Museografia e História da Arte

A experiência de Jeanron no Louvre na República de 1848-1852

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i1.1297

Palavras-chave:

História da Arte, museografia, Museu do Louvre, Philippe-Auguste Jeanron.

Resumo

As práticas para a exposição da obra de arte na França do século XVIII até o período posterior à Revolução Francesa motivaram uma série de questionamentos e debates, provando que a questão do lugar da arte na sociedade havia se tornado alvo de interesse. Numa fase em que se configuram a afirmação da História da Arte enquanto disciplina acadêmica, a abertura das coleções régias e burguesas para o estabelecimento dos museus e o propósito de expor a obra de arte para o aprendizado da História da Arte, historiadores, artistas e arquitetos discutem quais seriam as estratégias mais adequadas para a exposição destas obras. Território ainda em formação, o museu é palco de experimentação para a museografia, onde não falta a ingerência de critérios ideológicos. O presente artigo procura refletir sobre o desenvolvimento da museografia e das linguagens da exposição que tiveram lugar a princípio em coleções de galerias do norte da Europa e no Museu do Louvre, destacando a experiência de Philippe-Auguste Jeanron, diretor da instituição na revolucionária Segunda República. Artista e ativista republicano, Jeanron colocou em prática seus ideais, direcionando a museografia para uma narrativa de cunho didático, estabelecendo as bases de criação do museu de arte como o lugar para o público que o visita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Teresa Silveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda em Artes Visuais no PPGAV EBA UFRJ. Mestre em Museologia e Patrimônio na UNIRIO/MAST, Especialista em História da Arte e Arquitetura no Brasil PUC-Rio, graduada pela Escola de Comunicações e Artes da USP.

Referências

BLAKE, Nigel; FRASCINA, Francis. As práticas modernas da arte e da modernidade. In: Modernidade e modernismo: pintura francesa no século XIX. São Paulo: Cosac Naify, 1998.

CHIARELLI, Tadeu. Apresentação. In: RAMOS, Alexandre Dias. O ofício de curador. Porto Alegre: Editora Zouk, 2010.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade, 2006.

DESVALÉES, André; MAIRESSE, François. Conceitos chave de museologia. São Paulo: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus: Secretaria de Estado da Cultura do Rio de Janeiro/FUNARJ, 2014.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2013.

GEORGEL, Chantal. O colecionador e o museu, ou como mudar a História da Arte. Revista Museologia e Interdisciplinaridade, v.3, n. 6, março/abril 2015, p.277-286.

GAYA NUÑO, Juan Antonio. Museo del Louvre. Madrid: Aguilar Ediciones, 1979.

GONÇALVES, Lisbeth Rebollo. Entre cenografias: o museu e a exposição de arte no século XX. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo/Fapesp, 2004.

MANSFIELD, Elizabeth. Introduction. In: MANSFIELD, E. Art and its institutions – the nineteenth century. London: Routledge, 2002.

McCLELLAN, Andrew. Reinventing the Louvre: art, politics, and the origins of the modern museum in eighteenth-century Paris. California: University of California Press, 1994.

PEREIRA, Sonia Gomes. Historiografia da arte e discussão da arte brasileira. In: PEREIRA, S. G. (org). Arte, ensino e academia: estudos e ensaios sobre a Academia de Belas Artes do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Mauad/Faperj, 2016, p. 71-109.

PRETTI, Monica. Napoléon et l’idée de musée universel. In: CAVALCANTI, Ana; MALTA, Marize; PEREIRA, Sonia Gomes (orgs.). V Seminário do Museu Dom João VI. Coleções de Arte: formação, exibição e ensino. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em:<https://joaosextoseminario.files.wordpress.com/2015/05/napolc3a9on-et-l_idc3a9e-de-musc3a9e-universel-monica-preti.pdf >. Acesso em 23 set. 2017.

POULOT, Dominique. Museu e museologia. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2013.

RAMIREZ, Juan Antonio. Medios de masa e historia del arte. Madrid: Ediciones Catedra, 1976.

RAMPLEY, Matthey. The Vienna School of art history: empire and the politics of scholarship, 1847-1918. Pensilvanya: The Pensylvania State Press, 2013.

ROOB, Alexander. Against Daumier: a revision of early french caricature and social graphics. Melton Prior Institute, maio 2010. Disponível em: <http://meltonpriorinstitut.org/pages/textarchive.php5?view=text&ID=74&language=English>. Acesso 19 jul. 2017.

WEISBERG, Gabriel P. Using art history: the Louvre and its public persona, 1848-1852. In: MANSFIELD, E. Art and its institutions – the nineteenth century. London: Routledge, 2002.

WEISBERG, Gabriel P. Early Realism. In: Art of the July Monarchy: France, 1848-1848. University of Missouri, 1989, p. 101-115.

Downloads

Publicado

2019-01-18

Como Citar

SILVEIRA, M. T. Museografia e História da Arte: A experiência de Jeanron no Louvre na República de 1848-1852. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 1, p. 26–42, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i1.1297. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662939. Acesso em: 1 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Colaborações