A pregnância da forma

Autores

  • Juliana Coelho Gontijo Universidade Federal do Sul da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i1.4110

Palavras-chave:

Bienal de São Paulo, afetividade, experiência, curadoria.

Resumo

O artigo desenvolve uma reflexão sobre a curadoria da 33ª Bienal de São Paulo a partir de duas exposições individuais ali apresentadas: a do artista guatemalteco Aníbal López e a do paraguaio Feliciano Centurión. O objetivo da autora é pensar como são estabelecidas as relações de afeto e proximidade entre obras e espectadores numa bienal pautada por um discurso sobre a dimensão sensível da forma. Na dimensão teórica proposta por Mário Pedrosa, um dos referentes do partido curatorial dessa bienal, a forma pode veicular e conduzir afetos, criar redes ou desestabilizar as dimensões da realidade experimentada para abrir novos mundos. Este artigo pensa, portanto, a partir da vivência pessoal do espaço expositivo, as afinidades afetivas que a curadoria traduz no Pavilhão do Ibirapuera.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Coelho Gontijo, Universidade Federal do Sul da Bahia

Professora adjunta da Universidade Federal do Sul da Bahia e curadora independente. Autora do livro Distopias tecnológicas (Ed. Circuito, 2014, Prêmio Funarte Bolsa de Estímulo à Produção Crítica). É editora de Ediciones Portunhol, projeto de publicações independentes com artistas e autores latino-americanos, lançado em 2017 pela Casa Tomada. Entre as curadorias realizadas, destacam-se Dura lex sed lex, selecionada para integrar a BienalSur (Centro Cultural Parque de España, Rosario, Argentina, 2017), Território, Povoação (em colaboração com Gabriel Bogossian, Premio C.LAB, Blau Projects, São Paulo, 2016), ALTERMÁQUINA (Instituto Di Tella, Buenos Aires, 2015) e Instabilidade estável (Prêmio Temporada de Projetos, Paço das Artes, São Paulo, 2014).

Referências

ALONSO, Rodrigo. Crónicas en Technicolor: pop, euforia y nostalgia en el arte argentino. In: Inoxidable Neopop [catálogo]. Santiago de Chile, 2006.

ANAYA, Jorge López. El absurdo y la ficción en una notable muestra. Diario La Nación, Buenos Aires, 1 ago. 1992.

ARANTES, Otília Beatriz Fiori. Mário Pedrosa: itinerário crítico. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

BARONE, María Inés. La figura de Gumier Maier como curador: El Tao del Arte. Revista Caiana, #10, p. 167-178, primeiro semestre 2017.

CENTURIÓN, Feliciano. Mundo feminino. Áudio 33bienal. Disponível em: <http://33.bienal.org.br/pt/audioguia-detalhe/5367>. Acesso em: 17 dez. 2018.

DUSHÁ, Germano. 33ª Bienal de São Paulo, Brasil. Revista Terremoto, 22 set. 2018. Disponível em: <https://terremoto.mx/33a-bienal-de-sao-paulo-brasil/>. Acesso em: 17 dez. 2018.

ESCALÓN, Sebastián. El artista que contrató a un sicario. Plaza Pública, 24 out. 2014. Disponível em: <https://www.plazapublica.com.gt/content/el-artista-que-contrato-un-sicario>. Acesso em: 17 dez. 2018.

LÓPES, Aníbal. El préstamo. Áudio 33bienal. Disponível em: <https://soundcloud.com/bienal/anibal-lopez-el-prestamo-the-loan>. Acesso em: 17 dez. 2018.

RESTANY, Pierre. Arte guarango para la Argentina de Menem. Lápiz: Revista internacional del arte, Madrid, n. 116, p. 50-55, nov. 1995,.

ROSA, María Laura. Un territorio dislocado. Ramona, Buenos Aires, n. 87, p. 31-34, dez. 2008,.

Downloads

Publicado

2019-01-18

Como Citar

GONTIJO, J. C. A pregnância da forma. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 268–279, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i1.4110. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662926. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Ex-posições/33ª Bienal de São Paulo