O status de realidade das fotografias aéreas verticais no contexto dos estudos geográficos

  • Valéria Cazetta Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Fotografias aéreas verticais. Sensoriamento remoto. Educação geográfica. Realidade. Linguagem

Resumo

Os mapas foram tidos, outrora, como linguagem essencial da ciência geográfica. No período atual, juntam-se a eles as fotografias aéreas verticais e as imagens orbitais. As primeiras foram utilizadas sobremaneira nas investigações geográficas em contexto acadêmico-científico, complementadas atualmente pelas imagens orbitais. Essas duas linguagens estão circulando um jeito novo de olhar e conceber o espaço, seja ele próximo (percorrido diariamente por nosso corpo) ou distante (experimentado via imagens orbitais, entre outros tipos de imagens). Os diferentes tipos de imagens orbitais e fotografias aéreas verticais estão produzindo em nós uma dada memória visual acerca do que venha a ser a realidade do espaço geográfico em suas diversas manifestações cotidianas. Assim, pergunto: em que contexto tais imagens assumem o status de serem reais ou tão semelhantes à realidade, de modo a parecer que são, de fato, verdadeiras ou a própria realidade geográfica? O que supostamente nos leva a acreditar nas imagens como uma (re)apresentação da realidade? Neste texto, discuto o status de realidade que as imagens orbitais e as fotografias aéreas têm no contexto dos estudos geográficos acadêmicos. Ao final, destacarei os exemplos do status de realidade nas fotografias aéreas verticais.

Abstract: Maps used to be considered an essential language of the geographical science. Lately, vertical aerial photographs and orbital images have joined them. The first ones were highly used in geographical research within an academic-scientific context, currently complemented by orbital images. These two languages are generating a new way of looking at and conceiving space, whether it is close (passed by our bodies on a daily basis) or distant (experienced through orbital images, among other types of images). The different types of orbital images and vertical aerial photographs have been creating a certain visual memory of the reality of the geographical space in its several daily expressions. Therefore, I wonder in which context such images take on the status of being real or so similar to reality in a way that they seem to be, in fact, authentic or the geographical reality itself. What supposedly makes us believe in the images as a (re)presentation of reality? In this text, I discuss the reality status which orbital images and aerial photographs own in the context of academic geographical studies. At the end, I will point out to some examples of the reality status in vertical aerial photographs.

Key words: Vertical aerial photograph. Remote sensorin. Geographical education. RealitY. Language

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Cazetta, Universidade de São Paulo
Possui graduação em licenciatura em Geografia, mestrado e doutorado na mesma área. Atualmente é professora da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo desde 2007. Orienta nos Programas de Pós-graduação em Estudos Culturais da EACH-USP (mestrado acadêmico) e Ensino e História de Ciências da Terra (IG-Unicamp; mestrado e doutorado). 

Referências

ALMEIDA, Milton José de. Cinema: arte da memória. Campinas: Autores Associados, 1999.

ALMEIDA, Milton José de. Imagens e sons: a nova cultura oral. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

ANDERSON, P. S. (Ed.) Fundamentos para fotointerpretação. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Cartografia, 1982.

BORGES, Maria Eliza Linhares. História & fotografia. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

CASTILHO, Ricardo. Sistemas orbitais e uso do território: integração eletrônica e conhecimento digital do território brasileiro. 1999. Tese (Doutorado) — Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – FFLCH-USP, São Paulo, 1999.

CASTRO, Iná Elias de. O problema da escala. In: CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo César Costa; CORREA, Roberto Lobato (Org.). 5. ed. Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. p. 117-140.

FECÉ, José Luis. Do realismo à visibilidade. Efeitos de realidade e ficção na representação audiovisual. Contracampo, Niterói, n. 2, jan./jun., 1998.

FLORENZANO, Teresa Gallotti. Imagens de satélite para estudos ambientais. São Paulo: Oficina de Textos, 2002.

KOSSOY, Boris. Fotografia & história. 2. ed. Cotia: Ateliê Editorial, 2001.

KOSSOY, Boris. Realidades e ficções na trama fotográfica. 3 . ed. Cotia: Ateliê Editorial, 2002.

KOSSOY, Boris. Os tempos da fotografia: o efêmero e o perpétuo. Cotia: Ateliê Editorial, 2007.

LARROSA, Jorge. Agamenon e seu porqueiro. In: Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Tradução de Alfredo Veiga-Neto. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

LIBAULT, André. Geocartografia. São Paulo: Editora Nacional; Edusp, 1975.

MANGUEL, Alberto. Leer imágenes: una historia privada del arte. Madrid: Alianza Editorial, 2003.

MARCHETTI, Delmar A. B. Princípios de fotogrametria e fotointerpretação. São Paulo: Nobel, 1986.

MIRANDA, Carlos Eduardo Albuquerque. Uma educação do olho: as imagens na sociedade urbana, industrial e de mercado. Caderno Cedes, Campinas, n. 54, p. 28-40, ago. 2001.

MOREIRA, Maurício Alves. Fundamentos do sensoriamento remoto e metodologias de aplicação.

São José dos Campos: Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE), 2001.

NOVO, Evelyn M. L. de Moraes. Sensoriamento remoto: princípios e aplicações. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1992.

OLIVEIRA, Cêurio. Curso de cartografia moderna. Rio de Janeiro: IBGE, 1988.

OLIVEIRA JÚNIOR, Wencesláo Machado de. Aproximações entre a educação, as fotografias e as geografias do lugar onde se vive. In: ENCONTRO NACIONAL DE PRÁTICA DE ENSINO DE GEOGRAFIA, 7., 2003, Vitória (ES). Anais... Vitória, 2003. p. 32-39. 1 CD.

PAIVA, Eduardo França. História e imagens. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

POSSAMAI, Zita Rosane. Narrativas fotográficas sobre a cidade. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 27, n. 53, p. 55-90, 2007.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil:território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SEEMANN, Jörn. Metáforas espaciais na Geografia: cartografias, mapas e mapeamentos. In: ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA, 10., 2005, São Paulo. Anais... São Paulo, 2005, p.13955-13971. 1 CD.

SILVA, Henrique César da. Lendo imagens na educação científica: construção e realidade. ProPosições, Campinas, v. 17, n. 1 (49), p. 71-80, jan./abr. 2006.

SONTAG, Susan. Sobre fotografia. Tradução de Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

VATTIMO, Gianni. A sociedade transparente. Lisboa: Relógio D´água, 1992.

Publicado
2016-02-15
Como Citar
Cazetta, V. (2016). O status de realidade das fotografias aéreas verticais no contexto dos estudos geográficos. Pro-Posições, 20(3), 71-86. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643389
Seção
Dossiê