Invisíveis, intangíveis e irrecuperáveis
PDF

Palavras-chave

Pinturas
Coleção
Curadoria

Como Citar

AZEVEDO, Evelyne; CABO, Manan Terra; GUIMARÃES, Rodrigo Manuel Pentagna. Invisíveis, intangíveis e irrecuperáveis: as pinturas do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 8, n. 1, p. 165–183, 2024. DOI: 10.20396/modos.v8i1.8674175. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8674175. Acesso em: 25 jun. 2024.

Resumo

A noção de vulnerabilidade nas artes engloba, indubitavelmente, a produção artística concebida em situações de fragilidade, seja ela pela sua localização, tanto geográfica quanto social, como pelo desamparo econômico.  O Museu Nacional da Quinta da Boa Vista possuía muitas pinturas em seu acervo, mas que nunca tiveram o merecido destaque dentro da instituição. Pouco conhecidas, as obras foram integralmente perdidas no incêndio que destruiu o museu em 2018, o que nos levou a questionar a sua condição de acervo vulnerável, ainda que situado num dos principais equipamentos culturais do país. Embora o museu fosse uma das mais antigas instituições brasileiras, sua autonomia institucional era bastante comprometida, uma vez que ele fazia parte dos equipamentos pertencentes à UFRJ. Seus recursos eram divididos com outros museus da mesma instituição e, como as universidades, via-se restrito ao orçamento do Ministério da Educação. Mesmo que estivéssemos diante de um grande museu, numa das principais capitais brasileiras, sua situação não poderia ser mais vulnerável.

https://doi.org/10.20396/modos.v8i1.8674175
PDF

Referências

AMARAL, D. I. Novos Museus de Arte: entre o espetáculo e a reflexão. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de Brasília 2014.

COCCHIARALE, F. Quem tem medo da arte contemporânea. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2007.

HAMILTON, J. Collections Need Curators. The British Art Journal, vol. 19, n. 3, 2018, p. 64-69. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/48584551. Acesso em 15 jul. 2023.

MEIRA, S. M.; LEITE, E. Apontamentos sobre curadoria de arte na contemporaneidade. Museologia & Interdisciplinaridade, [S. l.], v. 7, n. 14, p. 188-195, 2018. DOI: 10.26512/museologia.v7i14.18394. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/18394. Acesso em 11 mar. 2023.

O'NEILL, P. The Cultural Turn: From Practice to Discourse. In: RUGG, J.; SEDGWICK, M. Issues in curating contemporary art and performance. Chicago: Intellect Books, The University of Chicago Press. 2007.

PEREIRA, A. L. T. O Palácio de São Cristóvão como local de representação: notas breves sobre uma investigação adiada. Concinnitas, ano 19, n. 34, dez. 2018, p. 101-115.

PEREIRA, V. C.; PAIVA, J. E. R. de. As tentativas de reformulação da Bienal de São Paulo pós-boicote. Gambiarra, vol. 6, n. 7. 2014, p. 75-86.

ROSA, N. V. Estratégias para pensar o colecionismo de arte contemporânea no Brasil. MODOS: Revista de História da Arte, v. 6, n. 2, p. 269–300, 2022. DOI: 10.20396/modos.v6i2.8668462. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8668462. Acesso em 29 jul. 2023.

SIEGEL, A. Inhotim: breve história da criação de uma coleção internacional brasileira. In: OLIVEIRA, E. D. de; COUTO, M. de F. M.; MALTA, M. Histórias da arte em museus. Rio de Janeiro, Rio Books, 2020.

VARGAS, N. Colecionismo no sistema contemporâneo de arte: entre a centralidade das bordas e o mainstream. Tese (Doutorado em Artes Visuais) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2021.

VIEIRA, M. C. Figurações Primitivistas: Trânsitos do Exótico entre Museus, Cinema e Zoológicos Humanos. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2019.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Evelyne Azevedo, Manan Terra Cabo, Rodrigo Manuel Pentagna Guimarães

Downloads

Não há dados estatísticos.