Banner Portal
Homeschooling
Créditos da imagem: Pixabay
PDF

Palavras-chave

Educação domiciliar
Educação informal
Psicanálise
Neoliberalismo

Como Citar

MATOS, Sandro Conceição de. Homeschooling: muro de linguagem (in)formal que se opõe à escola. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022053, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8664885. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8664885. Acesso em: 15 jun. 2024.

Resumo

O debate sobre a implementação do homeschooling no Brasil emerge com bastante efervescência no atual cenário político do país, marcado predominantemente pela extrema direita. Este artigo tem como objetivo fulcral apresentar uma crítica contemporânea à educação domiciliar enquanto modalidade educativa formal e informal que se opõe à educação escolar, oposição essa que remete à metáfora lacaniana sobre muro de linguagem. A pesquisa realiza uma abordagem qualitativa do tipo bibliográfico privilegiando leituras e fichamentos do dossiê Homeschooling e o Direito à Educação da Revista Pro-Posições (2017) e, também, de autores que abordam a problemática em torno da metáfora do muro de linguagem, em especial Jacques Lacan (2011). Os resultados sugerem a forte influência da educação informal no homeschooling, cuja propulsão na contemporaneidade é viabilizada pela política neoliberal, a qual enquadra a educação domiciliar como um elemento de interposição que separa os sujeitos a partir da classe social. Nessa lógica, os mais privilegiados conseguem acessar a educação domiciliar tornando-se indiferentes aos demais que acessam a escola, revelando, portanto, um comportamento narcisista entre os adeptos da educação domiciliar.

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8664885
PDF

Referências

BARBOSA, L. M. R. Ensino em casa no Brasil: um desafio à escola? 2013. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013. Disponível em: https://bityli.com/B9uWa. Acesso em: 16 dez. 2019.

BREWER, J.; LUBIENSKI, C. Homeschooling in the United States: examining the rationales for individualizing education. Pro-Posições, Campinas, v. 28, n. 2, p. 21-38, ago. 2017. Disponível em: https://bityli.com/QZz9L. Acesso em: 11 dez. 2019.

CMS. Câmara sedia I Fórum Baiano sobre Educação Domiciliar. Câmara Municipal de Salvador. Salvador, 18 jul. 2019. Disponível em: https://bityli.com/EsKcZ. Acesso em: 01 out. 2022.

COUTO, M. P. do. As novas organizações familiares e o fracasso escolar. Psicologia da Educação, São Paulo, n. 30, p. 57-66, jun. 2010. Disponível em: https://bityli.com/sWvor. Acesso em: 28 nov. 2019.

CUNHA, M. P. da.; BIRMAN, J. Muros do vazio: narciso revisitado. Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro, v. 49, n. 2, p. 30-49, dez. 2017. Disponível em: https://bityli.com/5z7f1. Acesso em: 23 nov. 2019.

CURY, C. R. J. Educação escolar e educação no lar: espaços de uma polêmica. Educação e Sociedade, v. 27, n. 96, p. 667-688, out. 2006. Disponível em: https://bityli.com/obovI. Acesso em: 25 nov. 2019.

DATAFOLHA. Pesquisa de opinião pública sobre o criacionismo. Folha de São Paulo, São Paulo, n. 29.584, 2 abr. 2010.

DUNKER, C. Mal-estar, sofrimento e sintoma. São Paulo: Boitempo, 2015. (Coleção Estado de Sítio).

DURKHEIM, É. Educação e sociologia. 10. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1975.

ESPINOSA, S.; QUEIROZ, F. Breve análise sobre as redes do Escola sem Partido. In: FRIGOTTO, G. (org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ: LPP, 2017. p. 49-62.

FREUD, S. O mal-estar na civilização. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOHN, M. da G. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio Avaliação e Políticas Públicas Educação, Rio de Janeiro, v. 14, n. 50, p. 27-38, mar. 2006. Disponível em: https://bityli.com/JFqOJ. Acesso em: 18 nov. 2019.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 12. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

KUPFER, M. C. M. Educação para o futuro: psicanálise e educação. São Paulo: Escuta, 2007.

