Pegadas na areia de professores caçadores de sonhos

duas identidades profissionais em (des)construção

Palavras-chave: Identidade profissional, Desenvolvimento profissional, Estágio supervisionado, Formação de professores, Narrativa autobiográfica

Resumo

O texto trata de um processo investigativo de formação profissional concretizada na análise e na reflexão de uma abordagem (auto)biográfica, com duas estudantes, futuras professoras, estabelecendo-se um possível diálogo entre as narrativas elaboradas durante a Prática de Ensino Supervisionada do último semestre do curso de formação. Detalham-se e refletem-se o ser professor como caçador de sonhos em busca das melhores práticas (Marcelo, 2009b; Vaillant & Marcelo, 2015), algumas das pegadas na areia inscritas ao longo da formação inicial (Flores, 2012, 2015) e os trânsitos relacionais da e na docência, que constituem um dos fortes alicerces na formação e no desenvolvimento profissional (Day, 2001; Freitas & Galvão, 2007). Metodologicamente, o estudo assenta no paradigma qualitativo (Bogdan & Biklen, 1994), cujo objetivo principal se focaliza em compreender como é percebida a construção da identidade profissional ao longo da formação inicial de professores, tomando como referência de análise de conteúdo (Bardin, 2009) as narrativas das participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Lurdes Dias de Carvalho , Universidade do Minho

Possui doutorado em Estudos da Criança, especialização em Psicologia do Desenvolvimento e Educação, pela Universidade do Minho (2005).

Carla Patrícia Queirós Miranda , Universidade do Minho

Graduação em História pela Universidade do Porto em 2015.

Marta Alexandra da Silva Correia , Universidade do Minho

Universidade do Minho – UMinho, Braga, Portugal.

Referências

Alarcão, I., & Roldão, M. C. (2008). Supervisão. Um contexto de desenvolvimento profissional dos professores. Mangualde: Edições Pedago.

Alonso, L. (2006). Formação ao longo da vida e aprender a aprender. Braga: Universidade do Minho.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Bolivar-Botía, A., Fernandéz-Cruz, A., & Molina-Ruiz, E. (2005). Investigar la identidad profesional del profesorado: una triangulación secuencial. Obtido em 9 de setembro de 2013, de Forum Qualitative Social Research Sozialforschung: http//nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114fqs0501125.

Braga, F. (2001). Formação de professores e identidade profissional. Lisboa: Quarteto.

Carter, K. (1993). The place of story in the study of teaching and teacher education. Educational Researcher, 22(1), 5-12.

Ceia, C. (2010). O professor na caverna de Platão, recentes políticas para a formação de professores em Portugal e o futuro da profissão. Coimbra: Caleidoscópio.

Choi, T. H. (2013). Autobiographical reflections for teacher professional learning. Professional Development in Education, 39(5), 822-840. doi:DOI:10.1080/19415257.2012.737355.

Clandinin, D., & Connelly, F. (1991). Narrative and story in practice and research. In D. Shon, The reflective turn: case studies in and on educacional practice (pp. 258-281). New York: Teachers College.

Colén, M., Giné, N., & Imbernón, F. (2006). La carpeta de aprendizaje del alumnado universitario. Barcelona: Octaedro.

Correia, M. A. (2014). Pegada na areia: o percurso que marca o início da viagem profissional. Relatório de Estágio do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico, Instituto de Educação da Universidade do Minho, Braga. Obtido em 20 de janeiro de 2015, de http://hdl.handle.net/1822/35853.

Cunha, M. I. (1997, janeiro/dezembro). Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação, 23(1-2), 185-195. doi:http://dx.doi.org/10.1590/rfe.v23i1-2.59596.

Day, C. (2001). Desenvolvimento profissional de professores. Os desafios da aprendizagem permanente. Porto: Porto Editora.

Elbaz, F. (1990). Knowledge and discourse: the evolution of research on teacher thinking. In C. Day, M. Pope, & P. Denicolo (Eds.), Insight into teachers' thinking and practice (pp. 15-39). London: Falmer Press.

