Para divertir paixões caseiras

estudo de caso ou experiência teórica?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v6i3.8670659

Palavras-chave:

Arte colonial, Azulejaria portuguesa, Historiografia da arte no Brasil, Convento de São Francisco/ Salvador, Bahia

Resumo

Este artigo propõe uma leitura crítica da tese Para divertir paixões caseiras: azulejaria portuguesa do Convento de São Francisco, Salvador/ BA, defendida no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais/ Escola de Belas Artes/ Universidade Federal do Rio de Janeiro. Apresenta análises dos painéis azulejares e avalia o resultado do processo de pesquisa, identificando motivações analíticas e raízes teóricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sílvia Guimarães Borges, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora do Departamento de História e Teoria da Arte da Escola de Belas Arte e do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

BORGES, S. B. G. Para divertir paixões caseiras: azulejaria do convento de São Francisco de Salvador. 2013. Tese (Doutorado em Artes Visuais) – Escola de Belas Artes, UFRJ, 2013.

BORGES, S. B. G. Questões em torno de autorias na arte azulejar: o caso da Igreja do Convento Franciscano de Salvador. In: Simpósio Nacional de História, 26, 2011, São Paulo. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História. São Paulo: ANPUH, 2011. p. 1-9.

BLUTEAU, Padre D. Raphael. Vocabulário Portuguez, e Latino: Aulico, Anatomico, Architectonico, Bellico, Botanico, Brasilico, Cosmico, Critico, Chimico, Dogmatico, Dialectico, Dendrologico, Ecclesiastico, Etymologico, Economico, Florifero, Forense, Fructifero, Geographico, Geometrico, Gnomonico, Hidrographico, Homonymico, Hierologico, Ichtyologico, Indico, Isagogico Laconico, Liturgico, Lithologico, Medico, Musico, Meteorologico, Nautico, Numerico, Neoterico, Ortographico, Optico, Ornithologico, Poetico, Philologico, Pharmaceutico, Quidditativo, Quantitativo, Rhetorico, Rustico, Romano, Symbolico, Synominico, Sylabico, Theologico, Technologico, Uranologico, Xenophonico, Zoologico. Lisboa: Officina de Pascoal da Sylva, 1716.

CERTEAU, M. de. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

DORNN, F. X. Letania Lauretana de la Virgem Santíssima: empressada en cincuenta y ocho estampas, é ilustrada con devotas meditaciones, y oraciones. Valencia: Viuda de Joseph de Orga, 1758.

FERREIRA, M. L. Estatutos da Província de Santo Antônio do Brasil: tirados de varios estatutos da ordem, accrecentando nelles o mais util, & necessario à reforma desta nossa província. Lisboa: Antonio Craesbeeck de Mello, 1683.

FLEXOR, M. H. O.; FRAGOSO, F. H. (Orgs.). Igreja e convento de São Francisco da Bahia. Rio de Janeiro: Versal, 2009.

HANSEN, J. A. Alegoria: Construção e interpretação da metáfora. São Paulo/Campinas: Hedra/Editora da Unicamp, 2006.

HANSEN, J. A. Notas sobre o “Barroco”. Revista do IFAC, Ouro Preto, n. 4, p. 11-20, 1997.

JABOATÃO, F. A. de S. M. Novo Orbe Seráfico Brasílico ou Chronica dos Frades Menores da Província do Brasil. Recife: Assembléia Legislativa do Estado, 1980. [Fac-símile das Edições de 1859-1861-1862/ 1ª Impressão de 1761]

LE GOFF, J. São Francisco de Assis. Rio de Janeiro: Record, 2001.

MAIA, P. M. Os cinco sentidos, os trabalhos dos meses e as partes do mundo em painéis de azulejos no Convento de São Francisco, em Salvador, Bahia. Brasília: Senado Federal, 1990.

MAIA, P. M. Uma visão panorâmica da azulejaria e iconografia na Igreja e no Convento da Ordem Terceira de São Francisco, em Salvador, Bahia. Revista Oceanos, Lisboa, n. 36/37, p. 88-98, 1998-1999.

MANGUCCI, C. A estratégia de Bartolomeu Antunes: mestre ladrilhador do Paço (1688-1753). Al-Madan, 2ª série, n. 12, p. 135-148, 2003.

MECO, J. Azulejaria portuguesa na Bahia. Revista Oceanos, Lisboa, n. 36/37, p. 52-86, 1998-1999.

MECO, J. Azulejo. In: RODRIGUES, D. (coord.). Arte portuguesa: da pré-história ao século XX/Estética barroca II: pintura, arte efêmera, talha e azulejo. Lisboa: Fubu Editores, 2009, p. 11-142.

PAIS, A. N. O Theatro Moral de la Vida Humana no convento de São Francisco da Bahia. Revista Oceanos, Lisboa, n. 36/37, p. 100-112, 1998-1999.

PASSARINI, F. Nuove inventioni d’ornamenti d’architettura: e d’intagli diversi utili ad Argentieri intagliatore ricamatori et altri professori dele buone arti del disegno. Roma: Pace da Domenico de Rossi erede di Gio. Giocomo de Rossi, 1698.

RIPA, C. Iconologia. Madrid: ANkal, 1996a. Tomo 1. [Fac-simile da edição de 1613]

RIPA, C. Iconologia. Madrid: Akal, 1996b. Tomo 2. [Fac-simile da edição de 1613]

SEBASTIÁN, S. A edição espanhola do Teatro Moral da Vida Humana e sua influência nas artes plásticas do Brasil e Portugal. In: ÁVILA, A.. (Org.) Barroco: Teoria e análise. São Paulo: Editora Perspectiva. Belo Horizonte: Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração, 1997. p. 315-332.

SEBASTIÁN, S. Emblemática e historia del arte. Madrid: Cátedra, 1995.

SIMÕES, J. M. S. Azulejaria Portuguesa no Brasil (1500-1822). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1965.

VEEN, O. van. Theatro moral de la vida humana em cien emblemas: com em chiridion de Epicteto, &c y la tabla de cebes, philosofo platônico. Brusselas, Por Francisco Foppens Impressor y Mercador de Libros, 1672.

WILLEKE, V. Livro dos guardiães do convento de São Francisco da Bahia (1587-1862). Rio de Janeiro: IPHAN, 1978.

Downloads

Publicado

2022-09-12

Como Citar

BORGES, S. G. Para divertir paixões caseiras: estudo de caso ou experiência teórica?. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 6, n. 3, p. 124–149, 2022. DOI: 10.20396/modos.v6i3.8670659. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8670659. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos - Colaborações