Os exercícios espirituais e a formação do jesuíta no século XVI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v18i2.8652068

Palavras-chave:

Exercícios espirituais. Companhia de Jesus. Século XVI.

Resumo

Este estudo analisa a obra Exercícios Espirituais, que corresponde ao primeiro instrumento para a formação do jesuíta, tanto por ter sido o primeiro formulado por Loyola, o fundador da Companhia de Jesus, e com o qual arregimentou os primeiros membros, como também por corresponder à fase inicial na formação do jesuíta, sem a qual ele não pode tornar-se membro da ordem religiosa. Os Exercícios Espirituais foram estudados nesta pesquisa em sua singularidade de obra pedagógica, embora nessa perspectiva não deixamos de considerar que o produto didático pertence a uma totalidade dentro de seu contexto histórico, tais quais as transformações da estrutura social da Europa do século XVI que determinaram a nova formação do homem desse período e que foram afetadas e afetaram o Novo Mundo. Os Exercícios Espirituais se inscrevem no movimento de mudanças necessárias para a nova ordem de produção da existência, que exige um homem menos contemplativo, mais ativo na defesa e na propagação da fé cristã, e, sobretudo, católica. No entanto, no Novo Mundo, na América portuguesa, mais especificamente, a prática de exercícios espirituais encontrou dificuldades em decorrência de seu ambiente selvagem, totalmente diferente daquele dos colonizadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilson da Silva Prado, Universidade Federal de Alfenas

Mestrando em Educação (Pós-Graduação Stricto Sensu) pela Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL). Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito do Sul de Minas (FDSM). 

Paulo Romualdo Hernandes, Universidade Federal de Alfenas

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Membro permanente do programa de pós-graduação stricto sensu em Educação da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL).  

Referências

ARNAUT DE TOLEDO, C. A. Sobre o enchiridion militis christiani, de Erasmo de Roterdão. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, Maringá, v. 26, n. 1, p. 95-101, 2004.

BAINTON, R. H. Erasmo da cristandade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1988.

BARTHES, R. Sade, Fourier, Loiola. Trad. Maria de Santa Cruz. Lisboa: Edições 70, 1979.

BENJAMIN, W. Origem do drama barroco alemão. Tradução, apresentação e notas: Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BERDIAEV, N. El sentido de la historia: experiencia de la filosofia del destino humano. Madrid: Encuentro, 1979.

BITTAR, M.; FERREIRA, A. A pesquisa em história da educação colonial. In: PAIVA, J. M.; BITTAR, M.; ASSUNÇÃO, P. (Org.). Educação, história e cultura no Brasil colonial. São Paulo: Arké, 2007.

CARVALHO, R. História do ensino em Portugal desde a fundação da nacionalidade, até o fim do regime de Salazar-Caetano. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouse-Gulbenkian, 2001.

CONSTITUIÇÕES da Companhia de Jesus e normas e regras. São Paulo: Loyola, 1997.

DEMOUSTIER, A. L’originalité des exercices spirituels. In: GIARD, L.; VAUCELLES, L. de. (Dir.). Les Jesuítes à L’âge baroque (1540-1640). Grenoble: Edition Jeróme Millon er les auteurs, 1996.

FEBVRE, L. Au coeur religieux du XVI siècle, 2. éd. Paris: Bibliothéque Générale de L'École Pratique des Hautes Études, 1968.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Nascimento da prisão. Tradução: Lígia M. Pondé Vassallo. Petrópolis: Vozes, 1977.

HERNANDES, P. R. A Companhia de Jesus no século XVI e o Brasil. Revista HISTEDBR [online], Campinas, n. 40, 2010. Disponível em: < http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/edicoes/40/index.html >. Acesso em: 06 nov. 2017.

HERNANDES, P. R. Os exercícios espirituais da Companhia de Jesus e a educação. Revista HISTEDBR [online], Campinas: n. 30, p. 292-312. jun. 2008. Disponível em: < http://www.histedbr.fae.unicamp.br/revista/edicoes30/art18_30.pdf >. Acesso em: 06 nov. 2017.

LACOUTURE, J. Os jesuítas 1: os conquistadores. Tradução de Ana Maria Capovilla. Porto Alegre: L&PM, 1994.

LAUWERS, M. Verbete devotio moderna. In: LACOSTE, J. Y. (Dir.). Dicionário crítico de teologia. Tradução: Paulo Meneses. São Paulo: Paulinas; Loyola, 2004.

LEITE, S. História da Companhia de Jesus no Brasil. São Paulo: Loyola, 2004 (Tomo II).

LEITE. S. História da Companhia de Jesus no Brasil: século XVI – a obra. Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Itatiaia, 2000a (Tomo II).

LEITE, S. História da Companhia de Jesus no Brasil: século XVI – o estabelecimento. Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Itatiaia, 2000b (Tomo I).

LEITE, S. S. J. Cartas dos primeiros jesuítas do Brasil – 1553-1558. São Paulo: Comissão do IV centenário da cidade de São Paulo, 1954. v. 2.

LOYOLA, I. Autobiografia de Inácio de Loyola. Tradução e notas de Pe. Armando Cardoso, S. J. 3. ed. São Paulo: Loyola, 1987.

LOYOLA, I. Diário espiritual de Loyola, Inácio. Tradução e notas Pe. Armando Cardoso, S. J. São Paulo: Loyola, 1977.

LOYOLA, I. Exercícios espirituais. Orientação da tradução e anotações de Pe. Géza Kövecses S. J. 3. ed. Porto Alegre, 1966.

MANACORDA, M. A. História da educação da Antiguidade aos nossos dias. Tradução: Gaetano Lo Monaco. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

NASCIMENTO, S. F. do. “Erasmo e Lutero: o livre arbítrio da vontade humana”. Revista de Filosofia. Curitiba, v. 18, n. 23, p. 89-103, jul./dez. 2006.

O’MALLEY, J. Os primeiros jesuítas. Tradução: Domingos Armando Donida. São Leopoldo, RS: Ed. da UNISINOS; Bauru: Ed. da EDUSC, 2004.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. (Coleção Memória da Educação).

SKINNER, Q. Fundações do pensamento político moderno. Tradução: Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

STORCK, J. B. Do Modus parisiensis ao ratio studiorum: os Jesuítas e a educação humanista no início da Idade Moderna. História da Educação, Porto Alegre: UFRS, v. 20, n 48, p 139-158, jan./abr., 2016.

Downloads

Publicado

2018-06-29

Como Citar

PRADO, W. da S.; HERNANDES, P. R. Os exercícios espirituais e a formação do jesuíta no século XVI. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 323–341, 2018. DOI: 10.20396/rho.v18i2.8652068. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8652068. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos