Banner Portal
A trajetória da escola isolada rural paulista no período republicano e a influência do ruralismo pedagógico
PDF

Palavras-chave

Escola rural
Ruralismo pedagógico
Escola isolada

Como Citar

JESUS, Adriana do Carmo de; BEZERRA, Maria Cristina dos Santos. A trajetória da escola isolada rural paulista no período republicano e a influência do ruralismo pedagógico. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020002, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8653190. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8653190. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

Ao longo deste artigo trataremos da escola rural primária no período republicano e de sua associação com o modelo de escola multisseriada e unidocente denominada escola isolada – termo que se torna mais usual no fim do século XIX. Essa associação não se origina nesse trabalho, há autores importantes que já escreveram sobre o assunto e é com eles também que travaremos nosso diálogo para apreender o conceito de escola isolada rural. Em nossas análises abordaremos a relação entre café, ferrovia, coronelismo e escola, bem como a influência do ruralismo pedagógico no contexto educacional da época. Identifica-se que a organização dos serviços públicos ou de utilidade coletiva, sobretudo no que concerne à educação primária, era feita à revelia da zona rural. Nesse sentido, por mais que as escolas primárias rurais fossem criadas por meio de decretos em todo interior paulista, havia pouca, ou nenhuma, garantia de que elas, de fato, chegassem a ser instaladas.

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8653190
PDF

Referências

ÁVILA, V. P. S. História do ensino primário rural em São Paulo e Santa Catarina (1921-1952) - uma abordagem comparada. 2013. 214 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2013.

BEZERRA NETO, L. Avanços e retrocessos na educação rural no Brasil. 2003. 221 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2003.

CARDOSO, M. A. A organização do trabalho didático nas escolas isoladas paulistas: 1893 a 1932. 2013. 280 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2013.

CELESTE FILHO, M. O espírito de horror à vida educativa nos campos: a educação rural paulista nas décadas de 1930 e 1940. História da Educação, Porto Alegre, v. 18, n. 43, p. 49-70, maio/ago. 2014.

CLARK, J. U. A imigração norte-americana para a região de Campinas: análise da educação liberal no contexto histórico e educacional brasileiro. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

DEMARTINI, Z. B. F. A procura da leitura e da escrita na primeira república: recolocando questões. Cadernos do CERU, São Paulo, série 2, n. 9, p. 57-82, 1998.

LEAL, V. N. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. São Paulo: Alfa-Ômega, 1976.

MATOS, O. N. Café e ferrovias: a evolução ferroviária de São Paulo e o desenvolvimento da cultura cafeeira. São Paulo: Alfa-Omega, 1974.

MENNUCCI, S. A crise brasileira da educação. 2. ed. São Paulo: Piratininga, 1934. EBook.

MENNUCCI, S. Discursos e conferências ruralistas. São Paulo: sem editora, 1946.

MONBEIG, P. Pioneiros e fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec: Polis, 1984.

MORAES, A. I. D. Ensino primário tipicamente rural no estado de São Paulo: um estudo sobre as granjas escolares, os grupos escolares rurais e as escolas típicas rurais (1933-1968). 2014. 183 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Marília, 2014.

ORIANI, A. P. "A céllula viva do bom apparelho escolar": expansão das escolas isoladas pelo estado de São Paulo (1917-1945). 2015. 277 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2015.

PEREIRA, R. da S. A história do processo de periferização dos grupos escolares em Campinas nos primórdios de República. 2013. 311 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

REIS FILHO, C. dos. A educação e a ilusão liberal. São Paulo: Cortez, 1981. (Coleção Educação Contemporânea).

SÃO PAULO (Estado). Lei n. 1.579, de 19 de dezembro de 1917. Estabelece diversas disposições sobre a instrucção publica do Estado. 1917.

SAVIANI, D. História das Ideias Pedagógicas no Brasil. 2. ed. rev e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2008. (Coleção Memória da Educação).

SAVIANI, D. O legado educacional do “longo século XX” brasileiro. In: SAVIANI, D. et al (org.). O legado educacional do século XX no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2004.

SINGER, P. Economia política da urbanização. 10. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

SOUZA, R. F. de. Alicerces da pátria. História da escola primária no estado de São Paulo (1890-1976). Campinas: Mercado de Letras, 2009.

SOUZA, R. F. de.; ÁVILA, V. P. da S. As disputas em torno do ensino primário rural (São Paulo, 1931-1947). História da Educação, Porto Alegre, v. 18, n. 43, p. 13-32, maio/ago. 2014. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/asphe/article/view/39553 Acesso em: 02 jan. 2016.

SOUZA, R. F. de. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: Ed. Unesp, 1998.

SPINDEL, C. R. Homens e máquinas na transição de uma economia cafeeira: formação e uso da força de trabalho no Estado de São Paulo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. (Coleção Estudos Brasileiros, v. 40).

TORRES, A. O problema educacional brasileiro. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1914.

XAVIER, M. E. S. P. Poder político e educação da elite. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1992.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.