Estratégias de leitura e a narrativa ficcional

condições para compreensão

Palavras-chave: Literatura infantil, Compreensão leitora, Estrutura do texto narrativo, Livro didático

Resumo

Este artigo pretende abordar duas condições para que a criança se aproprie das capacidades de leitura e produção de texto do gênero “conto”: as características do texto narrativo ficcional e as estratégias de compreensão leitora. Diante dos pressupostos teóricos de Propp, Claude Bremond, Harvey e Goudvis, mostra-se como, numa experiência específica, em contraposição ao que ocorre nas atividades existentes em livros didáticos, alunos vivenciaram o contato com essa literatura e como articularam a compreensão da narrativa através de atividades propostas nesta pesquisa. Os resultados revelam que as crianças, quando envolvidas de forma consistente e significativa com o texto narrativo ficcional, assumem o papel de protagonistas tanto na compreensão como na produção desse gênero textual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Junqueira de Souza , Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Atualmente é professor visitante da Universidade do Minho e professor assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. 

Elianeth Dias Kanthack Hernandes , Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Professora Assistente de Doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Referências

Arena, D. B. (2008). Dilemas didáticos no ensino do ato de ler. In Anais do I Congreso Latino Americano de Compresion Lectora (vol. 1, pp. 129-136). Universidad del Centro de Peru. Huancayo, Peru.

Azevedo, R. (2000). Armazém do folclore. São Paulo: Ática.

Azevedo, R. (2011). Meu livro do folclore. São Paulo: Ática.

Bakhtin, M. (2003). Estética da criação verbal (4a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Brasil. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: primeiro e segundo ciclos do ensino fundamental, Brasília: MEC/SEF.

Brasil. (2012). Ministério da Educação. Guia de livros didáticos: PNLD 2013: Língua Portuguesa, Brasília: MEC/SEB.

Bremond, C. (1972). A lógica dos possíveis narrativos. In R. Barthes (Org.), Análise estrutural da narrativa (110-135). Rio de Janeiro: Vozes.

Buranello, C. (2008). Língua Portuguesa (Coleção Conhecer e crescer, 4.º ano, 2a ed.). São Paulo: Escala Educacional.

Caldas, L. K. (2010). Trabalhando tipos/gêneros textuais em sala de aula: uma estratégia didática na perspectiva da mediação dialética. IBILCE/UNESP – São José do Rio Preto. Recuperado em 13 de agosto de 2015, de http://www.alb.com.br/anais16/sem03pdf/ sm03ss16_09.pdf.

Cardoso, J. B. (2001). Teoria e prática de leitura, apreensão e produção de texto. Brasília: Imprensa Oficial.

Davis, L., & Souza, R. J. (2010). Entendendo textos: estratégias para a sala de aula. Leitura: Teoria & Prática, 1, 31-37.

Fischer, D., Frey, N., & Lapp, D. (2008). In a reading state of mind: brain research, teacher modeling, and comprehension instruction. USA: IRA.

Fonseca, M. N. G. da, & Geraldi, J. W. (2002). O circuito do livro e a escola. In J. W. Geraldi (Org.), O texto na sala de aula (4a ed.). São Paulo: Ática.

Fountas, C., & Pinnell, G. (2001). Guiding readers and writers grades 3-6: teaching comprehension, genre, and content literacy. Portsmouth: Heinemann.

Hampton, M. F., & Resnick, L. B. (2009). Reading and writing with understanding: comprehension in forth and fifth grades. USA: IRA.

Harvey, S., & Goudvis, A. (2008). Strategies that work. Teaching comprehension for understanding and engagement. USA: Stenhouse Publishers & Pembroke Publishers.

Gancho, C. V. (2004). Como analisar narrativas. São Paulo: Ática.

Girotto, C. G. G. S., & Souza, R. J. de. (2010). Estratégias de leitura: para ensinar alunos a compreenderem o que leem. In R. J. Souza (Org.), Ler e compreender: estratégias de leitura. Campinas: Mercado de Letras.

Kleiman, A. (2002). Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. Campinas: Pontes.

Lajolo, M. (1996, janeiro/março). Livro didático: um (quase) manual de usuário. Em Aberto, 16(69), 3-9.

Langenberg, D. N. (Ed.). (2000). Report of the National Reading Panel: Teaching children to read, an evidence-based assessment of the scientific research literature on reading and its implications for reading instruction. Washington, D. C.: National Institutes of Health Publication No. 00-4754. U.S. Government Printing Office.

Lerner, D. (2002). Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre: Artmed.

Maingueneau, D. (2000). Termos chave da análise do discurso. Belo Horizonte, UFMG.

Marcurschi, B., & Val, M. G. C. (Orgs.). (2008). Livros didáticos de língua portuguesa: letramento e cidadania. Belo Horizonte: Ceale; Autêntica.

Pressley, M. (2002). Reading instruction that works: The case for balanced teaching (2nd ed.). New York: Guilford.

Propp, V. L. (2006). Morfologia do conto maravilhoso (J. Sarhan, Trad., B. Schnaiderman, Rev., 2a ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Rojo, H. R. (2010, julho/dezembro). Letramentos escolares: coletânea de textos nos livros didáticos de língua portuguesa. Perspectiva, 28(2), 433-465. Recuperado em 28 de junho de 2016, de https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175795X.2010v28n2p433/18444.

São Paulo (Estado) SEE. (2008). Proposta curricular do Estado de São Paulo para o ensino fundamental. São Paulo: SE.

Silva, A. C., & Carbonari, R. (1997). Cópia e leitura oral: estratégias para ensinar. In L. Chiappini (Org.), Aprender e ensinar com textos didáticos e paradidáticos. São Paulo: Cortez.

Solé, I. (1998). Estratégias de leitura (6a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Souza, R. J., & Cosson, R. (2010). Letramento literário: uma proposta para a sala de aula. Conteúdo e didática de alfabetização, 10, 101-107. Didática dos Conteúdos. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Souza, R. J., & Santos, C. C. S. (2011). A leitura da literatura infantil na escola. In R. J. Souza, Caminhos para a formação do leitor (pp. 80-89). São Paulo: DCL.
Publicado
2019-09-04
Como Citar
Souza , R. J. de, & Hernandes , E. D. K. (2019). Estratégias de leitura e a narrativa ficcional. Pro-Posições, 30, 1-26. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656503
Seção
Artigos