Educação especial e políticas educacionais

a concepção de aprendizagem e desenvolvimento humano em disputa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8661085

Palavras-chave:

Pessoa com deficiência, Aprendizagem e desenvolvimento, Direito à educação, Políticas educacionais, Educação especial

Resumo

O artigo busca expor alguns marcos históricos presentes na legislação brasileira que permitam compreender as concepções de aprendizagem e desenvolvimento humano de pessoas com deficiência, em especial nas políticas educacionais para a Educação Especial. De natureza bibliográfica e documental, analisa documentos de organismos nacionais e internacionais que orientaram essas políticas, considerando que revelam em cada momento histórico uma interpretação própria de desenvolvimento humano e da perspectiva de educação ofertada. Cada documento e/ou diretriz curricular remete a dado entendimento sobre a construção social da deficiência associada às formas de educação escolar necessárias. Constata-se disputas entre concepções sobre aprendizagem e desenvolvimento humano nas políticas de Educação Especial no Brasil, que tomaram forma na organização da modalidade, suas definições de atendimento e formação de professores. Nos limites dessa análise, levanta-se aspectos que contribuam para apreender as configurações que tais disputas assumem na política de Educação Especial, face às orientações internacionais que consideram o acesso à educação escolar como meio de promoção de justiça e igualdade social e, também, a uma educação para todos com participação efetiva das pessoas com deficiência e as possibilidades de sua instrumentalização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neide da Silveira Duarte de Matos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutorado em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Estadual de Maringá. Professora do Curso de Pedagogia e do Programa de pós-graduação em Educação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Lucia Terezinha Zanato Tureck, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutorado em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal da Bahia. Professora do Curso de Pedagogia e do Programa de pós-graduação em Educação da Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Referências

ARANHA, M. L. A. História da educação. São Paulo: Moderna, 1996.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro: ABNT, 2018.

BARROCO, S. M. S. A educação especial do novo homem soviético e a psicologia de L. S. Vigotski: implicações e contribuições para a psicologia e a educação atuais. 2007. 414 f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara, SP, 2007.

BIANCHETTI, L. Aspectos históricos da apreensão e da educação dos considerados deficientes. In: BIANCHETTI, L.; FREIRE, I. M. (Org.). Um olhar sobre a diferença: interação, trabalho e cidadania. Campinas, SP: Papirus, 1998. p. 21-51.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2007). Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência [recurso eletrônico]: Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009, Decreto Legislativo nº 186, de 2008 e o texto da Convenção sobre os direitos das Pessoas com deficiência e de seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. – 5. ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2015. – (Série legislação; n. 160).

BRASIL. Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência: Protocolo facultativo à convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência: decreto legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008: decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. 4. ed., rev. e atual. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos: Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2011.

BRASIL. Lei 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 6 jul. 2015. Disponível em: https://bityli.com/UsbPoAcesso em: 16 dez. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: https://bityli.com/xBjBm. Acesso em: 16 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Centro Nacional de Educação Especial-CENESP. Diretrizes básicas para ação do Centro Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC: CENESP, 1974.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 01, de 2002. Institui as diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores da educação básica, em nível superior, em cursos de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 abr. 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB nº 02, de 2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 14 set. 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional da educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC: PNE, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de educação especial. Brasília: MEC: SEESP, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação. Decreto n° 10.502/2020, institui a Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida/ Secretaria de Modalidades Especializadas de Educação – Brasília; MEC. SEMESP. 2020. 124p.

BUENO, J. G. S. Educação especial brasileira: questões conceituais e de atualidade. São Paulo: EDUC, 2011.

CARVALHO, A. R.; ROCHA, J. V.; SILVA, V. L. R. R. da. Pessoa com deficiência na história: modelos de tratamento e compreensão. Programa Institucional de Ações Relativas às Pessoas com Necessidades Especiais – PEE. In: CARVALHO, A. R. de. et al. (Org.). Pessoa com deficiência: aspectos teóricos e práticos. Cascavel, PR: Edunioeste, 2006. p. 15-56.

CARVALHO, A. R.; ZANETTI, P. S. Trabalho e pessoa com deficiência diante da atual reestruturação produtiva capitalista. Programa Institucional de Ações Relativas às Pessoas com Necessidades Especiais – PEE. In: CARVALHO, A. R. de. et al. (Org.). Pessoa com deficiência, educação e trabalho: reflexões críticas. Cascavel, PR: Edunioeste, 2015. p. 63-85.

