A ideologia do empreendedorismo e da inovação nas universidades públicas brasileiras na fase do capital financeiro / monopolista

Palavras-chave: Educação superior. Produção científica. Ciência e inovação.

Resumo

Analisa-se a ideologia do empreendedorismo de forma a compreender as consequências da apropriação dessa noção do “acadêmico-empreendedor”, na tentativa de imitar o padrão norte-americano e europeu de pesquisa e desenvolvimento. No atual contexto do domínio do capital financeiro, a pesquisa e o desenvolvimento são realizados quase que totalmente nos países-sede das empresas imperialistas, resultando que os investimentos por parte destas empresas são muito baixos nos países semicoloniais, como é o caso do Brasil. Os resultados perversos deste modelo são notados até mesmo nos países centrais do capitalismo. Assim, sob o manto da ideologia da inovação e de uma pesquisa supostamente engajada, o “acadêmico-empreendedor” passa a orientar sua atividade profissional pela máxima captação de recursos de fontes privadas e o patenteamento de pequenos inventos, na tentativa de se viabilizar enquanto pesquisador ou “extensionista-empreendedor”, no contexto da expansão da educação superior no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Armenes de Jesus Ramos Junior, Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professor do Curso de Licenciatura em Educação pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
Leandro Turmena, Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Professor do Curso de Licenciatura em Educação pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).
Sidemar Presotto Nunes, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professora do Curso de Licenciatura em Educação pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Zinara Marcet de Andrade, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professor do Curso de Licenciatura em Educação pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Referências

BENAYON, A. Globalização versus desenvolvimento. São Paulo: Saraiva, 2005.

BOTTOMORE, T. Dicionário do pensamento marxista. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2012.

BRASIL. Estratégia Nacional prevê R$ 74,6 bilhões até 2015. Em Discussão. Brasília, setembro de 2012a. Disponível em: http://www.senado.gov.br/NOTICIAS/JORNAL/EMDISCUSSAO/upload/201203%20%AD%20setembro/ed12_imgs/ed12_p33_info.jpg. Acesso em: 06 ago. 2015.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior. Brasília, DF: MEC, 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior – resumo técnico. Brasília, 2012b.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resumo Técnico. 2015. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/censo-da-educacao-superior/resumos-tecnicos. Acesso: 03 out. 2013.

BRASIL. Lei 10.793, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre à inovação e à pesquisa cientifica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm. Acesso em: 17 abr. 2018.

BRASIL. Lei 11.196 de 21 de novembro de 2005. Institui o regime especial de tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação – REPES, o Regime Especial de Aquisição de Bens de Capital para Empresas Exportadoras – RECAP e o Programa de Inclusão Digital; dispõe sobre incentivos fiscais para a inovação tecnológica; altera o Decreto-Lei nº 2888, de 28 de fevereiro de 1967, o Decreto-Lei nº 70.235, de 6 de março de 1972, o Decreto-Lei n° 2.287, de 23 de julho de 1986, as Leis n°s 4.502 de 30 de novembro de 1964, 8.212 de 24 de julho de 1991, [n°] 8.245 de 18 de outubro de 1991, [nº] 8.666 de 21 de junho de 1993, [nº] 8.981 de 20 de janeiro de 1995, [nº] 8.987 de 13 de fevereiro de 1995, [nº] 8.989 de 24 de fevereiro de 1995, [n°] 9.249 de 26 de dezembro de 1995, [nº] 9.250 de 26 dezembro de 1995, [n°] 9.311, de outubro de 1996, [n°] 9.317 de 5 de dezembro de 1996, [n°] 9.430 de dezembro de 1996, [n°] 9.718 de 27 de novembro de 1998, [n°] 10.336, de 19 de dezembro de 2001, [nº] 10.437, de 26 de abril de 2002, [n°] 10.485, de 3 de julho de 2002, [n°] 10.637 de 30 de dezembro de 2002, [n°] 10.735, de 3 de novembro de 2003, [n°] 10.833, de 29 de dezembro de 2003, [n°] 10.865 de 30 de abril de 2004, [n°] 10.925, de 23 de julho de 2004, [n°] 10.931, de 2 de agosto de 2004, [n°] 11.033, de 21 de dezembro de 2004, [n°] 11.051, de 29 de dezembro de 2004, [n°] 11.053, de 29 de dezembro de 2004, [n°] 11.101, de 9 de fevereiro de 2005, [n°] 11.129, de 28 de junho de 2005, e a Medida Provisória nº 2.199-14 de 24 de agosto de 2001; revogada a Lei n° 8.661, de 2 de junho e 1993, e dispositivos das Leis N°S 8.668 de 25 de junho de 1993, [nº] 8.981 de 20 de janeiro de 1995, [nº] 10.637 de 30 de dezembro de 2002, [nº] 10.755 de 3 de novembro de 2003, [nº] 10.865 de 30 de abril de 2004, [n°] 10.931, de 2 de agosto de 2004, e da Medida Provisória n° 2.158-35, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11196.htm. Acesso em: 17 abr. 2018.

CASTILHOS, C. C. Inovação. In: CATTANI, A. D.; HOLZMANN, L. (Org.). Trabalho e tecnologia: dicionário crítico. Petrópolis: Vozes; Porto Alegre: Ed. Universidade, 1997. 292 p.