Estrela, M. T. (2002). Modelos de formação de professores e seus pressupostos conceptuais. Revista de Educação, XI(1), 7-29.

Flores, M. A. (2012). A formação de professores e a construção da identidade profissional. In A. Veiga Simão, L. M. Frison, & M. H. Abrahão, Autorregulação da aprendizagem e narrativas autobiográficas: epistemologia e práticas (pp. 93-113). Natal, Porto Alegre, Salvador: EDUFRN, ediPUCRS, EDUNEB.

Flores, M. A. (2015). Formação docente e identidade profissional: tensões e (des)continuidades. Revista Educação, 38(1), 138-146. Obtido em 03 de junho de 2016, de http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/15973/12761.

Flores, M. A., & Day, C. (2006). Contexts which shape and reshape new teachers’ identities: A multi-perspective study. Teaching and Teacher Education, 22(2), 219-232.

Formosinho, J. (2009). Formação de professores, aprendizagem profissional e acção docente. Porto: Porto Editora.

Freitas, D., & Galvão, C. (2007). O uso de narrativas autobiográficas no desenvolvimento profissional. Ciências & Cognição, 12, 219-233. Obtido em 23 de janeiro de 2016, de http://www.cienciasecognicao.org.

Galvão, C. (2005). Narrativas em Educação. Ciência & Educação, 11(2), 327-345. Obtido em 09 de novembro de 2016, de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v11n2/12.pdf.

González Sanmamed, M., & Fuentes Abeledo, E. (2011, enero-abril). El practicum en el aprendizaje de la profesión docente. Revista de Educación, 354, 47-70. Obtido em 12 de abril de 2014, de http://www.revistaeducacion.educacion.es/re354/re354_03.pdf.

Herdeiro, R. (2007). Práticas reflexivas e desenvolvimento profissional. Um estudo de caso com professores do 1.º CEB. Braga: Instituto de Educação e Psicologia/ Universidade do Minho. Obtido em 20 de julho de 2015, de http://hdl.handle.net/1822/44682.

Josso, C. (2004). As histórias de vida abrem novas potencialidades às pessoas: entrevista com Marie-Christine Josso. Aprender ao longo da vida, 2, 16-23. Obtido em 19 de janeiro de 2016, de http://www.direitodeaprender.com.pt/sites/default/files/uploads/aprender_2.pdf.

Kelchtermans, G. (1995). A utilização de biografias na formação de professores. Aprender - Revista da Escola Superior de Educação de Portalegre, 18, 5-20.

Marcelo, C. (1999). Formação de professores para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora.

Marcelo, C. (2009a, janeiro/abril). Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Sísifo-Revista de Ciências da Educação, 8, 7-22. Obtido em 19 de março de 2015, de http://www.unitau.br/files/arquivos/category_1/MARCELO___Desenvolvimento_ Profissional_Docente_passado_e_futuro_1386180263.pdf.

Marcelo, C. (2009b, agosto/dezembro). A identidade docente: constantes desafios. Formação docente: Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, 01(01), 109-131. Obtido de http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br.

Mesquita, E. (2011). Competências do professor - representações sobre a formação e a profissão. Lisboa: Sílabo.

Miranda, C. P. (2015). Caçador de sonhos: (des)construindo o caminho de uma futura profissional da Educação Básica. Relatório de Estágio do Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico, Instituto de Educação: Universidade do Minho, Braga. Obtido em 13 de julho de 2016, de http://hdl.handle.net/1822/43265.

Monteiro, F. M., Fontoura, H., & Canen, A. (2014, maio/agosto). Ressignificando práticas de ensino e de formação docente: contribuições de narrativas, diálogos e conferências. Revista de Educação Pública, 23(53/2), 637-654. Obtido em 25 de janeiro de 2017, de http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/17 58/1326.

Nóvoa, A. (1988). A formação tem que passar por aqui: as histórias de vida no projecto prosalus. In A. Nóvoa, & M. Finger, O método (auto) biográfico e a formação. Lisboa: D.R.H., Ministério da Saúde.

