Do fazer até ao pensar e vice-versa

Um percurso no trabalho artístico de Sofia de Medeiros

Autores

  • Vanessa Badagliacca Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i3.4227

Palavras-chave:

Arte contemporânea. Artesanato. Tradição. Religião. Trabalho feminino. Materialidade.

Resumo

O texto apresenta a exposição O Fio Invisível. O Popular e o Divino no Imaginário de Sofia de Medeiros, patente no Museu de Arte Popular de Lisboa entre 7 de março e 30 de junho de 2019. O percurso artístico que Sofia de Medeiros tem vindo a desenvolver desde os anos 1990 conjuga uma forte componente de investigação etnográfica, da qual revela ser profunda conhecedora, e uma experiência vivida deste património de tradições culturais em diálogo com a sua prática artística que lhes dá forma. Inspirada no saber fazer e habilidades manuais oriundas do artesanato, o trabalho da artista açoriana torna inseparáveis o pensamento e a reflexão teórica das manualidades e habilidades técnicas. A artista procura tecer relações entre a arte contemporânea e a arte popular. Apresentando alguns trabalhos realizados entre 2012 e 2017 e um novo e maior conjunto de obras inéditas expressamente concebidas para três salas do Museu de Arte Popular (Sala do Minho, Sala de Trás-os-Montes e Sala dos Pórticos), a exposição propõe criar um diálogo com alguns documentos históricos, como fotografias, desenhos e objetos que pertencem às coleções tanto deste museu como também do Museu Nacional de Etnologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Badagliacca, Universidade de Lisboa

Vanessa Badagliacca (Itália/Portugal) concluiu o seu doutoramento em história da arte na Universidade Nova de Lisboa, com uma tese intitulada Organic Materiality in the 20th Century Art. Plants and Animals (Human and Non-Human) from Representation to Materialization (2016). É autora de artigos publicados em revistas internacionais e mais recentemente contribuiu com um capítulo titulado “Transit-itional belongings. War, Migration and Displacement in Adrian Paci’s Work”, para o volume Migrações. Processo migratórios e práticas artísticas em tempo de guerra: do século XX a actualidade; publicação monográfica do Centro de Investigação e e de Estudos em Belas-Artes da Universidade de Lisboa, editada por Cristina Prata Cruzeiro. É curadora da exposição apresentada no texto submetido para Modos. É investigadora no CIEBA, Centro de Investigação e Estudos em Belas-Artes da Universidade de Lisboa.

Referências

BALDI, V. Os rituais são sempre contemporaneos: uma espistemologia do implícito, Ateliê Geográfico, n. 5, 2011, p. 1-16. Disponível em: ˂https://www.revistas.ufg.br/atelie/article/view/13722/8790˃. Acesso em: abr. 2019.

FOSTER, H. The Return of the Real. Cambridge MA: The MIT Press, 1996.

HERKENHOFF, P. Needles. In: HARROD, T. (Ed.), Craft. Documents of Contemporary Art. Cambridge – Massachusetts, London: The MIT Press, 2018.

LAMONI, G. As Outras, texto da exposição de Sofia de Medeiros. Galeria Arco 8, 26 de maio a 30 de junho, 2012.

LEAL, J. As Festas do Espírito Santo nos Açores. Um Estudo de Antropologia Social, Lisboa: Dom Quixote, 1994.

LEHMANN, U. Making as Knowing: Epistemology and Technique in Craft. The Journal of Modern Craft, 5: 2, 2012, p. 149-164. Disponível em: DOI: 10.2752/174967812X13346796877950. Acesso em: 26 abr. 2019.

LIMA, R. L.; ANDRADE, A. Artesanato dos Açores. Ponta Delgada: Centro Regional de Apoio ao Artesanato, 2009.

Downloads

Publicado

2019-10-12

Como Citar

BADAGLIACCA, V. Do fazer até ao pensar e vice-versa: Um percurso no trabalho artístico de Sofia de Medeiros. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 3, p. 266–274, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i3.4227. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8663191. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

Ex-posições / Resenhas