CHAUÍ, M. Ideologia e educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 1, p. 245-257, jan./mar. 2016.

CORREA, M. B. Tecnologia. In: In: CATTANI, A. D.; HOLZMANN, L. (Org.). Trabalho e tecnologia: dicionário crítico. Petrópolis: Vozes; Porto Alegre: Ed. Universidade, 1997. 292 p.

EVANGELISTA, O. Publicar ou morrer. In: BIANCHETTI, L.; MACHADO, A. M. N. (Org.). A Bússola do escrever: desafios e estratégias na orientação de teses e dissertações. Florianópolis: Ed. da UFSC; São Paulo: Cortez, 2002.

FILARDI, A. M. B.; PADIM, D. F. Políticas públicas de expansão do ensino superior federal no Brasil no contexto da mundialização do capital. In: Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 61, p. 403-415, mar. 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640536. Acesso em: 08 ago. 2018.

GENTILI, P. Educar para o desemprego: a desintegração da promessa integradora. In: FRIGOTTO, G. (Org.). Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século. 4 ed. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 76-92.

HOPER Consultoria e Estudos de Mercado. Análise setorial da educação superior privado. 9. ed. Brasil, 2016. Encarte. Disponível em: http://sys.hoper.com.br/webinar/Encarte_Estudos%20de%20Mercado.pdf. Acesso em: 5 maio 2017.

HYPE SCIENCE. Estranho mapa do mundo baseado na produção científica. 2015. Disponível em: http://hypescience.com/mapa-mundo-ciencia-producao-cientifica/. Acesso em: 05 ago. 2015.

KOSIK, K. Dialética do concreto. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

LENIN, V. Imperialismo, estágio superior do capitalismo. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

LIMA, L. C. “A melhor ciência”: o acadêmico-empreendedor e a produção de conhecimento economicamente relevante. In: CATANI, A. M.; OLIVEIRA, L. F. de. (Org.). Educação superior e produção de conhecimento: utilitarismo, internacionalização e novo contrato social. Campinas: Mercado d as Letras, 2015.

LONDRES, F.; ALMEIDA, P. Impacto do controle corporativo no setor de sementes sobre agricultores familiares e sistemas alternativos de distribuição: estudo de caso do Brasil. Rio de Janeiro: Fase, 2009. Disponível em: http://aspta.org.br/wp-content/uploads/2011/05/Estudo-Sementes-ASPTA-WoW-AA-2009-FINAL.pdf. Acesso em: 08 ago. 2015.

MARTÍN MARTÍN, V. O. El papel del campesinato en la transformación del mundo actual. Valencia: Baladre, 2007.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. 17. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. Livro 1, v. 1 e 2.

MARX, K. Teorias da mais-valia: história crítica do pensamento econômico (Livro IV de O capital). São Paulo: Civilização Brasileira, 1980. v. 1.

MIRANDA, P. R. FIES e PROUNI na expansão da educação superior: quanto vale o conhecimento no Brasil? 2017. 286 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2017.

NEVES, L. M. W.; PRONKO, M. A. O mercado do conhecimento e o conhecimento para o mercado: da formação para o trabalho complexo no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: EPSJV, 2008.

NUNES, S. P. Imperialismo, questão agrária e luta de classes no campo. In: 5° Seminário Nacional das Licenciaturas em Educação do Campo – Caderno de Estudos. Laranjeiras do Sul, PR, 2015.

SGUISSARDI, V.; SILVA JUNIOR, J. dos. R. Trabalho intensificado nas federais: pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Xamã, 2009.

TSE-TUNG, M. Notas del presidente Mao sobre capitalismo burocrático. 2. ed. Lima: Ediciones Alborada, 2008.

TURMENA, L.; AZEVEDO, M. L. N. de. A expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica: os Institutos Federais em questão. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 17, n. 54, p. 1067-1084, jul./set. 2017.

TURMENA, L. O público, o privado e o Estado sob a lógica do capital: a expansão do ensino superior no Sudoeste do Paraná. 2009. 149 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Ponta Grossa , Paraná, 2009.

TURMENA, L. Redes e meandros da relação entre o público e o privado no processo de “federalização” do centro universitário católico do sudoeste do paraná – UNICS: a arte de cair em pé. 296 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2016.

UNGER, M. O Brasil é um protetorado americano. Disponível em: http://www.conversaafiada.com.br/tv-afiada/2015/07/30/mangabeira-o-brasil-e-um-protetorado-americano/. Acesso em: 07 ago. 2015.

VITALLI, S.; GLATTFELDER, J.; BATTISTON, S. The Network of global corporate control. Plos/One, Oct. 2011. Disponível em: http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0025995. Acesso em: 08 ago. 2015.

WOOD JUNIOR, T. Universidades ou Fábricas. Revista Carta Capital. 2015. Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/revista/850/universidades-ou-fabricas-253.html. Acesso em: 15 jun. 2015.

Publicado
2018-12-21
Como Citar
Ramos Junior, A. de J., Turmena, L., Nunes, S. P., & Andrade, Z. M. de. (2018). A ideologia do empreendedorismo e da inovação nas universidades públicas brasileiras na fase do capital financeiro / monopolista. Revista HISTEDBR On-Line, 18(4), 1109-1129. https://doi.org/10.20396/rho.v18i4.8652034
Seção
Artigos