Saúde mental infantil e contexto escolar

as percepções dos educadores

  • Maria Fernanda Barboza Cid Universidade Federal de São Carlos
  • Carolina Elisabeth Squassoni Universidade Federal de São Carlos https://orcid.org/0000-0002-0830-6667
  • Danieli Amanda Gasparini Universidade Federal de São Carlos
  • Luiza Helena de Oliveira Fernandes Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: Saúde mental infantojuvenil, Contexto escolar, Percepções de educadores, Promoção à saúde mental

Resumo

O presente estudo buscou identificar as percepções dos profissionais de uma escola sobre o sofrimento psíquico apresentado por alguns estudantes e sobre as estratégias utilizadas para o enfrentamento dessa problemática. Participaram 18 profissionais de uma escola pública de uma cidade do interior do estado de São Paulo, com os quais foram realizadas entrevistas semiestruturadas. Os dados foram analisados pela técnica de análise de conteúdo. Observou-se, na percepção dos participantes, que a problemática relacionada à saúde mental nas crianças é expressa por meio de agressividade e agitação excessivas, isolamento, desatenção e dificuldade no cumprimento de combinados e que envolve fatores do contexto familiar, escolar e socioculturais presentes no cotidiano das crianças. Os resultados obtidos sinalizam a importância de ações intersetoriais de promoção à saúde mental infantil que possam abarcar os diferentes atores e os serviços direcionados a essa população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Fernanda Barboza Cid , Universidade Federal de São Carlos

Doutorado (2011) em Educação Especial pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da Universidade Federal de São Carlos.

Carolina Elisabeth Squassoni, Universidade Federal de São Carlos

Pós- Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Terapia Ocupacional da UFSCar.

Danieli Amanda Gasparini, Universidade Federal de São Carlos

Formada em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de São Carlos.

Luiza Helena de Oliveira Fernandes, Universidade Federal de São Carlos

Terapeuta Ocupacional graduada pela Universidade Federal de São Carlos.

Referências

Amstalden, A.L.F., Hoffmann, M.C.C.L., & Monteiro, T.P.M.M. (2010). A política de saúde mental infanto-juvenil: seus percursos e desafios. In E. Lauridsen-Ribeiro, & O. Y. Tanaka (Orgs.). Atenção em Saúde Mental para crianças e adolescentes no SUS. São Paulo: Hucitec.

Arone, M. (2006). Sentidos e significados da escola para o adolescente em semiliberdade. Dissertação de Mestrado em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Atkins, M.S., Hoagwood, K., E., Kutash, K., & Seidman, E. (2010). Toward the integration of education and mental health in schools. Adm. Policy Ment Health, 37(1), 40-47.

Azevedo, E. de, Pelicioni, M. C. F., & Westphal, M. F. (2012). Práticas intersetoriais nas políticas públicas de promoção de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 22(4), 1333-1356.

Bardin, L. (1977). Análise do conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Brasil (2014). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Coordenação-Geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. Atenção psicossocial a crianças e adolescentes no SUS: tecendo redes para garantir direitos. Brasília.

Cantwell, D.P. (1999). Psiquiatria infantil: introdução e panorama. In H.I. Kaplan, & B.J. Sandock (Eds.), Tratado de psiquiatria (6a ed., pp. 2345-2348). Porto Alegre: Artmed.

Cid, M. F. B., & Gasparini, D.A. (2016). Ações de promoção à saúde mental infantil no contexto escolar: um estudo de revisão. Revista Faculdade Santo Agostinho,13(1), 97-114.

Cid, M.F.B., & Matsukura, T. S. (2014). Problemas de saúde mental em escolares e seus responsáveis: um estudo de prevalência. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 26(1),1-10.

Collares, C.A.L., & Moysés, M.A.A. (2009). A transformação do espaço pedagógico em espaço clínico: a patologização da educação. Série Idéias, 23(25-31).

Constantino, E.P., & Luengo, F.C.A. (2009). Vigilância punitiva: a postura dos educadores no processo de patologização e medicalização da infância. Revista de Psicologia da Unesp Assis, 8(2),122-126.

Cotta, R. M. M, Gomes, A. P., Maia, T. de M., Magalhães, K. A., Marques, E S., & Siqueira-B. R. (2007). Pobreza, injustiça, e desigualdade social: repensando a formação de profissionais de saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, 31(3), 278-286.

Couto, M. C. V., Duarte, C. S., & Delgado, P. G. G. (2008). A saúde mental infantil na saúde pública brasileira: situação atual e desafios. Rev. Bras. Psquiatr, 30(4), 390-398.

D’Abreu, L.C.F., & Marturano, E. M. (2010). Associação entre comportamentos externalizantes e baixo desempenho escolar: uma revisão de estudos prospectivos e longitudinais. Estudos de Psicologia, 15(1), 43-51.

D’Avila-Bacarji, K. M. G., Marturano, E. M., & Elias, L.C.S. (2005). Suporte parental: um estudo sobre crianças com queixas escolares. Psicologia em Estudo, 10(1), 107-115.

