O golpe de 2016, as fragilidades da democracia liberal brasileira e o papel da educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8666398

Palavras-chave:

Democracia liberal, Golpe de 2016, Pedagogia histórico-crítica

Resumo

O artigo apresenta uma análise das causas pelas quais a democracia liberal – instituída no Brasil após vinte anos de ditadura militar – vem sendo desconstruída desde a concretização do Golpe jurídico-midiático-parlamentar de 2016. Fundamentado no materialismo histórico e dialético e na pedagogia histórico-crítica, traz uma caracterização da dinâmica democrática, das formas de fazer política pós-Golpe de 2016 e dos modelos de Estado e democracia na realidade brasileira. Também ressalta o protagonismo que a educação exerce nos processos de formação de cidadãos críticos e compromissados com a mudança social. O artigo conclui que, historicamente, a cultura democrática sempre foi mal assimilada pelas classes dominantes no Brasil. Nesse contexto, a educação precisa ser concebida, definitivamente, como uma modalidade primordial da prática social global para a garantia da posse do saber objetivo produzido historicamente pela sociedade. Quando trabalhada sob perspectivas críticas, a educação torna-se ainda mais essencial para a formação de mulheres e homens críticos, criativos e comprometidos com princípios e valores solidários, inclusivos e democráticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Fernando Hermida, Universidade Federal da Paraíba

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professor Titular da Universidade Federal da Paraíba.

Jailton de Souza Lira, Universidade Federal de Alagoas

Doutorado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba. Professor Adjunto II da Universidade Federal de Alagoas.
     

Referências

“O POVO é soberano, se quiser a volta de Lula, paciência. Acho difícil”, diz Mourão. Folha de S. Paulo, São Paulo, 10 mar. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3qUNBRC. Acesso em: 09 jul. 2021.

BOBBIO, N. O futuro da democracia. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

BOITO JUNIOR. A. Reforma e crise política no Brasil. Campinas: Unicamp: Unesp, 2018.

BRASIL. [Constituição (2015)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Atualizada e ampliada. São Paulo: Saraiva, 2015.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n° 9.394, de 20.12.1996. Câmara dos Deputados. Brasília: 2011.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Seção 1, 12 Ago 1971, Página 6377 (Publicação Original).

CASTELLS, M. Ruptura: a crise da democracia liberal. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

CASTRO, C.; MARQUES, A. (Org.). Missão Haití. Rio de Janeiro: FGV, 2019.

CASTRO, C.; MARQUES, A. Los comandantes militares brasileños de la misión en Haití. Otros diálogos, n. 10, ene. de 2020. Disponível em: https://bit.ly/3qVQG41. Acesso em: 03 jul. 2021.

COLARES, M. L. I. S.; FONSECA, A. D.; COLARES, A. A. A educação no processo de transformação social: refletindo sobre a prática docente. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, p. 1-15, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8660256. Disponível em: https://bityli.com/AnnXO. Acesso em: 01 nov. 2021. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8660256

DA SILVA, F. C. T. General sem alma Pazuello gerou crise que poderia ter dado a Bolso-naro “seu exército”. Folha de S. Paulo, São Paulo, 30 jun. 2021. Disponível em: https://bit.ly/3AGNgFH. Acesso em: 04 jul. 2021.

DEFESA e comandantes reagem a fala de Aziz na CPI e dizem que Forças Armadas não aceitarão 'ataque leviano'. Folha de S. Paulo, São Paulo, 07 jul. 2021. Disponível em: https://bit.ly/35occpT Acesso em: 09 jul. 2021.

FAORO, R. Os donos do poder. Rio de Janeiro: Globo, 2001.

FERNANDES, F. Apontamentos sobre a teoria do autoritarismo. São Paulo: Expressão Popular, 2019.

FERNANDES, F. O desafio educacional. São Paulo: Expressão Popular, 2020.

FREYRE, G. Casa grade & senzala. São Paulo: Global, 2003.

FRIGOTTO, G. Entrevista. In: HERMIDA, J. F.; LIRA, J. de S. A educação e o avanço da nova (ou extrema?) direita no Brasil: entrevista com Gaudêncio Frigotto. Roteiro, v. 45, p. 1-15, 9 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.18593/r.v45i0.23215

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Nacional, 2005.

