Abordagem históriográfica da educação de tempo integral no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8655227

Palavras-chave:

Educação básica, Educação de tempo integral, Políticas públicas

Resumo

Este artigo produzido com enfoque na discussão historiográfica objetiva refletir sobre o processo de constituição histórica da escola de tempo integral no Brasil, por isso partiu da problemática: as políticas públicas para a educação têm possibilitado a instituição da educação de tempo integral no sistema de ensino brasileiro? Metodologicamente, a pesquisa é de cunho bibliográfico, fomos buscar nos teóricos que discutem a temática fundamentos para determinar a conceituação desse modelo educacional que vem sendo discutido e implementado de forma gradativa desde o início do século XX. Os principais resultados apontam que a conceituação de educação integral e de tempo integral tem sofrido variação, influenciado pelo contexto histórico, econômico e político em que a política é formulada. A oferta desse modelo educacional também sofre alteração no decorrer do tempo por vários fatores, dentre eles, principalmente, em virtude das políticas públicas de Educação de Tempo Integral não terem sido prioridades no cenário educacional brasileiro, embora seja uma exigência dos Planos Nacionais de Educação e uma reivindicação dos movimentos educacionais desde o começo do século passado. Concluímos que a educação em tempo integral ainda é um direito que precisa ser conquistado, embora se reconheça que vários passos, de forma isolada, já foram dados nesse sentido, do século passado até os dias atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elaniese do Socorro Lima da Silva, Prefeitura Municipal de Moju

Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Professora da Prefeitura Municipal de Moju (PMM/ MOJU). 

Maria de Fatima Matos de Souza, Universidade Federal do Pará

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Professora da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Renato Pinheiro da Costa, Universidade Federal do Pará

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Professor da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Referências

BAKUNIN, M. A Instrução integral. São Paulo: Imaginário, 2003.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Plano Nacional de Educação PNE 2014-2024: Linha de Base. Brasília, DF: Inep, 2015.

BRASIL. LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional [recurso eletrônico]. 8. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. Disponível em: http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/19339/ldb_10ed.pdf?sequence=1. Acesso em: 07 jan. 2018.

BRASIL. Portaria Normativa Interministerial Nº 17 de 24 de Abril de 2007. Ministério da Educação. Publicado em 26/04/2007 no Diário Oficial da União. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/mais_educacao.pdf. Acesso em: 25 maio 2018.

CASTRO, R. C. O Sonho de um tolstoiano: João Penteado e a Escola Moderna de São Paulo (1912-1919). Caderno Eletrônico de Ciências Sociais, v. 3, p. 9-17, 2015. DOI: https://doi.org/10.24305/cadecs.v3i2.13652

CAVALARI, R. M. F. Educação e integralismo: um estudo sobre estratégias de organização da Ação Integralista Brasileira – (1932-1937). Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

CAVALIERE, A. M. Anísio Teixeira e a educação integral. Paidéia, v. 20, n. 46, p. 249-259, maio/ago. 2010. Disponível em: www.scielo.br/pdf/paideia/v20n46/11.pdf. Acesso em: 12 set. 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-863X2010000200012

CAVALIERE, A. M. Escola pública de tempo integral no Brasil: filantropia ou política de Estado? Educ. Soc., Campinas, v. 35. n. 129, p. 1205-1222, out./dez. 2014.

COELHO, L. M. C. da. C. História (s) da educação integral. Em aberto, Brasília, v. 22, n. 80, p. 83-96, abr.2009.

COELHO, L. M. C. da. C.; MENEZES, J. S. da. S.; BONATO, M. N. da. C. Tempo integral e educação integral âmbito do Observatório de Educação (CAPES/INEP). Revista Contemporânea de Educação, v. 3, n. 5, 2008. Disponível em: www.revistas.ufrj.br. Acesso em: 07 jan. 2019.

GALIAN, C. V. A.; SAMPAIO, M. M. F. Educação em tempo integral: implicações para o currículo da escola básica. Currículo sem fronteiras, v. 12, n. 2, p. 403-422, maio/ago. 2012. Disponível em: www.curriculosemfronteiras.org/vol12iss2articles/galian-sampaio.pdf. Acesso em: 12 maio 2018.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, v. 38, n. 1, mar. 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022011005000001

MARTINS, A. M. S. A Pedagogia libertária e a educação integral. SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS – HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, EDUCAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO: TENDÊNCIAS E PERSPECTIVAS. 8., 2009, Campinas. Anais [...]. Campinas: UNICAMP, 2009. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/seminario/seminario8/_files/6F24ICKQ.doc. Acesso em: 12 set. 2018.

MAURÍCIO, L. V. Escritos, representações e pressupostos da escola pública de horário integral. In: Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 80, p. 15-31, abr. 2009. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

MORAES, C. S. V.; SILVA, D. A. Arquivo João Penteado e sua importância para os estudos de educação anarquista no Brasil. Projeto História, São Paulo, n. 48, 2013.

O MANIFESTO dos pioneiros da educação nova (1932). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. especial, p. 188-204, ago. 2006. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/revista/edicoes/22e/doc1_22e.pdf. Acesso em: 17 ago. 2018.

ROSA, A. V. do. N.; MARCONDES, A. I.; COELHO, L. M. C. C. Educação integral e (m) tempo integral: analisando as organizações curriculares apresentados nas pesquisas publicadas entre os nãos 2000 e 2012. Revista COCAR, Belém, v. 10, n. 20, p. 27-51, ago./dez. 2016. Disponível em: https://paginas.uepa.br/seer/index.php/cocar/article/view/962/622. Acesso em: 03 abr. 2018.

SANTOS, V. dos.; CANDELORO, R. J. Trabalhos acadêmicos: uma orientação para a pesquisa e normas técnicas. Porto Alegre: AGE, 2006.

TEIXEIRA, A. Educação não é privilégio. 4. ed. São Paulo. Ed. Nacional, 1977. (Atualidades Pedagógicas, v. 130).

TEIXEIRA, A. Pequena introdução à filosofia da educação. Escola progressiva ou transformação da escola. 6. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

ZANARDI, T. A. C. Educação integral, tempo integral e Paulo Freire: os desafios da articulação conhecimento-tempo-território. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 14, n. 01, p. 82-107. Jan./mar. 2016. Disponível em http//revistas.pucsp.br/index.php/curriculum. Acesso em: 12 jan. 2019.

Downloads

Publicado

2020-04-30

Como Citar

SILVA, E. do S. L. da; SOUZA, M. de F. M. de; COSTA, R. P. da. Abordagem históriográfica da educação de tempo integral no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020014, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8655227. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8655227. Acesso em: 1 fev. 2023.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)