Dias, A. F. (2011). O jovem autor de ato infracional e a educação escolar: significados, desafios e caminhos para a permanência na escola. Dissertação de Mestrado, Programa de PósGraduação em Educação, Universidade Federal de São Carlos.

Fatori, D., Brentani, A., Grisi, S. J. F. E., Miguel, E. C., & Graeff-Martins, A. S. (2018). Prevalência de problemas de saúde mental na infância na atenção primária. Ciência & Saúde Coletiva, 23(9), 3013-3020.

Ferreira, M.C.T., & Marturano, E.M. (2002). Ambiente familiar e os problemas do comportamento apresentados por crianças com baixo desempenho escolar. Revista Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(1), 35-44.

Ferrioli, S.H.T., Marturano, E.M., & Puntel, L.P. (2007). Contexto familiar e problemas de saúde mental infantil no Programa Saúde da Família. Revista de Saúde Pública, 41(2), 251259.

Fleitlich, B.W., & Goodman, R. (2000) Epidemiologia. Revista Brasileira de Psiquiatria, 22(2), 2-6.

Jesus, L. M. H.(2006). Relação escola x família. Universidade Cândido Mendes. Programa de Pós-graduação Lato-Sensu, Projeto A vez do mestre. Rio de janeiro. 2006.

Lipp, M.E.N., Arantes, J.P., Brito, M.S., & Witzig, T. (2002). O estresse em escolares. Psicol. Esc. Educ., 6(1),31-36.

Lordelo, R., Carvalho, A. M.,&Koller, S. H. (Orgs.). (2002). Infância brasileira e contextos de desenvolvimento. São Paulo: Casa do Psicólogo; Salvador: Ed. UFBA.

Lourenço, G.F.,& Cid, M.F.B. (2010). Possibilidades de ação do terapeuta ocupacional na educação infantil: congruência com a proposta da educação inclusiva. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 18, 169-180.

Marturaro, E. M., Linhares, M.B.M.,& Loureiro, S. R. (2004).Vulnerabilidade e proteção: indicadores na trajetória de desenvolvimento do escolar (1a ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo; FAPESP.

Matsukura,T. S., &Cid, M.F.B. (2008). Intervenção junto a professores do ensino público municipal:abordando os papéis da família e escola no desenvolvimento infantil e viabilizando ações. In T. Araújo Filho, & M. J-M. Thiollent (Orgs.), Metodologia para projetos de extensão: apresentação e discussão (1a ed., pp. 192-196). São Carlos: Cubo multimídia.

Novara, E. (2003). Promover os talentos para reduzir a pobreza. Estudos Avançados, 17(48),10123.

Organização Mundial da Saúde (2001). Strengthening mental health promotion. Geneva: World Health Organization.

Pacheco, J., Alvarenga, P., Reppold, C., Piccinnini, C.A., & Hutz, C.S. (2005). Estabilidade do comportamento anti-social na transição da infância para a adolescência: uma perspectiva desenvolvimentista. Psicol. Reflex. Crit., 18(1), 55-61.

Paula, C. S., Miranda, C. T., & Bordin, I. A. S. (2010) Saúde Mental na infância e adolescência: revisão dos estudos epidemiológicos brasileiros. In E. Lauridsen-Ribeiro, & O. Y. Tanaka (Orgs.), Atenção em Saúde Mental para crianças e adolescentes no SUS(pp.75-92).São Paulo:Hucitec.

Rutter, M., Kim-Cohen, J., & Maughan, B. (2006).Continuities and discontinuities in psychopathology between childhood and adult life. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 47(3), 276-295.

Sá, D.G.F., Bordin, I.A., Martin, D.,& Paula, C.S.P. (2010). Fatores de risco para problemas de saúde mental na infância/adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(4),643-652.

São Paulo (2016). Secretaria Municipal de Educação. Coordenadoria Pedagógica. Núcleo de Apoio e Acompanhamento para Aprendizagem. Caderno de debates do NAAPA: questões do cotidiano escolar (pp. 19-34). São Paulo: SME / COPED.

Scivoletto, S., & Tarelho, L.G. (2002). Depressão na infância e adolescência. Revista Brasileira de Medicina, 59(8), 555-557.

Siqueira-Batista, R., & Schramm, F. R. (2005). A saúde entre a iniquidade e a justiça: contribuições da igualdade complexa de Amartya Sen. Ciência Saúde Coletiva, 10(1),12942.

Soares, A. G. S., Estanislau, G., Brietzke, E., Lefèvre, F., Bressan, R. A. (2014). Percepção de professores de escola pública sobre saúde mental. Revista de Saúde Pública, 48(6), 940-948.

Vicentin, M. C. G. (2006). Infância e adolescência: uma clínica necessariamente ampliada. Rev. Ter. Ocup. Univ., 17(1), 10-17.

Publicado
2019-09-04
Como Citar
Cid , M. F. B., Squassoni, C. E., Gasparini, D. A., & Fernandes, L. H. de O. (2019). Saúde mental infantil e contexto escolar. Pro-Posições, 30, 1-24. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656529
Seção
Artigos