FURTADO, C. O subdesenvolvimento revisitado. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 1, n. 1, p. 5–19, 2016. Disponível em: https://bityli.com/YOwkP. Acesso em: 11 ser. 2021.

HERMIDA, J. F.; LIRA, J. de S. Estado e Neoliberalismo no Brasil (1995-2018). Cader-nos de Pesquisa: Pensamento Educacional, Curitiba, v. 13, n. 35, p. 38-63. Set./dez. 2018. Disponíve em: https://bityli.com/bMxjQ. Acesso em: 11 set. 2021. DOI: https://doi.org/10.35168/2175-2613.UTP.pens_ed.2018.Vol13.N35.pp38-63

HERMIDA, J. F.; LIRA, J. de S. O Programa Escola Livre em Alagoas, a crise de acumu-lação do capital e o fortalecimento da direita política brasileira. Revista Exitus, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 141-170, 2017. DOI: 10.24065/2237-9460.2018v8n1ID393. Disponível em: https://bityli.com/NQtNo. Acesso em: 21 out. 2021. DOI: https://doi.org/10.24065/2237-9460.2018v8n1ID393

HERMIDA, J. F.; LIRA, J. de S. Quando fundamentalismo religioso e mercado se encon-tram: as bases históricas, econômicas e políticas da escola sem partido. Roteiro, [S. l.], v. 45, p. 1–32, 2020. DOI: 10.18593/r.v45i0.23216. Disponível em: https://bityli.com/TEHrxI. Acesso em: 11 set. 2021. DOI: https://doi.org/10.18593/r.v45i0.23216

LEVITSKY, S.; ZIBLATT, D. Como as democracias morrem. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

LIRA, J. de S. O neoliberalismo na educação pública alagoana durante o governo Teotonio Vilela (2007- 2014). 2016. 344 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2016.

LOCKE, J. Ensaio acerca do entendimento humano. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

MÉSZÁROS, I. Amontanha que devemos conquistar. Boitempo: 2015.

MIGUEL, L. F. A democracia na encruzilhada. In: SINGER, A. et al. (org.). Por que gri-tamos golpe? São Paulo: Boitempo, 2016.

MONEDERO, J. C. ¿Posdemocracia? Frente al pesimismo de la nostalgia, el optimismo de la desobediencia. Nueva Sociedad, Buenos Aires, n. 240, p. 68-86, jul./ago. 2012. Disponível em: https://bityli.com/UNnBY. Acesso em: 18 set. 2021.

NÃO TEMOS inteção de proteger a ninguém à margem da lei. Jornal O Globo, Rio de Janeiro, 9 jun. 2021. Seção Brasil. Disponível em: https://glo.bo/3nUepzA. Acesso em: 17 jul. 2021.

NICOLAU, J. Prefácio. In: LEVITSKY, S.; ZIBLATT, D. Como as democracias mor-rem. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

SAMPAIO JUNIOR, P. de A. Crônica de uma crise anunciada. São Paulo: SG-Amarante, 2017.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica, quadragésimo ano. Campinas: Autores Asso-ciados, 2019.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica. 11. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, D.; DUARTE, N. (org.). Pedagogia histórico-crítica e luta de clases na edu-cação escolar. Campinas: Autores Associados, 2012. DOI: https://doi.org/10.9771/gmed.v5i2.9697

SINGER, A. et al. Por que gritamos golpe? São Paulo: Boitempo, 2016.

SINGER, A. O lulismo em crise. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SINGER, A. Os sentidos do lulismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SOUZA, J. A radiografia do golpe. Rio de Janeiro: Le Ya, 2016.

TAVARES, M. da C. Subdesenvolvimento, dominação e luta de classes. In: SOUSA, C. M.; THEIS, I. M.; BARBOSA, J. L. A. (org.). Celso Furtado: a esperança militante (interpretações) - Vol. 1. Campina Grande: EDUEPB, 2020. DOI: https://doi.org/10.7476/9786586221695.0013

VIGNA, A. Brasil, uma democracia militarizada. Le Monde Diplomathique Brasil, ano 14, n. 167, p. 16-17, 2021.

Downloads

Publicado

2022-05-23

Como Citar

HERMIDA, J. F.; LIRA, J. de S. O golpe de 2016, as fragilidades da democracia liberal brasileira e o papel da educação. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022016, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8666398. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8666398. Acesso em: 26 set. 2022.