Uma dupla exclusão

Judith Lauand e Jandyra Waters, entre concretismos, misticismos e possíveis feminismos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v5i1.8663977

Palavras-chave:

Arte concreta, Concretismo, Mulheres artistas, Misticismo, Feminismo

Resumo

As narrativas já institucionalizadas sobre o movimento concretista no Brasil e suas reverberações abrangem referências internacionais para os artistas integrantes do movimento, e os conflitos de hegemonia cultural entre os dois polos econômicos do país na época: Rio de Janeiro e São Paulo. A considerável produção analítica sobre o período e seus agentes tem sido uma das mais férteis dentro da historiografia da arte brasileira, abarcando críticos, manifestos, obras, artistas e locais de circulação – e no entanto, apenas recentemente alguns pesquisadores e curadores têm apontado o caráter machista de alguns membros dos grupos, e as dificuldade de consolidação profissional das artistas mulheres que participavam dos projetos e reuniões. Nesse sentido, Judith Lauand, a única artista mulher a participar oficialmente do grupo Ruptura em São Paulo, é caso emblemático dos movimentos de revisionismo histórico feminista, mas junto a ela temos também Jandyra Waters ocupando um lugar ainda frágil no sistema, sem o devido cotejamento.  Ainda que essas duas artistas tenham tido uma circulação considerável no meio artístico brasileiro, sua recepção crítica e inserção histórica não é a mesma de seus pares masculino, portanto, são casos que precisam ser revisitados a fim de esgarçar a malha historiográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Trizoli, Universidade de São Paulo

Pós-doutoranda no Instituto de Estudos Brasileiros pela Universidade de São Paulo.

Referências

ALBERRO, A. Abstraction in reverse: the reconfigured spectator in midtwentieth-century Latin American art. Chicago: The University of Chicago Press, 2017.

AMARAL, A. Projeto Construtivo Brasileiro na Arte. Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 1977.

BELLUZZO, A. M. Ruptura e arte concreta. In: AMARAL, Aracy (Org.). Arte Construtiva no Brasil - Coleção Adolpho Leirner. São Paulo: Melhoramentos: DBA Artes Gráficas, 1998.

BRITO, R. Neoconcretismo: Vértice e Ruptura do projeto construtivo brasileiro. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1985.

CHAJES, J. Blavatsky and the Lives Sciences. Aries – Journal for the Study of Western Esotericism, n.18, 2018.

COCCHIARALE, F.; GEIGER, A. B. Abstracionismo Geométrico e Informal. A vanguarda brasileira nos anos cinqüenta. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1987.

CORDEIRO, A. Waldemar Cordeiro: fantasia. Tradução John Norman; Marisa Shirasuna; Izabel Burbridge. São Paulo: Itaú Cultural, 2014.

CORDEIRO, A. Teoria e Prática do Concretismo Carioca. In: AD Arquitetura e Decoração, mar.-abr. 1957.

EDELMAN, A.; DRISCOLL, J. (Orgs.) Judith Lauand. Brazilian Modernist, 1950-2000s. New York: Driscoll: Babcock Galleries, 2014.

EDELMAN, A.; DRISCOLL, J. (Orgs.). Judith Lauand: Brazilian Concrete Abstractions. New York: Driscoll: Babcock Galleries, 2017.

ESPADA, H. O debate em torno da Primeira Exposição Nacional de Arte Concreta (1956–1957). In: ANNUAL CONFERENCE OF THE PROJECT, 4., 2007, Buenos Aires. ICAA Documents Project Working Papers. Houston: International Center for the Arts of the Americas, 2007, v. 1, p. 4-9.

FIORAVANTE, C. Judith Lauand Experiências. Museu de Arte Moderna de São Paulo, 2011.

GARCIA, M. A. Abstracción entre Argentina y Brasil. Inscripción regional e interconexiones del Arte Concreto (1944-1960). Tese (Doutorado em Artes) – Facultad de Filosofía y Letras, Universidad de Buenos Aires, 2008.

GARCIA, M. A. El arte abstracto: intercambios culturales entre Argentina y Brasil. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2011.

GUILBAULT, S. Respingos na parada modernista: a invasão fracassada da arte abstrata no Brasil, 1947-1948. In: ARS, São Paulo, vol. 9, n. 18, p.148-173, 2011.

GULLAR, F.; CASTRO, A. de; WEISSMANN, F.; CLARK, L.; PAPE, L.; JARDIM, R.; SPANUDIS, T. Manifesto Neoconcreto, Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 4-5, 22 mar. 1959.