GARCIA, R. M. C.; MICHELS, M. H. Política de Educação especial e currículo: disputas sobre natureza, perspectiva e enfoque. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 19, n. 55, p. 54-70, out./dez. 2018. Disponível em: https://bityli.com/XECLMB. Acesso em 12 de jan. de 2019. DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2018.37239

JANNUZZI, G. M. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

KASSAR, M. C. M. Liberalismo, neoliberalismo e educação especial: algumas implicações. Cadernos CEDES, Campinas, SP, v. 19, n. 46, set. 1998. Disponível em: https://bityli.com/esSIE. Acesso em: 23 nov. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-32621998000300003

LURIA, A. R. Curso de psicologia geral: linguagem e pensamento - v 1. Trad. P. Bezerra. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 1979. [4 vols.].

MATOS, N. S. D. A educação especial e a formação de professores proposta pelo programa “Educação inclusiva: direito à diversidade”. 2011. 153 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, PR, 2011.

MATOS, N. S. D. Políticas de educação especial e desenvolvimento humano: recuperação de contextos, documentos e percepções de protagonistas no Paraná e em Cuba. 2019. 286 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, 2019.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Brasília 1998. Disponível em: https://bityli.com/gwlGy. Acesso em: 24 de agosto de 2020.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1990.

PESSOTTI, I. Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1984.

PICCOLO, G. M. Contribuições a um pensar sociológico sobre a deficiência. 2012. 231 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2012. Disponível em: https://bityli.com/TaMjE. Acesso em: 25 jun. 2016.

PICCOLO, G. M.; MENDES, E. G. Sobre formas e conteúdos: a deficiência como produção histórica. Perspectiva, Florianópolis, v. 31, n. 1, p. 283-315, jan./abr. 2013. Disponível em: https://bityli.com/RvtBM. Acesso em: 07 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2013v31n1p283

SAVIANI, D. Escola e democracia. Campinas, SP: Autores Associados, 2009.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. Profissionalização como estratégia de gerenciamento de professores. Revista de Estudos Curriculares, Braga, v. 1, n. 2, p. 267-281, 2003. Disponível em: https://bityli.com/yqkPm. Acesso em 20 de jul de 2018.

SILVA, O. M. A epopéia ignorada (A pessoa deficiente na história do mundo de ontem e de hoje). São Paulo: CEDAS, 1987. Disponível em: https://bityli.com/mZPeG. Acesso em: 3 nov. 2019.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos. Jomtien, Tailândia, 5 a 9 de março de 1990. Disponível em: https://bityli.com/uvIbQ Acesso em: 11 jul. 2020.

UNESCO. Declaración de Salamanca: de principios, políticas y practica para las necesidades educativas especiales. Salamanca, España: UNESCO; Ministerio de Educación y Ciencia, 1994. Disponível em: https://bityli.com/QCQXX. Acesso em: 18 set. 2019.

VIEIRA, C. de S. Condição de pessoa com deficiência na Lei nº 13.146/2015. Revista Jus Navigandi, Teresina, ano 21, n. 4812, set. 2016. Disponível em: https://bityli.com/JBJEtG. Acesso em: 6 set. 2019.

VYGOTSKY, L. S. Obras completas: fundamentos de defectología - Tomo Cinco. La Habana, Cuba: Pueblo y Educación, 1989.

VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R. Estudos sobre a história do comportamento: Símio, homem primitivo e criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

ZANETTI, P. da S.; SILVA, L. A. da; TURECK, L. T. Z. As contradições das políticas de inclusão social na sociedade de classes. JORNADA DO HISTEDBR, 14., 2017, Foz do Iguaçu, PR. Anais [...]. Iguaçu, PR: Unioeste, 2017. Disponível em: https://bityli.com/glDkr. Acesso em: 11 jul. 2020.

Downloads

Publicado

2022-05-23

Como Citar

MATOS, N. da S. D. de; TURECK, L. T. Z. Educação especial e políticas educacionais: a concepção de aprendizagem e desenvolvimento humano em disputa. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022018, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8661085. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8661085. Acesso em: 10 ago. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)