“Mas que temos nós com isso”?

Roteiros antropofágicos na coluna “Feira das quintas”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v4i2.4556

Palavras-chave:

Antropofagia. Oswald de Andrade. Modernismo no Brasil. Crítica de Arte. História da Arte.

Resumo

Entre 1926 e 1927, anos que antecederam a publicação do Manifesto Antropófago, Oswald de Andrade manteve uma coluna semanal no Jornal do Commercio, edição São Paulo, publicada sempre às quintas-feiras com o título “Feira das quintas”. Os textos geralmente abordavam fatos ou temas do momento, muitas vezes incluindo, em uma mesma coluna, discussões sobre tópicos diversos, como se a leitura fosse análoga a uma caminhada por diferentes barracas em uma feira. Os tópicos incluíam desde a programação cultural da capital paulista, passando por comentários a respeito de obras públicas, pelo falecimento de astros de Hollywood, por polêmicas acirradas contra os líderes do Movimento Verde-Amarelo (Menotti del Picchia, Plínio Salgado e Cassiano Ricardo), entre outros. Quanto ao gênero, os textos são híbridos entre crônicas e contos, alguns contendo diálogos ficcionais em meio a discussões sobre fatos da semana, outros inteiramente dedicados à narrativa ficcional. Tratava-se de um espaço de experimentação, que o escritor utilizou para elaborar ideias e operações intelectuais que, mais tarde, o Manifesto Antropófago retomaria. Este artigo discute alguns fragmentos de três colunas “Feira das quintas”, cruzando-os com trechos do manifesto, com interesse específico no modo como Oswald de Andrade critica o gosto estético de seus contemporâneos e põe em relação o passado artístico e arquitetônico colonial do Brasil com alguns grandes monumentos da civilização ocidental. A hipótese lançada aqui é que o modo como o escritor trabalha essas duas questões já aponta para a urgência, fundamental para o projeto antropofágico, em reposicionar a imaginação histórica e artística brasileira contra modelos de pensamento eurocêntricos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Gil de Oliveira Virava, Universidade de São Paulo; Fundação Bienal de São Paulo

Mestre e Doutor em Artes Visuais pela Universidade de São Paulo. Coordenador de Pesquisa e Difusão da Fundação Bienal de São Paulo.

Referências

AMARAL, A. Tarsila: sua obra e seu tempo. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Ed. 34; Edusp, 2003[2010].

ANDRADE, O. de. Notas de Arte. A Exposição Carlos Chambelland. Jornal do Commercio, São Paulo, 10 dez. 1917.

______. Pequena tabuada do espírito contemporâneo. Correio Paulistano, São Paulo, 24 mai. 1923. Disponível em: <http://hemerotecadigital.bn.gov.br/>. Acesso em: 1 mar. 2018.

______. Ambientes intelectuais de Paris - II. Correio Paulistano, São Paulo, 12 de abril de 1924. Disponível em: <http://hemerotecadigital.bn.gov.br/>. Acesso em: 1 mar. 2018.

______. Feira das quintas - Diálogo sobre Atenas precedido de um comentário à economia brasileira – O Dr. Plínio Barreto, o voto secreto e as elites negativas – Fixação nacional. Jornal do Commercio, São Paulo, 16 setembro 1926.

______. Feira das quintas - Homenagem a São Francisco. Jornal do Commercio, São Paulo, 7 outubro 1926.

______. Feira das quintas - Panatrope. Jornal do Commercio, São Paulo, 10 março 1927.

______. A propósito de Sousa Lima. Correio Paulistano, São Paulo, 27 janeiro 1928.

______. Embaixada artística: Minas histórica através da visão de um esteta moderno [fev. 1924]. In: Os Dentes do Dragão: entrevistas. Organização, introdução e notas Maria Eugenia Boaventura. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Globo, 2009. (Obras Completas de Oswald de Andrade).

_______. Manifesto da Poesia Pau Brasil [1924]. In: A utopia antropofágica. 4. ed. São Paulo: Globo, 2011a. (Obras Completas de Oswald de Andrade).

_______. Manifesto Antropófago [1928]. In: A utopia antropofágica. 4. ed. São Paulo: Globo, 2011b. (Obras Completas de Oswald de Andrade).

AZEVEDO, B. Antropofagia. Palimpsesto selvagem. São Paulo: Cosac Naify, 2016.

BARY, L. Cannibalist Manifesto. Latin American Literary Review, v. 19, n. 38, pp. 35-37, jul-dez., 1991.

BOAVENTURA, M. E. O salão e a selva: uma biografia ilustrada de Oswald de Andrade. Campinas, SP: Editora da UNICAMP; São Paulo: Editora Ex Libris, 1995.

______. (org.). 22 por 22: A Semana de Arte Moderna vista pelos seus contemporâneos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: 2000.

EXPOSIÇÃO de Tarsila do Amaral no Palace Hotel, do Rio de Janeiro, foi a primeira grande batalha da Antropofagia. Revista de Antropofagia, São Paulo, 2a dentição, n. 16, 1 agosto 1929. In: PUNTONI, P.; TITAN JR., S. (orgs.). Revista de Antropofagia - Revistas do Modernismo 1922-1929 - edição fac-similar. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, 2014.

LAKY, Lilian de Angelo. Olímpia e os olimpieia: a origem e difusão do culto de Zeus Olímpio na Grécia dos séculos VI e V a. C. São Paulo: MAE USP, 2013. (Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. Suplemento, n. 16).

RAMIREZ, K. N.; LINDENBERG NETO, H. De igreja de taipa a Catedral: aspectos históricos e arquitetônicos da igreja matriz da cidade de São Paulo. PÓS. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, São Paulo, v. 21, n. 35, pp. 186-199, jun. 2014.

RIBEIRO, F. Uma descoberta sensacional. Correio Paulistano, São Paulo, 3 set. 1926.

SILVER, K. E. Esprit de Corps. The Art of the Parisian Avant-Garde and the First World War, 1914-1925. Princeton: Princeton University Press, 1989.

Downloads

Publicado

2020-05-22

Como Citar

GIL DE OLIVEIRA VIRAVA, T. “Mas que temos nós com isso”? : Roteiros antropofágicos na coluna “Feira das quintas”. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 196–206, 2020. DOI: 10.24978/mod.v4i2.4556. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662842. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê - A arte antiga no tempo presente