Banner Portal
A educação na concepção de Herbert Marshall McLuhan (1911-1980)
PDF

Palavras-chave

Educação. Intelectuais. Comunicação. Século XX. Herbert Marshall McLuhan.

Como Citar

CAZAVECHIA, William Robson; ARNAUT DE TOLEDO, Cézar de Alencar. A educação na concepção de Herbert Marshall McLuhan (1911-1980). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 18, n. 4, p. 1004–1015, 2018. DOI: 10.20396/rho.v18i4.8652024. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8652024. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

Análise do pensamento do intelectual Herbert Marshall McLuhan (1911-1980). Especificamente sobre a educação, entendida como processo de direcionamento moral e cultural em consonância com os interesses de grupos hegemônicos, nos Estados Unidos, entre as décadas de 1950 e 1960. A análise foi desenvolvida a partir de um aparato crítico conceitual do pensamento marxiano e envolve autores das diversas áreas do conhecimento. Tal exigência se apresenta como própria de uma abordagem abrangente quanto aos procedimentos da pesquisa bibliográfica em História da Educação. McLuhan foi um intelectual. A partir dessa categoria de análise gramsciana, compreendemos o autor canadense em suas relações sociais, na sociedade capitalista. O objetivo da análise de suas obras, principalmente aquelas escritas e publicadas entre os anos de 1954 e 1964, foi, sobretudo, o esclarecimento do vínculo que estabelece entre educação e comunicação. Seu pensamento se construiu a partir de uma noção evolutiva da história na qual a evolução das letras aos circuitos elétricos das tecnologias de informação, desenvolvidas em sua época, corresponde à evolução humana. Essa é a tese central de sua obra primordial, A Galáxia de Gutenberg (1962). Desenvolvida e continuada em seguida, no livro, Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem (1964). A questão sobre formação humana, mediada pelas mídias, foi o modo pelo qual McLuhan procurou elucidar a questão da educação para o seu tempo.

https://doi.org/10.20396/rho.v18i4.8652024
PDF

Referências

CARPENTER, E.; MCLUHAN, M. (Org.). Revolução na comunicação. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1974.

DEBORD, G. A Sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

ENZENSBERGER, H. M. Elementos para uma teoria dos meios de comunicação. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2003.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. v. 2.

IANNI, O. O príncipe eletrônico. Perspectivas. São Paulo, v. 22, p. 11-29, 1999. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/perspectivas/article/viewFile/2079/1701. Acesso em: 15 maio 2016.

LECLERC, G. Sociologia dos intelectuais. São Leopoldo: Ed. da UNISINOS, 2004.

MANACORDA, M. A. O princípio educativo em Gramsci: americanismo e conformismo. 2. ed. Campinas: Alínea, 2013.

MCLUHAN, H. M. A galáxia de Gutenberg: a formação do homem tipográfico. São Paulo: Companhia Editorial Nacional, 1972.

MCLUHAN, H. M. Cibernética e cultura humana. In: MCLUHAN, S.; STAINES, D. (Org.). McLuhan por McLuhan: conferências e entrevistas. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005. p. 75-86.

MCLUHAN, H. M. Os meios de comunicação como extensões do homem. 14. ed. São Paulo: Cultrix, 2001.

MCLUHAN, H. M. Visão, som e fúria. In: LIMA, L. C. Teoria da cultura de massa. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

MCLUHAN, H. M.; WATSON, W. Do clichê ao arquétipo. Rio de Janeiro: Record, 1973.

MELO, J. M. de. Teoria da comunicação: paradigmas Latino-Americanos. Petrópolis: Vozes, 1998.

MÉSZÁROS, I. A Educação para além do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

MILLER, J. As idéias de McLuhan. São Paulo: Cultrix; EDUSP, 1973.

RAMOS, M. C. Sobre a importância de repensar e renovar a idéia de sociedade civil. In: RAMOS, M. C.; SANTOS, S. dos. (Org.). Políticas de comunicação: buscas teóricas e práticas. São Paulo: Paulus, 2007.

WILLIAMS, R. Cultura e materialismo. São Paulo: Ed. da UNESP, 2011.

WOLFE, T. Introdução. In: MCLUHAN, S.; STAINES, D. (Org.). McLuhan por McLuhan: conferências e entrevistas. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005. p. 7-24.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.