Banner Portal
Entre pedidos e pareceres
PDF

Palavras-chave

Livros didáticos de matemática
Avaliação por parecer
Século XIX

Como Citar

SILVA, Suhender Ribeiro da; SOARES, Flávia dos Santos. Entre pedidos e pareceres: avaliações de livros didáticos de matemática no século XIX. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023023, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8664407. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8664407. Acesso em: 21 abr. 2024.

Dados de financiamento

Resumo

O livro didático, ao lado de outras fontes, pode ser identificado como um material de significativa contribuição para a história das práticas educativas além de ser visto como portador de parte dos conteúdos a serem ensinados, o que permite enxergar o livro como fonte de pesquisas que se volta para a compreensão da cultura escolar e para a constituição das disciplinas escolares. No Brasil, a década de 1830 marca o momento em que começam a surgir as primeiras obras didáticas nacionais na área de Matemática, usadas em escolas, exames preparatórios e, posteriormente, em liceus e colégios. A partir de então, uma questão que começa a se impor, particularmente a partir de 1854 com as Reformas de Couto Ferraz, é o controle sobre os livros usados nas escolas. A fim de avaliar a qualidade desses livros, pareceres redigidos por professores de instituições renomadas eram utilizados para decidir se um livro deveria ser adotado e/ou mantido na escola. Esses pareceres podem ser tomados como documentos importantes que expressam critérios de qualidade que os livros didáticos deveriam obedecer. Esse artigo tem como objetivo analisar o processo de avaliação de obras didáticas no século XIX a fim de identificar quais critérios gerais e outros específicos para a área de matemática podem ser depreendidos dos pareceres compreendendo o papel e a importância dos pareceres no processo de validação das obras didáticas também como estratégias para a circulação de livros escolares.

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8664407
PDF

Referências

AGCRJ. ARQUIVO GERAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. AGCRJ. Série Instrução Pública. Documentos manuscritos. Códice 11-4-33, Obras e Publicações, 1878-1879. Rio de Janeiro.

AGCRJ. ARQUIVO GERAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. AGCRJ. Série Instrução Pública. Documentos manuscritos. Códice 12-2-5, Obras e Publicações, 1880 a 1886. Rio de Janeiro.

AGCRJ. ARQUIVO GERAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Série Instrução Pública. Documentos manuscritos. Códice 10-4-18, Exames, 1852-1873. Rio de Janeiro.

ALMEIDA, J. R. P. A instrução pública no Brasil (1500-1889). Trad. Antonio Chizzotti, Ed. Guedes, Maria do Carmo. 2. ed. São Paulo: EDUC, 2000.

ALONSO, G. D. S. Los manuales escolares como posibilidad investigativa para la historia de la educación: Elementos para uma definición. Rev. Hist. Edu. Latinoam, Santander, n. 16, p. 199-224, ene./jun. 2011. Disponível em: https://www.redalyc.org/comocitar.oa?id=86922549009. Acesso em 18 jan. 2018.

BITTENCOURT, C. Livro didático e saber escolar (1810-1910). Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

BITTENCOURT, C. M. F. Autores e editores de compêndios e livros de leitura (1810-1910). Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 475-491, set./dez. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v30n3/a08v30n3.pdf. Acesso em: 19 set. 2018.

BLAKE, A. V. A. S. Diccionario bibliographico brazileiro. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1970. 7 v.

BORGES, A. C. [Barão de Macaúbas]. Geometria Prática Popular. 30. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1944.

BRASIL. Decreto n. 1.331A, de 17 de fevereiro 1854. Aprova o regulamento para a reforma do ensino primário e secundário no município da Corte. LexML: Legislação Federal. Disponível em: http://www2.camara.gov.br/atividadelegislativa/legislacao/publicacoes/doimperio. Acesso em: 17 jan. 2018.

BRASIL. Ministério do Império. Relatório do ano de 1856 apresentado a Assembleia Legislativa na 1ª sessão da 10ª Legislatura. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert, 1857. Relatório da Inspectoria Geral da Instrucção primária e secundária do município da Côrte. Anexo K.

CARVALHO, M. A. R. O quinto século: André Rebouças e a construção do Brasil. Rio de Janeiro: Revan: IUPERJ-UCAM, 1998.

CASTELLANOS, S. L. V. O livro escolar no Maranhão Império (1822-1899). São Luís: EDUFMA: Café & Lápis, 2017.

CHAMON, C. S. Escolas em Reforma, saberes em trânsito: a trajetória de Maria Guilhermina Loureiro de Andrade (1869-1913). Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

CHOPPIN, A. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 549-566, set./dez. 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/GNrkGpgQnmdcxwKQ4VDTgNQ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 25 maio 2018.

CHOPPIN, A. Políticas dos livros escolares no mundo: perspectiva comparativa e histórica. História da Educação, Pelotas, v. 12, n. 24, p. 9-28, jan./abr. 2008. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/29225. Acesso em: 30 jan. 2018.

CORRÊA, R. L. T. O livro escolar como fonte de pesquisa em história da educação. Cadernos Cedes, Campinas, ano XIX, n. 52, p. 11-24, nov. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v20n52/a02v2052.pdf. Acesso em: 03 fev. 2018.

