Banner Portal
Banco mundial e a educação pública brasileira
PDF

Palavras-chave

Ensino fundamental
Banco mundial
Política educacional

Como Citar

ZANOTTO, Marijane; HIPPLER, Kethlyn Elisa. Banco mundial e a educação pública brasileira: desdobramentos na política para a educação básica - ensino fundamental . Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023004, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8669017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8669017. Acesso em: 20 jul. 2024.

Resumo

Em sua trajetória, o Banco Mundial passou de uma instituição de suporte financeiro para um gerenciador de políticas educacionais, para garantir a hegemonia econômica própria do sistema capitalista. Diante desse foco, esta pesquisa tem como objetivo compreender os interesses do Banco Mundial em determinar as diretrizes da educação dos países periféricos e quais são os impactos dessa intervenção na política educacional para o ensino fundamental no Brasil. Como metodologia de pesquisa, utilizou-se estudo bibliográfico, fundamentado em autores progressistas, além de análise documental, com foco no estudo do documento “Um Ajuste Justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil”, elaborado pelo Banco Mundial, em 2017. Considerando tal pressuposto, depreende-se que tais movimentos políticos interferem indireta e diretamente nas esferas escolares e na prática pedagógica do professor, atuante em sala de aula, assim como tais prerrogativas ideológicas construíram e embasaram as políticas educacionais brasileiras.

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8669017
PDF

Referências

ALBA, R. P. Mercantilização da educação no Brasil: da proposta do Banco Mundial à incorporação nos planos nacionais de educação. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2019. Disponível em: https://bityli.com/oFBAc. Acesso em: 23 jul. 2020.

BANCO MUNDIAL. Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Volume I: síntese. Grupo Banco Mundial, 2017. Disponível em: https://bityli.com/J4WHV. Acesso em: 06 mar. 2020.

BEZERRA NETO, L.; BOTIGLIERI, M. F. O neoliberalismo, o banco mundial e a educação: alguns apontamentos. Revista HISTEDBR on-line, Campinas, n. 57, p. 19-31, 2014. Disponível em: https://bityli.com/6hGdj. Acesso em: 09 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Economia. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico - OCDE. Cooperação Internacional, 2018. Disponível em: https://bityli.com/98yep. Acesso em: 06 maio 2020.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Banco Mundial. Diplomacia económica, comercial e financeira. Disponível em: https://bityli.com/ZIPg6. Acesso em: 06 nov. 2020a.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Fundo Monetário Internacional. Diplomacia económica, comercial e financeira. Disponível em: https://bityli.com/77eiQ. Acesso em: 06 nov. 2020b.

BRASIL. Presidência da República. Emenda Constitucional nº 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 dez. 2016. Disponível em: https://bityli.com/VfNUa. Acesso em: 16 out. 2020.

CRUZ, R. E. Banco mundial e política educacional: cooperação ou expansão dos interesses do capital internacional? Educar, Curitiba, n. 2. p. 51-75, 2003. Disponível em: https://bityli.com/SQLHw. Acesso em: 21 set. 2020.

FERREIRA, B. T. A ressignificação da teoria do capital humano diante da crise estrutural do capital. 2016. Disponível em: https://bityli.com/pG7fF. Acesso em: 06 nov. 2020.

FIGUEIREDO, I. M. Z. Os projetos financiados pelo banco mundial para o ensino fundamental no Brasil. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 109, p. 1123 -1138, 2009. Disponível em: https://bityli.com/hnwWp. Acesso em: 21 set. 2020.

FONSECA, P. C. D. Neoliberalismo ou ausência de projeto? O governo Collor e a impotência da cópia. Indicadores Econômicos, FEE, Análise conjuntural, Porto Alegre, v. 19, 1991. Disponível em: https://bityli.com/z7Pb2. Acesso em: 06 nov. 2020.

FRIEDMAN, M. Capitalism and freedom. Chicago: The University of Chicago, 1962.

FRIGOTTO, G. Os circuitos da história e o balanço da educação no Brasil na primeira década do século XXI. Revista brasileira de Educação, p. 235-254, 2011. Disponível em: https://bityli.com/1MkMb. Acesso em: 12 out. 2020.

LEHER, R. Um novo senhor da educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Revista Outubro, São Paulo, n. 1, p. 19-30, 1999. Disponível em: https://bityli.com/jatri. Acesso em: 13 mar. 2020.

MARTINS, M. C. Reflexos reformistas: o ensino das humanidades na ditadura militar brasileira e as formas duvidosas de esquecer. Educar em Revista, Curitiba, n. 51, p. 37-50, jan./mar. 2014. Disponível em: https://bityli.com/eviPV. Acesso em: 13 out. 2020.

MOURA, D. H. Algumas Possibilidades de organização do ensino médio a partir de uma base unitário: Trabalho, ciência. In: SEMINÁRIO NACIONAL: CURRÍCULO EM MOVIMENTO – PERSPECTIVAS ATUAIS, 1., 2010, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte, 2010. Disponível em: https://bityli.com/ceQMA. Acesso em: 09 nov. 2020.

PEREIRA, J. M. M. O Banco Mundial e a construção político-intelectual do “combate à pobreza”. Topoi, v. 11, p. 260-282, 2010. Disponível em: https://bityli.com/dvOfj. Acesso em: 19 mar. 2020.

SANTOS, M. A grande crise se instalou. In: BENJAMIN, C.; ELIAS, L (org.). Brasil: crise e destino. Entrevista com pensadores contemporâneos. São Paulo: Expressão Popular, 2000. p. 21-34.

SAVIANI, D. Sobre a Natureza e Especificidade da Educação. Revista Germinal: marxismo e educação em debate, Salvador, v. 7, n. 1, p. 286–293, 2015. Disponível em: https://bityli.com/9xsui. Acesso em: 16 nov. 2020.

SUNKEL, O. Globalização, neoliberalismo e a reforma do Estado. In: BRESSER, P. L. C.; WILHEIM, J.; SOLA, L. (org.). Estado em transformação. Brasília: ENAP: Sociedade e São Paulo: Editora Unesp, 1999. p. 173-196.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.