PAPE, L.; JARDIM, R.; SPANUDIS, T. Tentativa de Compreensão. Suplemento Dominical do Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 28 nov. 1959.

HENDERSON, L. D. The Fourth Dimension and Non-Euclidean Geometry in Modern Art: Conclusion. Leonardo, vol. 17, n. 3 , p.205-210, 1984.

HERKENHOFF, P. Judith Lauand. Obras de 1954-1960. São Paulo: Sylvio Nery da Fonseca Escritório de Arte,1996.

H. P. BLAVATSKY Theosophist. October, 1879. Disponível em: https://blavatsky.net/index.php/what-is-theosophy. Acesso em: 12 jul. 2020.

JAFFÉ, Hans C. De Stijl 1917-1931. The Dutch Contribution to Modern Art. Amsterdam: J. M. Meuhemhoff, 1956.

KERN, M. L. B. Um artista entre Europa e Novo Mundo: Joaquín Torres-García. Estudos Ibero-Americanos, PUCRS, v. 38, supl., p. 150-159, nov. 2012.

MAGALHÃES, A. G. A disputa pela arte abstrata no Brasil: revisitando o acervo inicial do Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1946-1952. Resgate - Rev. Interdiscip. Cult., Campinas, v. 25, n. 1 [33], p. 7-28, jan.-jun. 2017.

MATTAR, D. Jandyra Waters. Ritmo do tempo. São Paulo Almeida e Dale Galeria, 2015.

MOLINA, C. Judith Lauand: as ousadias e delicadezas de uma concretista. Estadão, São Paulo, 01 ago. 2007. Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,judith-lauand-as-ousadias-e-delicadezas-de-uma-concretista,28221. Acesso em: 27 set. de2020.

MORAES, Marcos. Jandyra Waters. São Paulo: Galeria Sancovsky, 2018.

NUNES, F. V. Waldemar Cordeiro: da arte concreta ao “popcreto”. Dissertação (Mestrado em História) – IFHC-UNICAMP, 2004.

PEDROSA, M. Forma e percepção estética. São Paulo: EDUSP, 1996.

PEDROSA, M. Acadêmicos e Modernos. São Paulo: EDUSP, 1998.

PEDROSA, M. Artes Visuais. Pintura brasileira e moda internacional (1959). Disponível em: Documents of 20th-century Latin American and Latino Art. A digital archive and publications project at the Museum of Fine Arts, Houston. Acesso em: 20 mar. 2015.

PENNICK, N. Geometria Sagrada. Simbolismo e intenção nas estruturas religiosas. Tradução de Alberto Feltre. São Paulo: Editora Pensamento, 1980.

PUCU, I.; MEDEIROS, J. (Orgs.) Roberto Pontual. Obra Crítica. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2013.

PINSKY, C. B. Mulheres dos anos dourados. São Paulo: Editora Contexto, 2014.

RINGBOM, S. Art in 'The Epoch of the Great Spiritual': Occult Elements in the Early Theory of Abstract Painting. Journal of the Warburg and Courtauld Institutes, vol. 29, p. 386-418, 1966.

SPANUDIS, T. Arte Transcendente. São Paulo: Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1981.

TORRES-GARCÍA, J. Universalismo Constructivo. Contribucion a la unificacion del arte y la cultura em américa. Buenos Aires: Colecion Aristarco Editorial Pseidon, 2000.

TOSO, A. Retrato da artista Judith Lauand. Disponível em: www.revistabravo.com.br. Acesso em: março de 2011.

VARELA, E. C. Arte concreta além da Europa. Brasil, Argentina e MAM-RIO. Rio de Janeiro: Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 2017.

WATERS, J. Pedras Nuas. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1974.

WATERS, J. Desvendador. São Paulo: DAG, 1977.

WATERS, J. Ritmo do tempo. São Paulo: Scortecci Editora, 2001.

ZAGO, A. Doação ao MAC enriquece acervo da pintura brasileira. Suplemento Cultural do Jornal O Estado de São Paulo, São Paulo, 06 jan. 1980.

Downloads

Publicado

2021-02-08

Como Citar

TRIZOLI, T. Uma dupla exclusão: Judith Lauand e Jandyra Waters, entre concretismos, misticismos e possíveis feminismos. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 5, n. 1, p. 231–248, 2021. DOI: 10.20396/modos.v5i1.8663977. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8663977. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Arte abstrata no Brasil: novas perspectivas