Banner Portal
Avaliação da aprendizagem no ensino superior. “Nota” expressão do comportamento do aluno
PDF

Palavras-chave

Avaliação
Ensino
Aprendizagem
Ensino superior

Como Citar

GOMES, Luiz Roberto. Avaliação da aprendizagem no ensino superior. “Nota” expressão do comportamento do aluno. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 183–196, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643558. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

O trabalho apresenta como tema central a avaliação da aprendizagem no ensino superior. Trata-se de uma investigação das pré-concepções dos professores universitários sobre a avaliação e se estas apresentam ou não uma relação mais objetiva com a aprendizagem. Com a hipótese de trabalho de que a nota tende a ser a expressão do comportamento do aluno e não do conteúdo aprendido, direcionamos nosso olhar para o ensino superior e, neste, para os cursos específicos de formação de professores, o que nos permitiu diagnosticar a existência de uma reflexão incipiente sobre a temática “avaliação da aprendizagem” corroborada por idéias fundamentadas no senso comum. Através de uma amostra de conveniência, que representa uma face do complexo fenômeno da avaliação no ensino superior, destacamos a forte tendência do peso atribuído ao comportamento do aluno, quando o assunto é a nota. O estudo aponta ainda a necessidade de uma reflexão que transcenda os seus aspectos formais e busque uma re-significação da educação, em termos de concepção, de procedimentos e principalmente de formação. 

PDF

Referências

AEDO, E. M. Una mirada a la evaluación en la educación: Nuevas exigencias para la evaluación del rendimiento escolar. Otro reto de la comunidad educativa para mejorar la calidad. Educación. Barcelona, 1996, v.1(20): 49-61.

ANDRÉ. M. Eu, professora-avaliadora. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: 1998, v.1(105): 78-9 AZEVEDO, O. B. Ansiedade nas avaliações: em estudo e algumas reflexões sobre sua utilização como instrumento de controle. Revista da Faculdade de Educação do Estado da Bahia -FAEEBA. Salvador, 1998, v.1(10): 169-182.

BARROS FILHO, Jomar; SILVA, Dirceu da. Algumas reflexões sobre a avaliação dos estudantes no ensino de ciências. Ciência e Ensino. Campinas/SP, 2000d v.1, n.9, p.14-17.

BARROS FILHO, Jomar; SILVA, Dirceu da. Análise crítica do sistema de avaliação escolar.

Caderno de Textos da V Escola de Verão para Professores de Prática de Ensino de Física, Química, Biologia e Áreas Afins. Bauru, 2000a. v.1, p. 201-206.

BARROS FILHO, Jomar; SILVA, Dirceu da. Avaliação como elemento de continuidade do ensino. Anais do VI Encontro Nacional de Pesquisadores em Ensino de Física. Florianópolis, SC, 1998. p.1-16.

BARROS FILHO, Jomar; SILVA, Dirceu da. Buscando um sistema de avaliação contínua: ensino de eletrodinâmica no nível médio. Revista Ciência e Educação, Bauru/SP, 2002 v.8, n.1, p. 27-38.

BARROS FILHO, Jomar; SILVA, Dirceu da. Construção de um sistema de avaliação contínua em um curso de física de nível médio. Atas do VII EPEF- Encontro de Pesquisadores em Ensino de Física. Florianópolis, SC, 2000b.

BARROS FILHO, Jomar; SILVA, Dirceu da. Que avaliação se pratica? Uma análise crítica dos procedimentos avaliativos. Atas do VIII Conferência Interamericana sobre educação em Física. Canela, RS, 2000c.

BARROS FILHO, Jomar; SILVA, Dirceu da; ALMEIDA, Norton; SILVA, Cassio Dias; LACERDA NETO, Jurandyr Carneiro; SANCHEZ, Caio Glauco. Avaliação dos alunos nos cursos de engenharia: técnicos que solucionam apenas situações padronizadas ou engenheiros que criam soluções práticas para novas situações?. XV Congresso Brasileiro de Engenharia Mecânica – COBEM. Águas de Lindóia, SP, 1999a.

BARROS FILHO, Jomar; SILVA, Dirceu da; SANCHEZ, Caio Glauco; ALMEIDA, Norton; SILVA, Cassio Dias; LACERDA NETO, Jurandyr Carneiro. Resgatando no passado novas perspectivas para o ensino de engenharia. XV Congresso Brasileiro de Engenharia Mecânica – COBEM. Águas de Lindóia, SP, 1999b.

BARROS FILHO, Jomar; SILVA, Dirceu da; SANCHEZ, Caio Glauco; SIMON, Fernanda Oliveira. Avaliação e ensino de engenharia: além da simples verificação de conhecimentos.

