Banner Portal
Do berço ao berçário. A instituição como morada e lugar de contato
PDF

Palavras-chave

Instituição. Bebês. Berçário. Pedagogia do contato. Prática pedagógica

Como Citar

NÖRNBERG, Marta. Do berço ao berçário. A instituição como morada e lugar de contato. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 24, n. 3, p. 99–114, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642519. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

Este ensaio aborda o sentido da instituição infantil a partir de uma perspectiva ético-estético-afetiva do viver humano. A abordagem ampara-se em perspectivas filosóficas sobre a existência humana. Os argumentos apresentam o berçário como morada, lugar do viver juntos, instituição que se faz em coletividade, nela e com ela, decorrente do encontro de bebês e adultos. Ao constituir-se como morada dos bebês, o berçário ritualiza e reatualiza a prática pedagógica como lugar de relação entre bebês e adultos, requerendo uma pedagogia do contato

Abstract

This paper aims to discuss the meaning of institutions for children education from an ethical-aesthetic-affective perspective about the human life. The approach is supported by philosophical perspectives on the human existence. The arguments present theday care as home, a living-together place, where things are done collectively, as a result of the encounter between babies and adults. When constituted as a home for the babies, the day care ritualizes and renews the pedagogical practice as a place of rela(c)tion between babies and adults, demanding a pedagogy of contact.

Keywords Child institution. Babies. Nursery school. Pedagogy of contact Pedagogical practice.

PDF

Referências

CAMPOS, M. M. et al. A qualidade da educação infantil: um estudo em seis capitais brasileiras. Cadernos de Pesquisa [online], São Paulo, v. 41, n. 142, p. 20-54, 2011. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742011000100003>. Acesso em: 5 mar. 2011.

DAHLBERG, G.; MOSS, P.; PENCE, A. Qualidade na educação da primeira infância. Perspectivas pós-modernas. Porto Alegre: Artmed, 2003. 264p.

GARCIA, M. M. A. Políticas educacionais contemporâneas: tecnologias, imaginários e regimes éticos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 45, p. 445-591, set./dez. 2010.

GOBBATO, C. Os bebês estão por todos os espaços! Um estudo sobre os bebês nos diferentes contextos de vida coletiva da escola infantil. 2011. 222 p. Dissertação (Mestrado em Educação)–Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

HARVEY, D. A condição pós-moderna. 11. ed. São Paulo: Loyola, 2002. 349p.

HEIDEGGER, M. Ensaios e conferências. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. 269p.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Parte I. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 1999. 325p.

MALAGUZZI, L. História, idéias e filosofia básica. In: EDWARDS, C.; GANDINI, L.; FORMAN, G. As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999. 319p.

MONTAGU, A. Tocar. O significado humano da pele. 6. ed. São Paulo: Summus, 1988. 427 p.

NOVASKI. A. J. C. Historicidade e instituições humanas. Pro-Posições – Faculdade de Educação, Unicamp, Campinas, n. 4, p. 16-52, abr. 1991.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. Pedagogia(s) da infância: reconstruindo uma práxis de participação. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, J.; KISHIMOTO, T. M.; PINAZZA, M. A. Pedagogia(s) da infância. Dialogando com o passado. Construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007. p. 13-36.

PEREIRA, R. F. As crianças bem pequenas na produção de suas culturas. 2011. 207 p. Dissertação (Mestrado em Educação)–Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

RESTREPO, L. C. O direito à ternura. Petrópolis: Vozes, 1998. 112 p.

SERRES, M. Hominescências. O começo de uma outra humanidade? Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. 294 p.

WINNICOTT, D. W. Os bebês e suas mães. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006. 98 p.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.