Do artista-curador à (não) curadoria

Dilemas da 33ª Bienal de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i1.4087

Palavras-chave:

Bienal de São Paulo, curadoria, crítica, história das exposições, expografia, montagem.

Resumo

O artigo desenvolve uma reflexão a partir de um problema observado na curadoria da 33ª Bienal de São Paulo: o fato de ter evitado uma intervenção curatorial e, assim, ter deixado de articular as diferentes exposições por meio de uma montagem expográfica que explorasse o conjunto, resultou em mostras isoladas sem esforço de conexão. Para o autor, se por um lado essa retirada buscava liberar as obras do aprisionamento temático, por outro lado foi uma forma de simplificar questões complexas. Tendo em conta o papel constitutivo da curadoria na articulação das obras à sua condição experencial e expositiva, e situando-se no debate do campo relacional entre curadoria e crítica, o artigo coloca em discussão questões referentes à pretensa e deliberada neutralização da função curatorial nesta Bienal. O argumento do autor é que o gesto curatorial não deve ser evitado, mas assumido como um risco necessário e um agenciamento decisivo na construção das exposições e da história da arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Camillo Osorio, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Professor do Departamento de Filosofia da PUC-Rio, Pesquisador do CNPq, Curador do Instituto PIPA. Foi curador do MAM-Rio (2009-2015); curador do Pavilhão Brasileiro da 56ª Bienal de Veneza (2015); curador do 35º Panorama da Arte Brasileira no MAM-SP (2017). Assinou coluna de crítica de arte no jornal O Globo (1998-2000 e 2003-2006), Jornal do Brasil (2001) e da revista espanhola EXIT-Express (2006-2007).

Referências

HOLLIER, Denis. Valor de uso do impossível. In: BATAILLE, Georges. Documents. Florianópolis: Cultura e Barbárie, 2018.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Quando as imagens tomam posição. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017.

OITICICA, Hélio. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

PÉREZ-BARREIRO, Gabriel. Entrevista com o curador. O Estado de São Paulo, Guia Especial da 33ª Bienal, p. 5, 7 set. 2018.

VON HANTELMANN, Dorothea. The Curatorial Paradigm. In: The Exhibitionist. Journal of Exhibition Making, n. 4, p. 6-12, Berlin, June 2011.

VON HANTELMANN, Dorothea. The experiential turn. In: On performativity [ed. Elizabeth Carpenter]. Vol. 1, Living Collections Catalogue. Minneapolis: Walker Art Center, 2014, s/p. Disponível em: <http://walkerart.org/collections/publications/performativity/experiential-turn>. Acesso em: 6 dez. 2018.

Downloads

Publicado

2019-01-18

Como Citar

OSORIO, L. C. Do artista-curador à (não) curadoria : Dilemas da 33ª Bienal de São Paulo. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 235–249, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i1.4087. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662928. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Ex-posições/33ª Bienal de São Paulo