Banner Portal
A financeirização da educação
Créditos da imagem: Pixabay
PDF

Palavras-chave

Educação
Capital financeiro
Grupos financeiros
Fundos de investimentos

Como Citar

TURMENA, Leandro; NUNES, Sidemar Presotto. A financeirização da educação: os fundos de investimentos nos “grupos educacionais”. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022046, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8661334. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8661334. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

A atual dinâmica dos diversos setores da economia não pode ser conhecida sem se levar em consideração o processo de financeirização. Embora não sejam recentes, os fundos de investimentos adquirem cada vez maior expressão no controle direto e indireto das sociedades de capital aberto, inclusive nos chamados grupos educacionais. O objetivo do trabalho foi analisar a participação destes fundos nas maiores empresas/grupos educacionais listados em bolsas de valores no mundo e no Brasil. Do ponto de vista dos procedimentos metodológicos, as etapas foram: a) identificar todas as empresas com preço de mercado superior a US$ 50 milhões, em agosto de 2019, classificadas neste setor no portal Marketscreener, bem como o país-sede; b) classificar aquelas com maior preço de mercado na época da consulta; c) identificar os dez maiores acionistas das três maiores empresas mundiais e das brasileiras; d) identificar a participação dos principais fundos de investimentos; e) analisar a composição acionária dos referidos fundos de investimentos. Concluiu-se que os maiores fundos de investimentos mundiais (BlackRock, The Vanguard Group, Morgan Stanley e The Fidelity) estão presentes nos maiores grupos educacionais, e que estes ou outros fundos de investimentos também estão presentes em todas estas empresas/grupos educacionais, que são guiados pela lógica de redução de custos por meio da adoção de “tecnologias educacionais”. Verifica-se, portanto, que a educação se torna apenas mais uma esfera de ação destes fundos e bancos que ora contribuem para suprimir, ora contribuem para constituir novos “grupos educacionais”.  Assim, a educação se coloca no processo de financeirização, assumindo a lógica da atual fase do capitalismo, da não-concorrência, dos monopólios, isto é, do imperialismo.

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8661334
PDF

Referências

AZEVEDO, M. L. N. de. Transnacionalização e mercadorização da educação superior: examinando alguns efeitos colaterais do capitalismo acadêmico (sem riscos) no Brasil – a expansão privado-mercantil. Revista Internacional de Educação Superior. [RIESup.] Campinas, SP. v. 1, n. 1, p. 86-102, jul./set. 2015. Disponível em: https://bityli.com/zesOpetsa. Acesso em: 18 out. 2019.

CHAVES, V.; SANTOS, M.; KATO, F. Financiamento público para o ensino superior privado-mercantil e a financeirização. Jornal de Políticas Educacionais, v. 14, n. 8, Disponível em: https://bityli.com/ZnVyyrkry. Acesso em: 21 set. 2020.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Centauro, 2005.

FUNDOS de investimento / Comissão de Valores Mobiliários. 3. ed. Rio de Janeiro: Comissão de Valores Mobiliários, 2016.

KOIK, B. Estácio cria holding Yduqs e abre novas frentes de negócios. Valor Econômico, 11 jul. 2019. Disponível em: https://bityli.com/yieiQnTJz. Acesso em: 17 out. 2019.

LENIN, V. Imperialismo, estágio superior do Capitalismo. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

MARKETSCREENER. Disponível em: https://www.marketscreener.com/. Acesso em: ago. 2019.

MEDEIROS, M. C. As bases teóricas para interpretação do papel do capital financeiro na agricultura. Artigo apresentado como exigência parcial para a promoção à classe de professor associado na Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE. Francisco Beltrão, 2017. (Não Publicado).

MOURA, M. Maior grupo de educação do país, Kroton vira Cogna e se divide em quatro. G1: Época Negócios, 07 out. 2019. Disponível em: https://bityli.com/cflnNFNOW. Acesso em: 17 out. 2019.

OLIVEIRA, R. P. A financeirização da economia e suas consequências para a educação superior no Brasil. In: MARINGONI, G. (org.). O negócio da educação: as aventuras das universidades privadas na terra do capitalismo sem risco. São Paulo: Olho D’água, 2017.

SABADINI, M. de S. Sobre o conceito de capital financeiro. Temporalis, Brasília, DF, ano 15, n. 30, jul./dez. 2015. Disponível em: https://bityli.com/RVfFyMXue. Acesso em: 18 out. 2018.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.