LACAN, J. Estou falando com as paredes: conversas na Capela de Sainte-Anne. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

LACAN, J. Função e campo da fala e da linguagem In: LACAN, J. Escritos. Rio de Janeiro: Zahar, 1998. p. 238-324.

LACAN, J. O seminário livro 8: a transferência. Rio de Janeiro: Zahar, 1992.

MARX, K. A guerra civil na França. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto comunista. São Paulo: Boitempo, 2010.

MINISTRO da Educação defende homeschooling em audiência e diz que socialização da criança pode ser na igreja. G1. Rio de Janeiro, 05 abr. 2021. Disponível em: https://bityli.com/OsYTm. Acesso em: 01 out. 2022.

OLIVEIRA, R. L. P. de.; BARBOSA, L. M. R. O neoliberalismo como um dos fundamentos da educação domiciliar. Pro-Posições, Campinas, v. 28, n. 2, p. 193-212, ago. 2017. Disponível em: https://bityli.com/TG2ka. Acesso em: 12 dez. 2019.

ORNELLAS, M. de L. Psicanálise & educação: o que falta em um está no outro? Salvador: EDUFBA, 2019.

PARASKEVA, J. Privatização dos benefícios e socialização dos custos. Dos chequesensino ao homeschooling. In: PARASKEVA, J.; AU, W. (org.). O direito à escolha em educação. Cheques-ensino, projectos charter e o ensino doméstico. Mangualde: Edições Pedagogo, 2010. p. 17-53.

PENNA, F. de A. O. Escola sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTTO, G. (org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ: LPP, 2017. p. 35-48.

PICHONELLI, M. Homeschooling e a domesticação dos alunos. In: CÁSSIO, F. (org.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo, 2019. p. 99-105.

PRO-POSIÇÕES. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2017-, ISSN 1980-6248 versão online. Disponível em: https://bityli.com/ofOlf. Acesso em: 10 dez. 2019.

RIBEIRO, Á. M. C.; PALHARES, J. O homeschooling e a crítica à escola: hibridismos e (des)continuidades educativas. Pro-Posições, Campinas, v. 28, n. 2, p. 57-84, ago. 2017. Disponível em: https://bityli.com/VjlJX. Acesso em: 13 dez. 2019.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 10. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SELLES, S. E. A polêmica instituída entre ensino de evolução e criacionismo: dimensões do público e do privado no avanço do neoconservadorismo. Ciência & Educação, Bauru, v. 22, n. 4, p. 831-835, dez. 2016. Disponível em: https://bityli.com/2mKqv. Acesso em: 28 nov. 2019.

TAFFAREL, C. N. Z. Teoria pedagógica marxista, educação escolar e luta de classes. In: SANTOS, C. F. (org.). Crítica ao esvaziamento da educação escolar. Salvador: EDUNEB, 2013. p. 17-36.

TORRES SANTOMÉ, J. Escola e família: duas instituições em confronto? In: TORRES SANTOMÉ, J.; APPLE, M. (org.). Ventos de desescolarização. A nova ameaça à escolarização pública. Lisboa: Plátano, 2003. p. 15-56.

VASCONCELOS, M. C. C. A educação doméstica no Brasil de oitocentos. Educação em Questão, Natal, v. 28, n. 14, p. 24-41, jun. 2007. Disponível em: https://bityli.com/a6YfN. Acesso em: 28 nov. 2019.

VASCONCELOS, M. C. C. Educação na casa: perspectivas de desescolarização ou liberdade de escolha? Pro-Posições, Campinas, v. 28, n. 2, p. 122-140, ago. 2017. Disponível em: https://bityli.com/RB9CB. Acesso em: 14 dez. 2019.

VIEUX, A. The politics of homeschools: religious conservatives and regulation requirements. The Social Science Journal, v. 51, n. 4, p. 556-563, dez. 2014. Disponível em: https://bityli.com/Q4PFZ. Acesso em: 10 dez. 2019.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.