. A política de competências e habilidades na educação básica pública: relações entre Brasil e OCDE. 2016. 284 f. il. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

PERONI, V. M. V. As nebulosas fronteiras entre o público e o privado na educação básica brasileira. In.: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 37., 2015, Florianópolis. Anais eletrônicos... Florianópolis: UFSC, 2015. p. 1-18. De 04 a 08 de outubro de 2015. Disponível em: < http://www.anped.org.br/biblioteca/item/nebulosas-fronteiras-entre-o-publico-e-o-privado-na-educacao-basica-brasileira >. Acesso em: 15 nov. 2017.

SALVADOR, E. fundo público e o financiamento das políticas sociais no Brasil. Serviço Social em Revista, v. 14, n. 2, p. 4-22, 2012. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista/article/view/12263 >. Acesso em: 10 nov. 2017.

SILVA, M. A. da. Intervenção e consentimento: a política educacional do Banco Mundial. Campinas, SP: Autores Associados; Fapesp, 2002.

SOUZA, N. N. de. Política e gestão da educação básica pública: o Programa Estrada do Conhecimento no Estado do Tocantins. 2017. 272 f., il. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

STIGLITZ, J. E. Os exuberantes anos 90: uma nova interpretação da década mais próspera da história. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.