DE CASTELL, S., LUKE, A., & LUKE, C. Language, authority and criticism. Readings of the school textbook. London: Falmer Press, 1989.

FREITAS, L. A. M. Compendio de Artihmetica de C.V. Boisson. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, ano 59, n. 11, p. 2, 11 jan. 1880. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=364568_07&pesq=Boisson&hf=memoria.bn.br&pagfis=60. Acesso em: 21 ago. 2018.

GALVÃO, A. M. O. A circulação e uso do livro escolar de leitura em Pernambuco no século XIX. In: BATISTA, A. A. G.; GALVÃO, A. M. O. Livros escolares de leitura no Brasil: elementos para uma história. Campinas: Mercado de Letras, 2009. p. 121-151.

GASPARELLO, A. M. Traduções, apostilas e livros didáticos: ofícios e saberes na construção das disciplinas escolares. In: ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA, 12., 2006, Niterói. Anais Eletrônicos [...]. Rio de Janeiro: Anpuh Rio, 2006. p. 1-10. Disponível em: http://www.eeh2014.anpuh-rs.org.br/resources/rj/Anais/2006/conferencias/Arlette%20Medeiros%20Gasparello.pdf. Acesso em: 11 fev. 2021.

GENETTE, G. Paratextos editoriais. Trad. Álvaro Faleiros. Cotia: Ateliê, 2009.

GÉRARD, F. M.; ROEGIERS, X. Conceber e avaliar manuais escolares. Trad. Júlia Ferreira e Helena Peralta. Porto: Porto, 1998.

GONDRA, J.; GARCIA, I.; SACRAMENTO, W. Estado imperial e Educação Escolar – Redescutindo a reforma Couto Ferraz (1854). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 1., 2000, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro, 2000. CD-Rom.

GRACIN, D. G. Mathematics Textbook as an Object of Research. Croatian Journal of Education, v. 16, n. 3, p. 211-237, 2014. Disponível em: https://hrcak.srce.hr/file/191373. Acesso em: 20 out. 2018.

JULIA, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Campinas, n. 1, p. 9-43, jan./jun. 2001. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/article/view/38749/20279. Acesso em: 30 jun. 2017.

LOMAS, C.; JURADO, F. (eds.). Los libros de texto: ¿tradición o innovación? Bogotá: Magistério, 2015.

LOMBARDI, J. C. História e Historiografia da Educação: atentando para as fontes. In: LOMBARDI, J. C.; NASCIMENTO, M. I. M. (org.). Fontes, História e Historiografia da Educação. Campinas: Autores Associados, 2004. p. 141-176.

NAVA, P. Chão de Ferro. 3. ed. São Paulo: Ateliê, 2001.

OSSENBACH, G. Manuales escolares y patrimonio histórico-educativo. Educatio Siglo XXI, Madrid, v. 22, n. 2, p. 115-132, 2010. Disponível em: http://revistas.um.es/educatio/article/view/111991. Acesso em: 16 ago. 2018.

RANGEL, C. S. Ensino d’Arithmetica ou Guia do Calculador. Porto Alegre: Typ do Rio-Grandense, 1874.

SAVIANI, D. Método intuitivo. Verbete. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D.; NASCIMENTO, I. M. (org.). Navegando na História na Educação Brasileira. Glossário. Campinas: HISTEDBR, 2006. Disponível em: http://www.histedbr.fe.unicamp.br/navegando/glossario/verb_c_metodo_%20intuitivo%20.htm. Acesso em: 31 dez. 2018.

SILVA, C. M. S. Controle estatal sobre livros didáticos de matemática utilizados na Academia Militar no Brasil. Zetetiké, Campinas, v. 19, n. 35, p. 11-35, jan./jun. 2011. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646644/13546. Acesso em: 04 maio 2019.

SILVA, C. M. S. O livro didático de matemática do Brasil no século XIX. In: FOSSA, J. A. (org.). Facetas do diamante: ensaios sobre educação matemática e história da matemática. Rio Claro: Editora da SBHMat, 2000. p. 109-162.

SILVA, S. R. Livros didáticos de Matemática: investigando critérios para a adoção de manuais no século XIX. 2019. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019.

SOUZA LOBO, J. T. Segunda Arithmetica para meninos. 30. ed. Porto Alegre: Livraria do Globo, 1933.

SOUZA, A. M. Arithmetica Elementar. 4. ed. Rio de Janeiro: Typografia do Jornal do Commercio, 1910. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/159291. Acesso em: 03 out. 2018.

TRINCHÃO, G. M. C.; JULIANO, C. B. A. (org.). Os saberes em desenho do Barão de Macaúbas. Salvador: EDUFBA; Feira de Santana: UEFS, 2015.

VALENTE, W. R. Uma história da matemática escolar no Brasil (1730-1930). São Paulo: Annablume: Fapesp, 1999.

VIANNA, J. J. L. Elementos de Arithmetica. 23. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves: 1927.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Suhender da Silva; Flávia Soares

Downloads

Não há dados estatísticos.