Atas do XXX COBENGE – Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia – CDROM. Piracicaba, SP, 2002.

BARROS FILHO, Jomar; SILVA, Dirceu da; SIMON, Fernanda Oliveira. Algumas reflexões sobre a avaliação dos alunos no ensino superior. Revista Lumen Fai, São Paulo, 2001, v. 7, n. 15, p. 125-136.

CAMARGO, A. L. C. O discurso sobre a avaliação escolar do ponto de vista do aluno.

Revista da Faculdade de Educação da USP. São Paulo, 1997, v.23(1/2): 283-302.

CARVALHO, A., TERRASÊCA, M. Em torno das práticas avaliativas do 2° ciclo. Avaliar a avaliação. Cadernos Pedagógicos. São Paulo, 1995, v.14: 43-55.

DEMO, P. Mitologias da avaliação: de como ignorar, em vez de enfrentar problemas. Campinas: Autores Associados, Coleção Polêmicas do nosso Tempo, 68, 1999.

FREIRE, P. A concepção “bancária” da educação como instrumento da opressão. Seus pressupostos, sua crítica. Pedagogia do Oprimido. 29.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

FREITAS, L. C. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. 3.ed. Campinas: Papirus, 2000.

GODOY, A. S. Avaliação da aprendizagem no ensino superior: estado da arte. Didática. Campinas, 1995, v.30(1), p.9-25.

GODOY, A. S. Avaliação da aprendizagem no ensino superior: um estudo exploratório a partir das opiniões dos alunos do primeiro ano e do último ano de três cursos de graduação.

Revista Administração OnLine. Disponível em: http://www.fecap.br/adm_online. Acesso em: 25/06/2002.

HOFFMANN, J. M. L. Avaliação mito e desafio. Uma perspectiva construtivista. 28 ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2000.

LACUEVA, A. La evaluación en la escuela: una ayuda para seguir aprendiendo. Revista da Faculdade de Educação da USP. São Paulo, 1997, v.23(1/2): 124-148.

LEVIN, J. Estatística aplicada a Ciências Humanas, 2.ed. São Paulo: Harbra, 1987.

MACHADO, F. A avaliação em tempo de mudança: projetos e práticas nos ensinos básico e secundário. Cadernos Pedagógicos, 28. Lisboa: Edições ASA, 1996.

MAINARDES, J. A promoção automática em questão: argumentos, implicações e possibilidades. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, 1998, v.79(1), p.16-29.

MIRANDA, Nonato Assis de; CUNHA, Alexander Montero; SILVA, Dirceu da; BARROS FILHO, Jomar; YAMAMOTO, Alan César Ikuo; VERASZTO, Estéfano Vizconde. Avaliação do rendimento escolar: concepções de professores do ensino fundamental I. Caderno de Resumos do XXI Encontro Nacional de Professores do Proepre, 2004, Águas de Lindóia/SP. 2004, p.279.

MORALES, J. R. Práticas y percepciones de estudiantes y docentes de sexto grado sobre la evaluación del trabajo cotidiano. Revista Educación. Barcelona, 1996, v.29(2), p.81-90.

PELÁEZ, S. C. La evaluación educativa y sus potencialidades formadoras. La EducaciónRevista Interamericana de Desarrollo Educativo. 1995, 39(120), p.55-68.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed Editora, 1999.

SANCHEZ, M. A., PEREZ, D. G., TORREGROSA, J. M. Concepciones espontaneas de los profesores de ciencias sobre la evaluacion: obstaculos a superar y propuestas de replanteamiento. Revista de la Enseñanza de la Fisica. 1992, 5(2), p.18-38.

SARMENTO, D. C. (Coord.), FERREIRA, E. M. M., SALGADO, L. L. R., ANDRADE, T. P. O discurso e a prática da avaliação na escola. São Paulo: Pontes, 1997.

SATTERLY, D., SWANN, N. Los exámenes referidos al criterio y al concepto en ciencias: un nuevo sistema de evaluación. Enseñanza de las Ciências. 1988, v.6(3), p.278-284.

SELLTIZ,C. et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: E.P.U., 1981.

SORDI, M. R. L. Ensaiando um novo olhar avaliativo na educação de adultos. Revista de Educação PUC-Campinas. Campinas, 1999, v.3(6), p.7-12.

TORANZOS, L. Evaluación y calidade. Revista Iberoamericana de Educación. 1996, v.1(10), p.63-78.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Pro-Posições

Downloads

Não há dados estatísticos.