Apresentação - Arte abstrata no Brasil

novas perspectivas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v5i1.8664173

Palavras-chave:

Arte no Brasil, Arte abstrata, Artistas mulheres, Arte e política

Resumo

Apresentamos a seguir alguns elementos que orientaram tanto a formulação da chamada para este dossiê sobre arte abstrata no Brasil, quanto nossas primeiras reflexões sobre os artigos dos autores convidados e daqueles selecionados por via da chamada aberta. Nosso principal objetivo era o de ter um conjunto de artigos que trouxessem pesquisas e abordagens originais, enfocando aspectos ainda não tratados pela historiografia no assunto. Neste sentido, as contribuições trouxeram à luz análises de obras e artistas mulheres ainda por serem devidamente consideradas, bem como casos inéditos fora do eixo Rio-São Paulo e na abordagem da abstração lírica no país – temas ainda largamente negligenciados pela historiografia consolidada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Gonçalves Magalhães, Universidade de São Paulo

Professora Livre-Docente em Pesquisa em Arte, Teoria e Crítica. Curadora e diretora do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC USP).

Adele Nelson, Universidade do Texas

Professora adjunta da história da arte e diretora associada do Centro de Estudos Visuais Latinoamericanos do Departamento de Arte e História da Arte da Universidade de Texas em Austin.

Referências

ALVAREZ, M. V.; FRANCO, A. M. Introduction, New Geographies of Abstract Art in Postwar Latin America. In: ALVAREZ, M. V.; FRANCO, A. M. (Eds.). London: Routledge, 2019, p. 1-7.

AMARAL, A. (Org.). Projeto construtivo brasileiro na arte (1950–1962). Rio de Janeiro: MAM Rio; São Paulo: Pinacoteca, 1977.

AMARAL, A. Arte para quê? A preocupação social na arte brasileira, 1930–1970. São Paulo: Nobel, 1984.

AMOR, M. Theories of the Nonobject: Argentina, Brazil, Venezuela, 1944-1969. Berkeley: University of California Press, 2016.

AVELAR, A. C. Controversies of a Juror: Alfred Barr at the 4th São Paulo Bienal. Third Text, 26, n. 1, p. 29-39, jan. 2012, Disponível em: 10.1080/09528822.2012.641220.

BRITO, R. Neoconcretismo. Malasartes 3, p. 9–13, abr./jun. 1976.

BRITO, R. Neoconcretismo: vértice e ruptura do projeto construtivo brasileiro. Rio: Funarte, 1985.

CABAÑAS, K. If the Grid Is the New Palm Tree of Latin American Art. Oxford Art Journal 33, n. 3, p. 365–83, 2010.

CASTRO, G. M. A imigração no Brasil. Campo Grande: Life Editora, 2012.

COCCHIARALE, F.; GEIGER, A. B. (Eds.) Abstracionismo geométrico e informal: a vanguarda brasileira nos anos cinqüenta. Rio de Janeiro: Funarte, 1987.

FABRIS, A. A travessia da arte moderna. In: História e(m) movimento: atas do Seminário MAM 60 Anos. São Paulo: MAM, 2008a.

FABRIS, A. Um ‘fogo de palha aceso': considerações sobre o primeiro momento do Museu de Arte Moderna de São Paulo. In: FABRIS, A.; OSORIO, L.C. (Eds.). MAM 60, 2008b, p. 14-89.

FISCHER, B. Citizenship and Inequality in Twentieth-Century Rio de Janeiro. Palo Alto, CA: Stanford University Press, 2008.

FREITAS, P. O grupo Santa Helena e o universo industrial paulista (1930-1970). Dissertação (Mestrado em História da Arte), IFCH/UNICAMP, 2011. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/281802.

GARCIA, M. A. Abstract Crossings: Cultural Exchange between Argentina and Brazil. Berkeley: University of California Press, 2019.

HOLSTON, J. Insurgent Citizenship: Disjunctions of Democracy and Modernity in Brazil. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2008.

LE BLANC, A. Incendiary Objects: An Episodic History of the Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro. In: GREET, M.; TARVER. G. M. (Eds.). Art Museums of Latin America: Structuring Representation. New York: Routledge, 2018.

MAGALHÃES, A. G. Classicismo moderno. Margherita Sarfatti e a pintura italiana no acervo do MAC USP. São Paulo: Editorial Alameda, 2016.

MAROJA, C. Vontade construtiva: Latin America’s Geometric Abstract Identity. In: ALVAREZ, M. V.; FRANCO, A.M. (Ed.). London: Routledge, 2019, p. 225–39.

MARTINS, I. Ruptura: brigam os artistas. Última Hora, São Paulo, 10 de dezembro de 1952. In: BANDEIRA, J. Arte concreta paulista: documentos. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

NELSON, A. Forming Abstraction: Art and Institutions in Postwar Brazil. Berkeley: University of California Press, 2022 (no prelo).

NEUBAUER, S. 1959-1968: Lygia Clark and the Brazilian Avant-garde. In: Germany and Switzerland, a Survey, Transnational Latin American Art: From 1950 to the Present. International Emerging Scholars Research Forum. The University of Texas at Austin, 2009.

PIGNATARI, D. A vingança de Aracy Pape (1977). In: FERREIRA, G. (Ed.) Crítica de arte no Brasil: temáticas contemporâneas. Rio de Janeiro: Funarte, 2006, p. 89–92.

SILVA, D. F. da. Toward a Global Idea of Race. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2007.

WEINSTEIN, B. The Color of Modernity: São Paulo and the Making of Race and Nation in Brazil. Durham, NC: Duke University Press, 2015.

ZILIO, C. A querela do Brasil: a questão da identidade da arte brasileira: a obra de Tarsila, Di Cavalcanti e Portinari, 1922–1945. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

Downloads

Publicado

2021-01-30

Como Citar

MAGALHÃES, A. G.; NELSON, A. Apresentação - Arte abstrata no Brasil: novas perspectivas. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 5, n. 1, p. 94–103, 2021. DOI: 10.20396/modos.v5i1.8664173. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8664173. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Arte abstrata no Brasil: novas perspectivas

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.