Banner Portal
A escola inteira ensina
PDF

Palavras-chave

Forma escolar
Relações sociais
Pedagogia socialista
Teoria marxista da educação

Como Citar

DALMAGRO, Sandra Luciana. A escola inteira ensina: relações sociais na forma escolar. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023048, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8669293. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8669293. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

O artigo retoma o debate sobre a forma escolar, afirmando que esta educa sobretudo pelas relações sociais que desenvolve. Entendemos que a forma escolar materializa conteúdos de formação, de modo que a escola inteira ensina para as relações sociais de produção. Compreende que a forma escolar hegemônica é burguesa dado o isomorfismo com as relações próprias da sociedade capitalista, seu modelo é a empresa e se destaca a redução da atividade dos estudantes a uma expressão do trabalho abstrato, simples e alienado. Como contraponto, assinalamos as experiências na Rússia socialista e contemporaneamente no Movimento Sem Terra - MST, as quais nos permitem identificar outra forma escolar, tendo como pressuposto a coletividade.  As análises sobre as relações sociais na escola são articuladas com a teoria marxista da educação e com a pedagogia soviética, as quais oferecem sustentação teórica ao artigo, tendo por base estudos e pesquisas desenvolvidos pela autora. Os autores de referência são Enguita, Freitas, Dardot e Laval, Vigotski, Davidov, Pistrak, Shulgin e Suchodolski.

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8669293
PDF

Referências

BARATA-MOURA, J. A. Materialismo e subjetividade. Estudos em torno de Marx. Lisboa: Avante!, 1998.

BARATA-MOURA, J. A. Ontologia e Política. Estudos em torno de Marx II. Lisboa: Avante!, 2016.

BARATA-MOURA, J. A. Totalidade e contradição acerca da dialética. 2. ed. Lisboa: Avante!, 2012.

BAUDELOT, C.; ESTABLET, R. L´école capitaliste em France. Paris: François Maspero, 1971.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Tradução de Bruno Magne. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

CHARLOT, B. A mistificação pedagógica: realidades sociais e processo ideológicos na teoria da educação. Tradução de Rutk Rissin Josef. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

CHEPTULIN, A. A dialética materialista. Categorias e leis da dialética. Tradução de Leda Rita Cintra Ferraz. São Paulo: Alfa Ômega, 2004.

COMENIUS, J. A. Didática Magna. 3. ed. Tradução Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

DALMAGRO, S. L. Conteúdo e forma escolar na perspectiva dos estudantes. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 40. n. 2, p. 2-21, abr./jun. 2022. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/67869/51386. Acesso em: 22 nov. 2023.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução de Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

DAVIDOV, L. La enseñanza escolar y el desarrollo psíquico. Investigación psicológica teórica y experimental. Traduzido do Russo por Marta Shuare. Moscu: Progresso, 1988.

ENGUITA, M. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

ENGUITA, M. Trabalho, escola e ideologia: Marx e a crítica da educação. Tradução de Ernani Rosa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

ESPERO tua (re)volta. Direção de Elisa Capai. São Paulo: TVa2, 2019. Documentário. (93 min). Disponível em: http://www.taturanamobi.com.br/film/espero-tua-re-volta. Acesso em: 13 ago. 2020.

FIGUEIRA, P. A. A educação de um ponto de vista histórico. INTERMEIO, Campo Grande, v. 1, n. 1, 1985.

FREITAS, L. C. A luta por uma pedagogia do meio: revisitando o conceito. In: PISTRAK, M. M. (org.). A escola-comuna. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

FREITAS, L. C. Escolas aprisionadas em uma democracia aprisionada: anotações para uma resistência propositiva. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, v. 18, n. 4, p. 906-926, out./dez. 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8654333/19019. Acesso em: 22 nov. 2023.

FREITAS, L. C. Os empresários e a política educacional: como o proclamado direito à educação de qualidade é negado na prática pelos reformadores empresariais, Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 6, n. 1, p. 48-59, jun. 2014a. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/12594/8857. Acesso em: 22 nov. 2023.

FREITAS, L. C. Os reformadores empresarias da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógica na escola. Educação e Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, out./dez. 2014b. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/xm7bSyCfyKm64zWGNbdy4Gx/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 22 nov. 2023.

ILIENKOV, E. V. Nossas escolas devem ensinar a pensar. Journal of Russian and East European Psychology, v. 45, n. 4, p. 9-49, jul./ago. 2007.

KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria e conhecimento. Tradução de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

KRUPSKAYA, N. K. Prefácio da edição russa. In: PISTRAK (org.). A escola comuna. Tradução de Natalya Pavlova e Luiz Carlos de Freitas. São Paulo: Expressão Popular, 2009. p. 105-109.

LAVAL. C. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. Tradução de Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2019.

LÉNINE. V. I. As tarefas das uniões da juventude. Discurso no III de Toda a Rússia da União Comunista da Juventude da Rússia. 2 out. 1920. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/lenin/1920/10/02.htm. Acesso em: 23 maio 2022.

LEONTIEV, A. N. Actividad, consciencia, personalidad. Havana: Pueblo y Educación, 1983.

MAKARENKO, A. Poema pedagógico. Tradução de Tatiana Belinky. São Paulo: Brasiliense, 2017.

MAKARENKO, A. S. La colectividad y la educación de la personalidad. Traduzido do Russo por Castul Pérez. Progresso: Moscú, 1977.

MAKARENKO, A. S. Problemas da educação escolar. Moscou: Progresso, 1982.

MANACORDA, M. A. História da educação: da antiguidade aos nossos dias. Tradução de Gaetano Lo Monaco. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 2000.

MARX, K. O Capital: Crítica da economia política, 2. ed. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2017. Livro I.

MARX, K. Teses sobre Feuerbach. In: MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. Tradução de Luis Claudio de Castro e Costa. São Paulo: Martins Fontes, 1989b.

MARX. K. Capítulo VI inédito de O Capital: resultados do processo de produção imediata. São Paulo: Moraes, 1989a.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. Tradução de Isa Tavares. São Paulo: Boitempo Editorial, 2005.

MST. Dossiê MST escola: documentos de estudos 1990-2001. Caderno de Educação n. 13. Edição Especial. São Paulo, 2005.

PISTRAK, M. M. (org.). A escola-comuna. Tradução de Luiz Carlos de Freitas e Alexandra Marenich. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

PISTRAK, M. M. Fundamentos da escola do trabalho. Tradução de Luiz Carlos de Freitas. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

RUGIU, A. S. Nostalgia do mestre artesão. Tradução de Maria de Lourdes Tombaschia Menon. Campinas: Autores Associados, 1998.

SHULGIN, V. Rumo ao politecnismo. Tradução de Alexey Lazarev e Luiz Carlos de Freitas. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SUCHODOLSKI, B. Teoria marxista da educação. Tradução de Francisco Paiva Boleo. Lisboa: Estampa, 1976. Volume 3.

VICENT, G.; LAHIRE, B.; THIN, D. Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 33, p. 5-47, jun. 2001.

VIGOTSKI, L. S. 7 aulas de L. S. Vigotski sobre os fundamentos da pedologia. Organização e Tradução: Zoia Prestes e Elizabeth Tunes. Rio de Janeiro: E-papers, 2018.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. 2. ed. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Sandra Dalmagro

Downloads

Não há dados estatísticos.