Banner Portal
“Escola sem partido” e alternativas para uma escola democrática no Brasil
PDF

Palavras-chave

Democracia
Antipedagogia
Pedagogias contra-hegemônicas

Como Citar

SANTOS JÚNIOR, Francisco Joatan Freitas; PINHEIRO, Francisco Felipe de Aguiar; SOUSA, Joilson Silva de. “Escola sem partido” e alternativas para uma escola democrática no Brasil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023007, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8668320. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8668320. Acesso em: 18 jun. 2024.

Resumo

O artigo analisa as propostas educacionais do movimento “Escola sem Partido” e indica alternativas para uma escola democrática no Brasil. O objetivo é apontar as inconsistências teórico-pedagógicas das propostas do movimento “Escola sem Partido”, confrontando-as com as ideias de uma educação popular e democrática, no contexto histórico-político nacional. Parte-se da hipótese de que as propostas do ESP têm fundamentos de natureza autoritária, antidemocrática e anticientífica, beirando o totalitarismo. Adota-se como procedimento metodológico a revisão bibliográfica e a análise documental com uma postura teórico-metodológica alinhada à epistemologia da história, sob a referência do método dialético regressivo de Bloch (2001) e à luz de pressupostos teóricos interdisciplinares dos campos da educação, filosofia e história. Conclui-se que a proposta da Escola sem Partido”, além de inconstitucional, constitui-se numa antipedagogia, ancorada numa filosofia da ordem reacionária e negacionista. Como alternativas democráticas, apontam-se duas propostas pedagógicas contra-hegemônicas: a crítico-social dos conteúdos de Libâneo (2014) e a histórico-crítica de Saviani (2008).

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8668320
PDF

Referências

ALAGOAS. Lei n.º 7.800, de 05 de maio de 2016. Institui, no Âmbito do Sistema Estadual de Ensino, o Programa "Escola Livre". Alagoas: Assembleia Legislativa de Alagoas, 2016. Disponível em: https://bityli.com/fg4zw. Acesso em: 5 mar. 2022.

ANDERSON, P. A crise no Brasil: uma análise profunda de Perry Anderson. Pambazuka News, Nairobi, p. 1- 17, abr. 2016. Disponível em: https://bityli.com/bken5. Acesso em: 16 jan. 2022.

BLOCH, M. L. B. Apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 35. ed. Brasília: Congresso Nacional, 1988. Disponível em: https://bityli.com/wJ0wwl. Acesso em: 16 jan. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996.

BRASIL. Medida Cautelar na Ação Direta de Inconstitucionalidade 5.537 Alagoas. 21 de março de 2017. Deferimento a liminar pleiteada para determinar a suspensão da integralidade da Lei 7.800/2016 do Estado de Alagoas. Disponível em: https://bityli.com/ucqw6. Acesso em: 13 maio. 2020.

BRASIL. Plano Nacional de Educação (PNE). Lei Federal n. 13.005, de 25/06/2014. Brasília: MEC. Disponível em: https://bityli.com/atQ1q. Acesso em: 20 jan. 2023.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (STF). Lei municipal que proíbe ensino sobre questões de gênero é inconstitucional. ADPF – Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 457 – Relator Ministro Alexandre de Morais. 27 abr. 2020. Disponível em: https://bityli.com/XdV9l. Acesso em: 16 jan. 2022.

ESCOLA SEM PARTIDO. Por uma lei contra o abuso da liberdade de ensinar. Deveres do professor. Escola sem Partido, 2019. Disponível em: https://bityli.com/f8HnR. Acesso em: 17 jan. 2023.

FONSECA, S. G. Caminhos da história ensinada. Campinas: Papirus, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

GERMANO, J. W. Estado militar e educação no Brasil. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

HOBSBAWM, E. Sobre história. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. 28. ed. São Paulo: Loyola, 2014.

LUCKESI, C. C. Filosofia da educação. São Paulo: Cortez, 1994.

MAIA FILHO, O. N.; MENDES SEGUNDO, M. D.; RABELO, J. J. O problema do mundo do trabalho no atual contexto da crise estrutural do capital. Cadernos de Pesquisa, v. 23, n. 1, jan./abr. 2016. Disponível em: https://bityli.com/4ZOCU. Acesso em: 16 jan. 2022.

MATTOS, A. R. et al.“Escola sem Partido” ou educação sem liberdade? Degenera UERJ. Rio de Janeiro, jun. 2016. Disponível em: https://bityli.com/NglV1. Acesso em: 16 jan. 2022.

NAGIB. M. O que pode ser feito contra a doutrinação. Escola sem Partido, Brasília, DF, 24 set. 2011. Disponível: http://escolasempartido.org/blog/o-que-pode-ser-feito-contra-a-doutrinacao/. Acesso em: 23 jan. 2023.

NOVO GAMA. Lei n.º 1.516, de 30 de junho de 2015. Proíbe material com informação de ideologia de gênero nas escolas municipais e Novo Gama – GO e dá outras providências. Novo Gama: Câmara Municipal, [2015]. Disponível em: https://bityli.com/NJRu7. Acesso em: 05 mar. 2022.

O TEMPO não para. Intérprete: Cazuza. Compositores: A. Miranda Neto e A. P. Brandão. In: O TEMPO não para. Intérprete: Cazuza. Rio de Janeiro: Polygram/Philips, 1988. 1 CD, faixa 6.

RIO DE JANEIRO. Projeto de Lei n.º 2.974, 13 de maio de 2014. Cria, no âmbito do sistema de ensino do Estado do Rio de Janeiro, o “programa escola sem partido”. Disponível em: http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/scpro1115.nsf/e4bb858a5b3d42e383256cee006ab66a/45741a7e2ccdc50a83257c980062a2c2. Acesso em: 28 jan. 2023.

ROTTERDAM, E. De Pueris (Dos Meninos) e A Civilidade Pueril. Tradução, Introdução e Notas de Luiz Feracine. São Paulo: Escala, 2008. (Coleção Grandes Obras do Pensamento Universal).

SANTOS, B. S. A crítica da razão indolente – Contra o desperdício da experiência - Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 42. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, D. Neoliberalismo ou pós-liberalismo?: educação pública, crise do Estado e democracia na América Latina. In: VELLOSO, J. et al. (Org.). Estado e educação. Campinas, SP: Papirus/CEDES; São Paulo: ANDE, ANPEd, 1992.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 10. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SAVIANI. D. et al. O legado educacional do século XX no Brasil. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2014.

SILVA, D. P. Ampliação e veto ao debate público na escola: história pública, ensino de história e o projeto “Escola Sem Partido”. Revista Transversos. Rio de Janeiro, v. 7, n. 7, p. 11-34, set. 2016. Disponível em: https://bityli.com/QDg4L. Acesso em: 16 jan. 2022.

WEBER, M. A objetividade do conhecimento nas ciências sociais. In: COHN, G. (org.). FERNANDES, F. (Coord.). Weber – Sociologia. São Paulo: Ática, 1999. (Coleção Grandes Cientistas Sociais, v. 13).

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.