Este granito
PDF

Palavras-chave

Materialidade
Historiografia
História pública
Monumento às bandeiras
Modernismo

Como Citar

COSTA, Eduardo Augusto. Este granito : a materialidade como estratégia de revisão historiográfica . MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 6, n. 3, p. 274–298, 2022. DOI: 10.20396/modos.v6i3.8668695. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8668695. Acesso em: 16 abr. 2024.

Dados de financiamento

Resumo

Este artigo centra sua reflexão em torno do conceito de “materialidade”, compreendendo-o como estratégia singular para a revisão historiográfica, no âmbito da história da arte. Parte-se das críticas e dos debates contemporâneos relativos às remoções de monumentos públicos, onde se toma o Monumento às Bandeiras de Victor Brecheret como obra singular para se problematizar a questão. Neste sentido, revisita-se o debate público e suas estratégias de veiculação, para, assim, reconhecer que o granito - a matéria que conforma o monumento - pode ser lido como uma manifestação que carrega em si uma importante possibilidade de revisão historiográfica.

https://doi.org/10.20396/modos.v6i3.8668695
PDF

Referências

ANDRADE, R. M. F. de. As Artes Plásticas no Brasil, vol.1. Rio de Janeiro: Lagaroti, 1952.

ANDRADE, A. L. D. de. Um Estado Completo que pode jamais ter existido. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo), Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo,1993.

APPADURAI, A. A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, 2008.

BATISTA, M. R. Bandeiras de Brecheret: história de um monumento (1920-1953). São Paulo: Departamento do Patrimônio Histórico, 1985.

BEIGUELMAN, G.; MAGALHÃES, A. G. (Orgs.). Futuros possíveis: arte, museus e arquivos digitais. São Paulo: Peirópolis: Edusp, 2014.

BROOK, T. O chapéu de Vermeer: o século XVII e o começo do mundo globalizado. Rio de Janeiro: Record, 2012.

BROWN, B. Materiality. In: MITCHELL, W. J. T.; HANSEN, M. B. N. (eds.) Critical Terms for Media Studies. Chicago: The University of Chicago Press, 2010, p.49-63.

CARDOSO, R. When Decolonization Meets an Immovable Monument. ReVista Harvard Review of Latin America, New York, n.3, n.p., Spring/Summer, 2021. Para tanto, ver: https://revista.drclas.harvard.edu/when-decolonization-meets-an-immovable-monument/. Acesso em: 07 mar. 2022.

CHIARELLI, T. Monumento às Bandeiras, de Brecheret: o passado presente. ARTE!Brasileiros, São Paulo, 20 dez. 2021.

BARDI, P. M. História da Arte Brasileira. São Paulo: Melhoramentos, 1981.

CONDEPHAAT. Processo 23074 – Monumento às Bandeiras. São Paulo, 10.09.1984.

PESANDO 14 TONELADAS a pedra despencou causando morte horrível de um operário. Correio Paulistano, São Paulo, p.1, 03 de agosto de 1951.

CINCO OPERÁRIOS VITIMADOS na explosão de uma pedreira provocada por um raio’. Correio Paulistano, São Paulo, p.11, 2 de abril de 1950.

CYMBALISTA, R. Guia dos lugares difíceis de São Paulo. São Paulo: Annablume, 2019.

GELL, A. A tecnologia do encanto e o encanto da tecnologia. Concinnitas, Rio de Janeiro, ano 6, volume 1, n. 8, p. 40-63. julho 2005.

GIMENEZ, A. M. S.; LAMA, E. A. Del. Comportamento de ondas ultrassônicas no Granito Mauá para a conservação do Monumento às Bandeiras. Revista do Instituto de Geociências – USP. Sér. Cient., São Paulo, v.14, n.3, p.47-60, set. 2014.

HOLLY, M. A. et alii. Notes from the Field: Materiality. The Art Bulletin, New York, v. 95, n.1, p.10-37, mar. 2013.

INGOLD, T. Emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 18, n. 37, p.25-44, jan/jun. 2012.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos. São Paulo: Editora 34, 2019.

LEITE, J. R. T. Arte no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Abril, 1979.

MARINS, P. C. G. O Parque do Ibirapuera e a construção da identidade paulista. Anais do Museu Paulista, São Paulo. n. 6-7, p.9-36, 2003.

MATTOS, C. Whither Art History?: Geography, Art Theory, and New Perspectives for an Inclusive Art History. The Art Bulletin, New York, v.96, n.3, p.259-264, sep. 2014.

MAUAD, A. M.; ALMEIDA, J. R. de; SANTHIAGO, R. (Orgs.). História pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

MAYUMI, L. Taipa, canela-preta e concreto. São Paulo: Romano Guerra Editora, 2008.

MITCHELL, W. J. T. What do pictures want? The lives and loves of images. Chicago: University of Chicago Press, 2005.

MOREIRA, C. M. R. Entre monumentos e bandeiras: o patrimônio como operador de leitura. Patrimônio e Memória. São Paulo, v.14, n.2, p.401-415, jul./dez. 2018.

MUÑIZ-REED, I. Pensamentos sobre práticas curatoriais no giro decolonial. São Paulo: MASP/Afterall, 2018.

PITA, F. M. A ‘breve história da arte’ e a arte indígena. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v.5, n.3, p.223-257, set./dez. 2021.

SANCHEZ, R. L. et alii. Monumento às Bandeiras: deixa que eu empurro: da obra de arte ao palco de atos de contestação! In: Demonumenta. São Paulo: FAUUSP, 2021.

TAVARES, P. Memória da Terra. Arqueologia da ancestralidade e da despossessão do povo Xavante de Marãiwatsédé. Brasília: Ministério Público Federal, 2020.

VIRAVA, T. G. de O.; CHIARELLI, T. O Monumento às Bandeiras como processo: do presente ao passado. Quiroga, Revista do Patrimônio Iberoamericano, Granada, v. 8, p.36-51, 2019.

ZANINI, W. (Org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. Vol. 1 e 2.

ZARENTSKY, N. Acts of repair: justice, truth, and the politics of memory in Argentina. New Brunswick: Rutgers University Press, 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Eduardo Augusto Costa

Downloads

Não há dados estatísticos.