Banner Portal
(In)comunicabilidade e tolerância na educação. Notas a partir de Nietzsche e Merleau-Ponty
Remote

Palavras-chave

Linguagem. Comunicação. Silêncio. Tolerância

Como Citar

RATTO, Cleber Gibbon; HENNING, Paula Corrêa. (In)comunicabilidade e tolerância na educação. Notas a partir de Nietzsche e Merleau-Ponty. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 22, n. 1, p. 117–130, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643283. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

O ensaio recoloca a questão do silêncio diante da (dis)função social da linguagem na Educação. Assume que o prestígio das narrativas e sua ampla difusão nos espaços educativos respondem a uma nova modalidade de controle social, numa sociedade pautada pelo fascínio da linguagem e da comunicação, supostos operadores da tolerância como valor social desejável. Sustenta que a carência de um tratamento mais criterioso das diferentes posições filosóficas sobre a linguagem acaba provocando um efeito simplificador: o prestígio das perspectivas historicistas instaladoras de verdades supostamente metalinguísticas e/ou uma popularização da ingênua noção de autocriação narrativa. São percorridos sumariamente dois exemplares que permitem um contraponto à transparência comunicativa, onde o silêncio surge como forma particular de expressão: Merleau-Ponty, em “A linguagem indireta e as vozes do silêncio” e Nietzsche, em “Convalescença”. Ao cabo, retomamos o tema da tolerância na Educação para recolocá-lo no trabalhoso lugar da luta política, nada transparente ou apaziguador.

Abstract:

This study returns to the issue of silence in face of the social (dis) function of language in Education. We assume that the prestige of the narratives and their wide diffusion in educational contexts respond to a new way of social control, in a society guided by the charm of language and communication, supposed operators of tolerance as a desirable social value. We sustain that the lack of a more judicious treatment of the different philosophical positions regarding language ends up provoking a simplifying effect: the prestige of the historicist perspectives which establish supposedly metalinguistic truths and/or a popularization of the naïve notion of narrative self-creation. Two models that are in counterpoint to communicative transparency and where silence appears as a particular way of expression are briefly examined.: Merleau-Ponty in “The indirect language and the voices of silence” (1980); and Nietzsche in “Convalescence” (2000). Finally, we return to the subject of tolerance in Education in order to re-position it to the labourious place of the political struggle, neither transparent nor appeasing.

Key words: Language. Communication. Silence. Tolerance

Remote

Referências

BRETON, P. La utopia de la comunicación. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión SAIC, 2000.

CHAUÍ, M. Introdução. In: MERLEAU-PONTY, M. Textos selecionados. Seleção e tradução de Marilena Chauí. São Paulo: Abril Cultural, 1980. (Col. Os Pensadores).

DICKEL, A. O que tolerar? O que não tolerar? Ensaios sobre o lugar da tolerância na educação. In: FÁVERO, A. A.; ALBOSCO, A.; MARCON, T. (Org.). Sobre a filosofia e a educação: racionalidade e tolerância. Passo Fundo: Editora Universidade de Passo Fundo, 2006.

FOUCAULT, M.. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. Apêndice da 2. ed. Michel Foucault entrevistado por Hubert L. Dreyfus e Paul Rabinow. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

GIACOIA JUNIOR, O. Sonhos e pesadelos da razão esclarecida: Nietzsche e a modernidade. Passo Fundo: Editora Universidade de Passo Fundo, 2005.

HERMANN, N. Racionalidade e a tolerância no contexto pedagógico. In: FÁVERO, A. A.; ALBOSCO, A.; MARCON, T. (Org.). Sobre a filosofia e a educação: racionalidade e tolerância. Passo Fundo: Editora Universidade de Passo Fundo, 2006.

JONAS, H. Por que a técnica moderna é um objeto para a ética. Trad. Oswaldo Giacoia Junior. Natureza Humana, São Paulo: Educ, v. 1, n. 2, 1999.

MERLEAU-PONTY, M. Textos selecionados. Seleção e tradução de Marilena Chauí. São Paulo: Abril Cultural,1980. (Col. Os Pensadores).

MERLEAU-PONTY, M. Sinais. Lisboa: Minotauro, s.d.

NIETZSCHE, F. Aurora: reflexões sobre os preconceitos morais. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal. 2. ed. São Paulo: Cia. das Letras, 2003.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. São Paulo: Cia. das Letras, 2002.

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. Tradução de Mário da Silva. 11. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

NÓVOA, A. Prefácio. In: JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias curriculares do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.