O brincar nos discursos de estudantes de Pedagogia

certezas em suspenso

Palavras-chave: Brincar, Discurso, Educação infantil, Pedagogia

Resumo

Este artigo analisa um conjunto de discursos sobre o brincar, produzidos por estudantes de Pedagogia de uma universidade no Sul do Brasil. Considerando que as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil (2009) estabelecem o brincar como um dos eixos do currículo para esta etapa da Educação Básica, a seguinte questão foi proposta às alunas: brincar para quê? As análises, inspiradas nas perspectivas da Filosofia e da Sociologia da Infância, constataram a recorrência das seguintes ideias: as crianças hoje não brincam mais; as crianças já nascem brincando; o brincar possibilita conhecer melhor as crianças; criança que não brinca não aprende; não pode brincar por brincar; brincar é o melhor remédio. Esta investigação recomenda a necessidade de problematizar tais concepções, colocando no horizonte a produção de outros posicionamentos sobre o brincar, a partir, talvez, daquilo que as próprias crianças tenham a dizer sobre o assunto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Circe Mara Marques , Universidade Alto Vale do Rio do Peixe

Pós-doutora (2018) pelo Instituto de Educação/Universidade do MINHO; 

Susana Beatriz Fernandes , Universidade de Santa Cruz do Sul

Pós-Graduaçao-Especialização em Psicopedagogia (PUC/RS,1985).

Ezequiel Theodoro da Silva, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1979). 

Referências

Alves, Z. M. M. B, & Silva, M. H. G. F. D. da. (1992, fevereiro/julho). Análise qualitativa de dados de entrevista: uma proposta. Paideia, 2, 61-69. Recuperado em 30 de junho 2016, de http://www.scielo.br/pdf/paideia/n2/07.pdf.

Benjamin, W. (2002). Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34.

Brasil. (2010). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC, SEB.

Brougère, G. (1998). Jogos e educação (P. C. Ramos, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Curtis, A. (2006). O brincar em diferentes culturas e em diferentes infâncias. In J. R. Moyles et al., A excelência do brincar (pp. 39-49). Porto Alegre: Artmed.

Dornelles, L. V. (2003). O brinquedo e a produção do sujeito infantil. Centro de Documentação e Informação sobre a Criança. Universidade do Minho. Instituto de Estudos da Criança. Recuperado em 03 de dezembro de 2010, de http://cedic.iec.uminho.pt/Textos_de_Trabalho/textos/obrinquedo.pdf.

Ewald, F. (1993). Foucault, a norma e o direito (A. Cascais, Trad.). Lisboa: Veja.

Feitosa, A. G. S. (2011) A infância abrigada: impressões das crianças na casa abrigo. Porto Alegre: UFRGS, 2011. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Fischer, R. M. B. (2001). Foucault e a análise do discurso em Educação. Cadernos de Pesquisa, 114, 197-223.

Foucault, M. (1989). Vigiar e punir. (29a ed.). Petrópolis: Vozes.

Foucault, M. (1990). Tecnologias del Yo e otros textos afines. Barcelona: Paidós.

Foucault, M. (1996). Microfísica do poder (2a ed.). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1997). Resumos dos Cursos do Collège de France (1970-1982). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2009a). A ordem do discurso (18a ed.). São Paulo: Loyola.

Foucault, M. (2009b). Security, territory, population: lectures at the Collège de France 1977-1978. Hampshire: Palgrave Macmillan.

Foucault, M. (2014). On the government of the living: lectures at the Collège de France 1979-1980. Hampshire: Palgrave Macmillan.

Koppele, B. E. (2012). Crianças de rua em Angola: caracterização das suas expressões culturais. Braga: UMINHO, 2012. Dissertação de Mestrado, Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Larrosa, J. (1994). Tecnologia do eu e educação. In T. T. da Silva, Sujeito da educação: estudos foucaultianos (pp. 35-86). Petrópolis: Vozes.

Larrosa, J. (2004). Linguagem e educação depois de Babel. Belo Horizonte: Autêntica.

