A hidra do Iguaçu

um percurso cinematográfico experimental pelas lacunas da história colonial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v6i3.8670861

Palavras-chave:

Cinema experimental, Poética, Etnografia, Memória, Estudos decoloniais

Resumo

A partir de uma experiência cinematográfica desenvolvida pela própria autora, por meio do resgate de memórias em cidades coloniais, reflete-se sobre o processo poético de buscar as linhas escondidas por trás das narrativas oficiais, valendo-se de um percurso etnográfico que redesenha um triângulo colonial imaginado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiana Miranda, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Arte e Cultura Contemporânea pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro com sanduíche na Universidade Mandume ya Ndemufayo na cidade do Lubango, Angola.

Referências

AKOMFRAH, J. Digitopia e os espectros da diáspora. In: MURARI, L.; SOMBRA, R. (Orgs.). O cinema de John Akomfrah: espectros da diáspora. Rio de Janeiro: LDC, 2017, p.21-29.

ARTAUD, A. El cine. Madrid: Alianza Editorial, 1982.

BENJAMIN, W. Textos escolhidos Sociologia. São Paulo: Editora Ática, 1985.

FOSTER, Hal. O retorno do real. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

MOURA, C. M. S. de. Peixes de prata: sais, líquidos e cinema. Tese (Doutorado em Artes) - Instituto de Artes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2019.

RUFINO, L.; SIMAS, L. A. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

Downloads

Publicado

2022-09-16

Como Citar

MIRANDA, C. A hidra do Iguaçu: um percurso cinematográfico experimental pelas lacunas da história colonial. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 6, n. 3, p. 430–441, 2022. DOI: 10.20396/modos.v6i3.8670861. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8670861. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Montagem: a condição expositiva