Banner Portal
“Quando eu lembro da massa da mandioca”
Créditos da imagem: Pixabay
PDF

Palavras-chave

Educação
Saberes do trabalho
Saberes sociais
Mandioca
Brasil
Casas de Farinha

Como Citar

SANTOS, M. O. .; ALVES, A. E. S. . “Quando eu lembro da massa da mandioca”: memórias dos saberes do trabalho na história do Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022001, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8665789. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8665789. Acesso em: 23 fev. 2024.

Resumo

Os saberes do trabalho são construtos sociais, que nascem do processo educacional entre homem e natureza, na reprodução ampliada da vida. No desenvolvimento dos estudos acerca das memórias do trabalho familiar em casas de farinha, pesquisaram-se as importantes contribuições indígenas no cultivo da mandioca e na produção dos seus derivados na história do Brasil. Neste sentido, o presente artigo tem como objetivos: apresentar o demarco de um recorte histórico da aproximação dos europeus com os saberes da produção com a mandioca – produção e produtos –,  que não somente precintariam um marco da adaptação alimentar dos até então “visitantes”, mas também forjariam o interesse de exploração do tubérculo; e, ao mesmo tempo, analisar a desarticulação da primeira base de trabalho familiar e a troca de saberes sociais, os do trabalho indígena, compreendidos como rastros das primeiras casas de farinha existentes no país. Os fundamentos teóricos de Cascudo (1983; 2004); Pedroza (2014); Algranti (1997); Rodrigues (2012), entre outros, respaldaram a discussão preterida. Ao término das contribuições, verificou-se que os interesses mercantis, embora se aproximem dos saberes sociais pelas vias capitalistas, nem sempre conseguem anulá-los integralmente, pois subsistem na processualidade histórica por meio da resistência no saber-fazer e nos modos de vida de homens e mulheres do campo, perceptíveis nas casas de farinha dos dias atuais.

 

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8665789
PDF

Referências

ALGRANTI, L. M. Família e vida doméstica. In: NOVAIS, F. A. (Coord.) SOUZA, L. M. e (Org.). História da vida privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. (Coleção História da Vida Privada no Brasil, v. 1).

AMARAL, L. História geral da agricultura brasileira: no tríplice aspecto político-social-econômico. São Paulo: Companha Editora Nacional, 1958. v. 1.

CARVALHO, E. de. O mandiocal. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, ano X, n. 2, p. 152-153, abr./jun. 1948. Disponível em https://bit.ly/3Dua8bj. Acesso em: 08 out. 2021.

CASCUDO, L. da C. Dicionário do folclore brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro, 1954.

CASCUDO, L. da C. História da alimentação no Brasil. 2. ed. Belo Horizonte: Itatiaia: São Paulo: Edusp, 1983. v. 1.

CASCUDO, L. da C. Histórias da alimentação no Brasil. 3. ed. São Paulo: Global, 2004.

CASIMIRO, A. P. B. S. Organização social e trabalho no Brasil Colonial: a presença da igreja católica e a escravidão. In: ALVES, A. E. S.; LIMA, G. de O. P.; CAVALCANTI, J. M. N. (Org.). Interfaces entre história, trabalho e educação. Campinas, SP: Alínea, 2009.

CASTRO, J. de. Geografia da fome. São Paulo: Brasiliense, 1959.

CIAVATTA, M. (Org.). A historiografia em trabalho-educação: como se escreve a história da educação profissional. Uberlândia, MG: Navegando publicações, 2019.

CONCEIÇÃO, A. J. A mandioca. São Paulo: Nobel, 1981.

DURÃO, F. J. S. R. Caramurú. Poema épico do descobrimento da Bahia de Santa Rita Durão, da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, 1781. São Paulo: Cultura, 1945. Disponível em: https://bit.ly/3oBjJsH. Acesso em: 28 jan. 2020.

FREYRE, G. Casa grande & senzala. 36. ed. Rio de Janeiro: Record, 1999.

GALEANO, E. As veias abertas da América Latina. Tradução Sérgio Faraco. Porto Alegre, RS: L&PM, 2018.

GANDAVO, P. M. Tratado da terra do Brasil. Edições do Senado Federal. Volume 100. Brasília: Senado Federal: Conselho Editorial, 2008.

HOUAISS, A. Dicionário de língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

KUENZER, A. Z. Pedagogia da fábrica: as relações de produção e a educação do trabalhador. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1985.

LUXEMBURG, R. A acumulação do capital: contribuição ao estudo econômico do imperialismo; anticrítica. São Paulo: Nova Cultural, 1985. (Os Economistas).

MAGALHÃES, J. V. C. de O Selvagem. Rio de Janeiro: Typ. da Reforma, 1876. Disponível em: https://bit.ly/3AiDHdZ. Acesso em: 23 maio 2018.

MARTINS, J. de S. A chegada do estranho. São Paulo: Ed. HUCITEC, 1993.

MAZOYER, M.; ROUDART, L. Histórias das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: Ed. UNESP; Brasília, DF: NEAD, 2010.

PEDROZA, M. A roça, a farinha e a venda: a produção de alimentos, mercado interno e pequenos produtores no Brasil colonial. In: FRAGOSO, J.; GOUVÊA, M. de F. (Org.). Coleção o Brasil Colonial: 1720-1821. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014. v. 3.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 3. ed. São Paulo: Global, 2015.

RODRIGUES, D. do S. Saberes sociais e luta de classes: um estudo a partir da colônia de pescadores artesanais z-16 – Cametá/Pará. Belém: UFPA, 2012.

SILVA, F. C. T. da. Conquista e colonização da América Portuguesa. O Brasil Colônia – 1550/1750. In: LINHARES, M. Y. (org.). História Geral do Brasil. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1990.

SODRÉ, R.; PORTUGAL, J. A massa, 2018. Salvador, BA. Disponível em: https://bit.ly/3aeKdIe. Acesso em: 05 de março de 2021.

SOUSA, G. S. de Tratado descritivo do Brasil 1587. 2. ed. Rio de Janeiro: Tipografia de João Ignácio da Silva, 1946. Biblioteca do Senado Federal.

TIRIBA, L.; FISCHER, M. C. B. Espaços/tempos milenares dos povos e comunidades tradicionais: notas de pesquisa sobre economia, cultura e produção de saberes. Revista Educação Pública, Cuiabá, v. 24, n. 56, p. 405-428. maio/ago. 2015. Disponível em: https://bit.ly/3lfGpN6. Acesso em: 14 maio 2021.

TUFANO, D. A carta de Pero Vaz de Caminha. Comentada e ilustrada. São Paulo: Moderna, 1999.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Marisa Oliveira Santos, Ana Elizabeth Santos Alves

Downloads

Não há dados estatísticos.