Crianças e brinquedos: uma relação inquestionável?

Palavras-chave: Criança. Brinquedo. Mídia.

Resumo

O objetivo é refletir sobre o brinquedo, sua produção, divulgação, papel e relação com as crianças na contemporaneidade. Após a Revolução Industrial, as transformações ocorridas nos modos de produção também se sucederam com os brinquedos que passaram a ser produzidos pelas grandes empresas e difundidos pela mídia. Devido a isso, esses objetos têm adquirido uma importância inédita na história da infância. Trata-se de estudo teórico, assentado em autores como Benjamin (1984), Brougère (1995, 2004), Bujes (2000a) e Kishimoto (1995, 1999), dentre outros, que nos ajudam a pensar a respeito do brinquedo como artefato cultural e que passa por um intenso processo de industrialização, com efeitos para a constituição das subjetividades infantis. A reflexão permitiu reconhecer que a relação entre criança e brinquedo precisa ser problematizada para que possamos compreender até que ponto esse vínculo é conduzido e manipulado pela mídia e pelos fabricantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aliandra Cristina Mesomo Lira, Universidade Estadual do Centro-Oeste
Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professora Associada da Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO).
Eliane Dominico, Universidade Estadual do Centro-Oeste
Mestrado em Educação pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Professora na Santa Terezinha (CMEI). 
Maristela Aparecida Nunes, Universidade Estadual do Centro-Oeste
Mestrado em Educação pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). Agente educacional do Colegio Estadual Cesar Stange (CECS).  

Referências

BENJAMIN, W. Reflexões: a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Summus, 1984.

BROUGÉRE, G. Brinquedo e companhia. São Paulo: Cortez, 2004.

BROUGÉRE, G. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez, 1995.

BUJES, M. I. Criança e brinquedo: feitos um para o outro? In: COSTA, M. V. (org.). Estudos culturais em educação: mídias, arquitetura, brinquedo, biologia. Porto Alegre: Ed. UFGRS, 2000a. p. 205-228.

BUJES, M. I. O fio e a trama: as crianças nas malhas do poder. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 25, n. 1, jan./jun. 2000b. Disponível em: file:///C:/Users/ususario/Downloads/71363-296150-1-PB%20(1).pdf. Acesso em: 25 maio 2017.

CABANNE, J. I. Brinquedo, memória de uma sociedade. Comunicação & Educação, São Paulo, n. 1, p. 63-72, jan./jun. 2012. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/454399. Aceso em: 25 maio 2018.

COELHO, P. M. F.; COSTA, M. R. M.; NETO, J. A. M. Saber digital e suas urgências: reflexões sobre imigrantes e nativos digitais. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 3, p. 1077-1094, jul./set. 2018.

CORAZZA, S. M. História da infância sem fim. São Paulo: Ed. UNIJUI, 2004.

FISCHER, R. M. B. O estatuto pedagógico da mídia: questões de análise. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 59-80, jul./dez. 1997. Disponível em: file:///C:/Users/ususario/Downloads/71363-296150-1-PB.pdf. Acesso em: 01 jun. 2018.

FISCHER, R. M. O desafio da colaboração: práticas de responsabilidade social entre empresas e terceiro setor. São Paulo: Gente, 2002.

HENRIQUE, I. V. M. Publicidade abusiva dirigida à criança. Curitiba: Juruá, 2012.

JARVIS, P.; BROCK, A.; BROWN, F. Três perspectivas sobre a brincadeira. In: BROCK, A.; DODDS, S.; JARVIS, P.; OLUSOGA, Y. (org.). Brincar: aprendizagem para a vida. Porto Alegre: Penso, 2011. p. 22-61. Disponível em: https://www.larpsi.com.br/media/mconnect_uploadfiles/c/a/cap_01_43_.pdf. Acesso em: 25 jan. 2019.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

KISHIMOTO, T. M. O brinquedo na educação: considerações históricas. Séries Ideais, São Paulo, n. 7, p. 39-45, 1995. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_07_p039-045_c.pdf. Acesso em: 06 maio 2018.

LEONTIEV, A. N. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VIGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. (org.). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone: Ed. EDUSP, 1998.

LIRA, A. C. M. Brinquedo: história, cultura, indústria e educação. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau, v. 4, n. 3, p. 507-525, set./dez. 2009. Disponível em: file:///C:/Users/ususario/Downloads/1730-5809-1-PB%20(1).pdf. Acesso em: 02 jun. 2018.

SARMENTO, M. J. As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. In: SARMENTO, M. J.; CERISARA, B. (org.). Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Porto: ASA, 2004.

TOQUINHO. Casa de Brinquedos. [1983]. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=7Bw14WTT3o4. Acesso em: 15 fev. 2018.

VOLPATO, G. Jogo e brinquedo: reflexões a partir da teoria crítica. Educação e Sociedade, Campinas. v. 23, n. 81, p. 217-226, dez. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v23n81/13938. Acesso em: 15 fev. 2018.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

Publicado
2019-03-19
Como Citar
Lira, A. C. M., Dominico, E., & Nunes, M. A. (2019). Crianças e brinquedos: uma relação inquestionável?. Revista HISTEDBR On-Line, 19, e019012. https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8653568