Construções identitárias de estudantes de farmácia no trote universitário: questões de gênero e sexualidade

Autores

  • Vera Helena Ferraz Siqueira Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Marina Cardoso Gondin Fonseca Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Márcia Bastos Sá Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Ana Cristina Moreira Lima Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Formação profissional. Sexualidade. Gênero. Trote universitário. Identidades

Resumo

Este artigo, embasado nos estudos culturais e em noções pós-estruturalistas sobre identidade, poder, sexualidade e gênero, apresenta estudo empírico baseado na ideia de que em espaços não formais da universidade ocorrem processos importantes de construção identitária. O contexto do estudo foi uma universidade pública, e os dados foram obtidos principalmente pela observação de atividades do trote universitário e por entrevistas com estudantes do curso de Farmácia. Evidenciamos como o ritual do trote universitário, por meio de várias atividades, constitui tecnologia contemporânea de poder. Identificamos situações no trote em que sexismo, significados homofóbicos e assédio moral prevalecem, sempre travestidos como brincadeiras. Significados sobre a sexualidade estão imbricados com questões de gênero e de consumo: os corpos são expostos e assujeitados em processos que excluem o que foge da norma e reforçam identidades hegemônicas. Esses discursos e práticas, construtores de conhecimentos e significados sociais, deveriam ser considerados pela universidade

Abstract:

This article, based upon the idea that in non formal University spaces important processes of identity construction take place, presents an empirical study conducted in consonance with notions of the cultural studies, in relation to the issues of identity, power, sexuality and gender. The context of the study was a public university and the data was obtained mainly through the observation of hazing activities and interviews conducted with Pharmacy students. We have evidenced ways through which hazing constitutes a modern power technology. Situations were identified in which sexism, homophobe meanings and moral harassment prevail, always represented as jokes. Meanings on sexuality were found intertwined with gender and consumerism aspects: the bodies were exposed and subjected to processes which exclude what was seen as “not normal”, reinforcing the hegemonic identity. Such discourses and practices build knowledge and social meanings and should receive greater attention by the University.

Key words: educational background; sexuality; gender; hazing; identities.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Cardoso Gondin Fonseca, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Licenciatura em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013). , atuando principalmente nos seguintes temas: gênero, sexualidade, farmácia, identidade e identidades.

Márcia Bastos Sá, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora e Mestre em Educação em Ciências e Saúde (2011 e 2002) e Especialista em Tecnologia Educacional nas Ciências da Saúde (1999) pelo Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde (NUTES) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Possui graduação em Psicologia (Bacharelado e Formação de psicólogo) pelo Instituto de Psicologia da UFRJ (1993) e graduação em Fisioterapia pela Sociedade Universitária Augusto Motta (1980). 

Ana Cristina Moreira Lima, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em Psicologia pela PUC-Rio (1998), especialização em Psicologia Médica - UERJ (2002), especialização em Psicologia Oncológica - INCA/MS (2003), especialização em Comunicação e Saúde - ICICT/ Fiocruz (2007), mestrado em Tecnologia Educacional nas Ciências da Saúde pelo NUTES/ UFRJ (2006) e doutorado em Educação em Ciências e Saúde pelo NUTES/ UFRJ (2013), tendo como tema de pesquisa: educação sexual, gênero, sexualidade, identidade, currículo e processos de subjetivação. Tem experiência na área de Psicologia, Educação, Saúde Pública, Comunicação em Saúde e Atenção primária à Saúde.

Referências

ALMEIDA JR., A. R.; QUEDA, O. Universidade preconceitos e trote. São Paulo: Hucitec, 2006. ANGROSINO, M. V. Recontextualizing observation. Ethnography, Pedagogy, and the Prospects of a Progressive Political Agenda. In: DENZIN, N.; LINCOLN, Y. (Ed). 3 ed. The Sage Handbook of Qualitative Research. US: Sage Publications, 2005.

BAUMAN, Z. Vida para consumo. A transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da Modernidade. São Paulo: Ed. da USP, 1997.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 1. A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 2008.

FOUCAULT, M. Resumo dos cursos do College de France (1970-1982)/ Michel Foucault. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 18 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GIROUX, H.. Atos impuros. A prática política dos estudos culturais. Porto Alegre, RS: Artmed, 2003.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, v. 2, n. 22, p. 16-46, jul./dez. 1997.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro, DP&A, 2000a.

HALL, S. Quem precisa da identidade? In: SILVA, T. T.; HALL, S.; WOODWARD, K. (Org.). Identidade e diferença. A perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2000b.

HELMAN, C.G. Cultura, saúde e doença. Porto Alegre: Artmed, 2003.

LOURO, G. L. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MISKOLCI, R. Corpos elétricos: do assujeitamento à estética da existência. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 14, n. 3, p. 681-693, set./dez. 2006.

SCHEURICK, J. J.; MCKENZIE, K. B. Foucault’s Methodologies, Archaeology and Genealogy. In: DENZIN, N.; LINCOLN, Y. (Ed.). The Sage Handbook of Qualitative Research. 3 ed. US: Sage Publications, 2005.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Revista Educação e Realidade. Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5-22, jul./dez., 1990.

SIQUEIRA, V. H. F. Sexualidade, gênero e educação: a subjetivação de mulheres pelo cinema. Educação e Realidade, v. 31 n. 1., p. 127-143, 2006.

SIQUEIRA, V. H. F.; ROCHA, G. W. F. A construção de diferenças de gênero entre estudantes de medicina em espaços não formais da universidade. Cadernos Pagu, Campinas v. 30, p. 231-268, 2008.

SWAIN, T. N. Quem tem medo de Foucault? Feminismo, corpo e sexualidade. Espaço Michel Foucault. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2010.

TORRES, C. A.. Democracia, educação e multiculturalismo. Dilemas da cidadania em um mundo globalizado. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

VEIGA NETO, A. De geometrias, currículo e diferenças. Educação e Sociedade. Campinas, v. 23, n. 79, p. 163-186, ago. 2002.

Downloads

Publicado

2016-01-12

Como Citar

SIQUEIRA, V. H. F.; FONSECA, M. C. G.; SÁ, M. B.; LIMA, A. C. M. Construções identitárias de estudantes de farmácia no trote universitário: questões de gênero e sexualidade. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 154–159, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8642892. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos