Banner Portal
Os exercícios espirituais e a formação do jesuíta no século XVI
PDF

Palavras-chave

Exercícios espirituais. Companhia de Jesus. Século XVI.

Como Citar

PRADO, Wilson da Silva; HERNANDES, Paulo Romualdo. Os exercícios espirituais e a formação do jesuíta no século XVI. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 323–341, 2018. DOI: 10.20396/rho.v18i2.8652068. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8652068. Acesso em: 25 jun. 2024.

Resumo

Este estudo analisa a obra Exercícios Espirituais, que corresponde ao primeiro instrumento para a formação do jesuíta, tanto por ter sido o primeiro formulado por Loyola, o fundador da Companhia de Jesus, e com o qual arregimentou os primeiros membros, como também por corresponder à fase inicial na formação do jesuíta, sem a qual ele não pode tornar-se membro da ordem religiosa. Os Exercícios Espirituais foram estudados nesta pesquisa em sua singularidade de obra pedagógica, embora nessa perspectiva não deixamos de considerar que o produto didático pertence a uma totalidade dentro de seu contexto histórico, tais quais as transformações da estrutura social da Europa do século XVI que determinaram a nova formação do homem desse período e que foram afetadas e afetaram o Novo Mundo. Os Exercícios Espirituais se inscrevem no movimento de mudanças necessárias para a nova ordem de produção da existência, que exige um homem menos contemplativo, mais ativo na defesa e na propagação da fé cristã, e, sobretudo, católica. No entanto, no Novo Mundo, na América portuguesa, mais especificamente, a prática de exercícios espirituais encontrou dificuldades em decorrência de seu ambiente selvagem, totalmente diferente daquele dos colonizadores.

https://doi.org/10.20396/rho.v18i2.8652068
PDF

Referências

ARNAUT DE TOLEDO, C. A. Sobre o enchiridion militis christiani, de Erasmo de Roterdão. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, Maringá, v. 26, n. 1, p. 95-101, 2004.

BAINTON, R. H. Erasmo da cristandade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1988.

BARTHES, R. Sade, Fourier, Loiola. Trad. Maria de Santa Cruz. Lisboa: Edições 70, 1979.

BENJAMIN, W. Origem do drama barroco alemão. Tradução, apresentação e notas: Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BERDIAEV, N. El sentido de la historia: experiencia de la filosofia del destino humano. Madrid: Encuentro, 1979.

BITTAR, M.; FERREIRA, A. A pesquisa em história da educação colonial. In: PAIVA, J. M.; BITTAR, M.; ASSUNÇÃO, P. (Org.). Educação, história e cultura no Brasil colonial. São Paulo: Arké, 2007.

CARVALHO, R. História do ensino em Portugal desde a fundação da nacionalidade, até o fim do regime de Salazar-Caetano. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouse-Gulbenkian, 2001.

CONSTITUIÇÕES da Companhia de Jesus e normas e regras. São Paulo: Loyola, 1997.

DEMOUSTIER, A. L’originalité des exercices spirituels. In: GIARD, L.; VAUCELLES, L. de. (Dir.). Les Jesuítes à L’âge baroque (1540-1640). Grenoble: Edition Jeróme Millon er les auteurs, 1996.

FEBVRE, L. Au coeur religieux du XVI siècle, 2. éd. Paris: Bibliothéque Générale de L'École Pratique des Hautes Études, 1968.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Nascimento da prisão. Tradução: Lígia M. Pondé Vassallo. Petrópolis: Vozes, 1977.

HERNANDES, P. R. A Companhia de Jesus no século XVI e o Brasil. Revista HISTEDBR [online], Campinas, n. 40, 2010. Disponível em: < http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/edicoes/40/index.html >. Acesso em: 06 nov. 2017.

HERNANDES, P. R. Os exercícios espirituais da Companhia de Jesus e a educação. Revista HISTEDBR [online], Campinas: n. 30, p. 292-312. jun. 2008. Disponível em: < http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/edicoes30/art18_30.pdf >. Acesso em: 06 nov. 2017.

LACOUTURE, J. Os jesuítas 1: os conquistadores. Tradução de Ana Maria Capovilla. Porto Alegre: L&PM, 1994.

LAUWERS, M. Verbete devotio moderna. In: LACOSTE, J. Y. (Dir.). Dicionário crítico de teologia. Tradução: Paulo Meneses. São Paulo: Paulinas; Loyola, 2004.

LEITE, S. História da Companhia de Jesus no Brasil. São Paulo: Loyola, 2004 (Tomo II).

LEITE. S. História da Companhia de Jesus no Brasil: século XVI – a obra. Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Itatiaia, 2000a (Tomo II).

LEITE, S. História da Companhia de Jesus no Brasil: século XVI – o estabelecimento. Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Itatiaia, 2000b (Tomo I).

LEITE, S. S. J. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil – 1553-1558. São Paulo: Comissão do IV centenário da cidade de São Paulo, 1954. v. 2.

LOYOLA, I. Autobiografia de Inácio de Loyola. Tradução e notas de Pe. Armando Cardoso, S. J. 3. ed. São Paulo: Loyola, 1987.

LOYOLA, I. Diário espiritual de Loyola, Inácio. Tradução e notas Pe. Armando Cardoso, S. J. São Paulo: Loyola, 1977.

LOYOLA, I. Exercícios espirituais. Orientação da tradução e anotações de Pe. Géza Kövecses S. J. 3. ed. Porto Alegre, 1966.

MANACORDA, M. A. História da educação da Antiguidade aos nossos dias. Tradução: Gaetano Lo Monaco. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

NASCIMENTO, S. F. do. “Erasmo e Lutero: o livre arbítrio da vontade humana”. Revista de Filosofia. Curitiba, v. 18, n. 23, p. 89-103, jul./dez. 2006.

O’MALLEY, J. Os primeiros jesuítas. Tradução: Domingos Armando Donida. São Leopoldo, RS: Ed. da UNISINOS; Bauru: Ed. da EDUSC, 2004.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. (Coleção Memória da Educação).

SKINNER, Q. Fundações do pensamento político moderno. Tradução: Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

STORCK, J. B. Do Modus parisiensis ao ratio studiorum: os Jesuítas e a educação humanista no início da Idade Moderna. História da Educação, Porto Alegre: UFRS, v. 20, n 48, p 139-158, jan./abr., 2016.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.