Nóvoa, A. (1991). A formação contínua entre a pessoa-professor e a organização-escola. Revista Inovação, 01, 63-76.

Nóvoa, A. (1992). Formação de professores e profissão docente. Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote e Instituto de Inovação Curricular. Obtido em 20 de janeiro de 2013, de http://hdl.handle.net/10451/4758.

Pasternak, D. L., & Rigoni, K. K. (2015). Teaching reflective writing: thoughts on developing a reflective writing framework to support teacher candidates. Teaching/Writing: The Journal of Writing Teacher Education, 4(1), 91-108. Obtido em 20 de outubro de 2016, de http://scholarworks.wmich.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1120&context=wte.

Roldão, M. C. (2001). A formação como projecto: do plano-mosaico ao currículo como projeto de formação. Revista Portuguesa de Formação de Professores, 1, 1-13.

Roldão, M. C. (2007). Formação de professores baseada na investigação e na prática reflexiva. In Conferência Desenvolvimento profissional de professores para a qualidade e para a equidade da aprendizagem ao longo da vida. Lisboa: Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia. Obtido em 13 de janeiro de 2015, de https://crispasuper.files.wordpress.com/2012/06/erc3aanciae28098desenvolvimento-profissional-de-professores-para-a-qualidade-e-para-aequidade-da-aprendizagem-ao-longo-da-vida_3.pdf.

Schön, D. (1992). Formar professores como profissionais reflexivos. In A. Nóvoa. (Org.), Formação de professores e profissão docente. Os professores e a sua formação (pp. 77-91). Lisboa: D. Quixote.

Shulman, L. (2005). Conocimiento y enseñanza: fundamentos de la nueva reforma. Profesorado. Revista de Currículum y Formación del Profesorado, 9(2), 1-30. Obtido em 10 de fevereiro de 2016, de https://www.ugr.es/~recfpro/rev92ART1.pdf.

Souza, E. C. (2006). Autobiografias, história de vida e formação: pesquisa e ensino. Salvador/Bahia: EDUNEB - EDIPUCRS.

Tejada, J. (1999). Acerca de las competencias profesionales I. Herramientas, 56, 20-30.

Tejada-Fernández, J. (2006). El Practicum. In Actas de las Jornadas sobre el Futuro Grado de Pedagogía. Barcelona: Edición Técnica Digital.

Tejada-Fernández, J. (2009a, mayo-agosto). Profesionalización docente en el escenario de la Europa de 2010. Una mirada desde la formación. Revista de Educación, 349, 463-477. Obtido em 27 de novembro de 2014, de http://www.revistaeducacion.mec.es/re349/re349_22.pdf.

Tejada-Fernández, J. (2009b). Competências docentes. Profesorado. Revista de Currículum y Formación del Profesorado, 13(2), 1-15. Obtido em 27 de janeiro de 2014, de http://www.ugr.es/~recfpro/rev132COL2.pdf.

Tejada-Fernández, J., Carvalho, M. L., & Bueno, C. R. (2014). O papel da prática profissional/prácticum na formação de professores: um olhar dos professores tutores universitários. In Atas do XXI Colóquio da Secção Portuguesa da AFIRSE: Educação, Economia e Território - O papel da educação no desenvolvimento. Lisboa: EDUCA/Secção Portuguesa da AFIRSE. Obtido em 10 de janeiro de 2015, de http://hdl.handle.net/1822/40133.

Vaillant, D., & Marcelo, C. (2015). El ABC y D de la formación docente. Madrid: Narcea.

Zeichner, K. (1993). A formação reflexiva de professores. Ideias e práticas. Lisboa: Educa.

Publicado
2019-09-04
Como Citar
Carvalho , M. de L. D. de, Miranda , C. P. Q., & Correia , M. A. da S. (2019). Pegadas na areia de professores caçadores de sonhos. Pro-Posições, 30, 1-26. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656521
Seção
Artigos