Larrosa, J. (2007). Literatura, experiência e formação. In M. V. Costa (Org.), Caminhos investigativos I : novos olhares na pesquisa em educação (pp. 129-156). Rio de Janeiro: Lamparina.

Lee, N. (2010). Vozes das crianças, tomada de decisão e mudança. In F. Müller (Org.), Infância em perspectiva: políticas, pesquisas e instituições (pp. 42-64). São Paulo: Cortez.

Lemos, F.C. S. (2007). A apropriação do brincar como instrumento de disciplina e controle das crianças [Versão eletrônica], Estudos e Pesquisas em Psicologia, 7(1), 81-91.

Lockmann, K., & Traversini, C. S. (2011). Saberes morais, médicos e pedagógicos e seu efeitos na inclusão. In A. da S. Thoma, & B. Hillesheim (Orgs.), Políticas de inclusão: gerenciando riscos e governando as diferenças (pp. 35-56). Santa Cruz do Sul: Edunisc.

Moyles, J. (2002). Só brincar? O papel do brincar na educação infantil (M. A. Veronese, Trad.). Porto Alegre: Artmed.

Olusoga, Y. (2011). Nós não brincamos assim aqui: perspectivas sociais, culturais e de gênero sobre a brincadeira. In A. Brock, S. Brock, Y. Olusoga, & P. Jarvis, Brincar - aprendizagem para a vida. (F. Kanan, Trad., pp.61-93). Porto Alegre: Penso.

Paraíso, M. A. (2012). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In D. E. Meyer, & M. A. Paraíso (Orgs.), Metodologia de pesquisa pós-crítica em educação (pp. 23-45). Belo Horizonte: Mazza.

Pereira, E. T. (2002). Brinquedos e infância. Presença Pedagógica, 8(44), 54-59.

Rose, N. (1999). Governando a alma: a formação do eu privado. In T. T. da Silva (Org.), Liberdades reguladas (2a ed., pp.30-45). Petrópolis, RJ: Vozes.

Sarmento, M. J. (2002). Imaginário e culturas da infância. Texto produzido no âmbito das atividades do Projeto As marcas dos tempos: a interculturalidade nas culturas da infância, Projeto POCTI/CED/2002. Recuperado em 10 de junho 2011, de http://titosena.fortunecity.com/Arquivos/Artigos_infancia/Cultura%20na%20Infa ncia.pdf.

Sarmento, M. J. (2007). Culturas infantis e interculturalidade. In L. V. Dornelles, Produzindo pedagogias interculturais na infância (pp. 19-40). Petrópolis, RJ: Vozes.

Smith, P. K. (2006). O brincar e os usos do brincar. In J. R. Moyles et al., A excelência do brincar (M. A. V. Veronese, Trad., pp.25-38). Porto Alegre: Artmed.

Souza, F. M. (2010). Revirando malas: entre histórias de bonecas e crianças. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Veiga-Neto, A. (Org.). (2002). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. Rio de Janeiro: DP&A.

Veiga-Neto, A. (2007). Foucault e a Educação (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

Wajskop, G. (1998). Apresentação à edição brasileira. In G. Brougère, Jogos e educação (P. C. Ramos, Trad., pp. vi). Porto Alegre: Artes Médicas.

Lei n. 8.069/90, de 13 de julho de 1990 (1990). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, 1990. Recuperado em 14 de junho 2016, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996.

Resolução Conselho Nacional de Educação ∕Câmara de Educação Básica n. 5, de 17 dezembro de 2009. (2009). Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília. 2009. Recuperado em 14 de junho 2016, de http://www.seduc.ro.gov.br/portal/legislacao/RESCNE005_2009.pdf.

Publicado
2019-09-04
Como Citar
Marques , C. M., Fernandes , S. B., & Silva, E. T. da. (2019). O brincar nos discursos de estudantes de Pedagogia. Pro-Posições, 30, 1-18. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656536
Seção
Artigos