A escrita de sujeitos surdos

uma investigação sobre autoria

Palavras-chave: Surdez, Escrita, Autoria

Resumo

Este artigo tem o objetivo de rastrear indícios de autoria em textos escritos e produzidos por sujeitos surdos em oficinas. Para tanto se propôs um trabalho de produção textual em português com a reescrita coletiva de uma história de aventura, por confabulações entre pares surdos e educadores ouvintes, tendo a Língua Brasileira de Sinais (Libras) como forma de interlocução. Adotando uma concepção bakhtiniana de língua como atividade discursiva, as oficinas constituíram lugares de possibilidades de desenvolvimento do sujeito surdo enquanto usuário do português escrito, bem como de manifestações singulares de expressão linguística. Assim, a reescrita – atividade de produção apoiada em um texto já lido, na qual os surdos narram em Libras para que outros surdos registrem em português escrito – proporcionou aos participantes a oportunidade de colocar em jogo os conhecimentos construídos a partir da leitura, comparando, contrastando, transformando e experimentando novos modos de construção que singularizaram sua escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Djair Lázaro de Almeida, Diretoria de Ensino do Estado

Atuando na Diretoria de Ensino - Região de São Carlos, como Professor Coordenador do Núcleo Pedagógico - Educação Especial.

Cristina Broglia Feitosa de Lacerda , Universidade Federal de São Carlos

Professora Associada I.

Referências

Bakhtin, M. (2006). Estética da criação verbal (4a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Bakhtin, M., & Volochinov V. N. (2010). Marxismo e filosofia da linguagem: Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem (14a ed.). São Paulo: Hucitec.

Barros, M. L. C. (2003). Histórias de um percurso de aquisição da língua escrita. In M. B. M. Abaurre, M. L. T. Mayrink-Sabinson, & R.S. Fiad (Orgs.), Estilo e gêneros na aquisição da escrita (pp. 21-72). Campinas: Komedi.

Barros, C. G. P., & Padilha, S. J. (2011). Para uma escrita criadora: Da produção de textos à formação de autores. Interações, 19, 259-273.

Erickson, F. (2001). Prefácio. In M. I. P. Cox, & A. A. Assis-Peterson (Orgs.), Cenas de sala de aula (pp. 9-17). Campinas: Mercado das Letras.

Fiorin, J. L. (2008). Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática.

Franchi, C. (1987). Criatividade e gramática. São Paulo: SE/CENP.

Ginzburg, C. (1989). Sinais-Raízes de um paradigma indiciário. In C. Ginzburg. Mitos, emblemas, sinais: Morfologia e história (pp. 143-179). São Paulo: Companhia das Letras.

Granger, G. G. (1974). Filosofia do estilo. São Paulo: Perspectiva/Edusp. (Obra publicada originalmente em 1968).

Holeinone, P. (1998). As sete viagens de Simbad: O marujo e outras histórias. São Paulo: Paulinas.

Lacerda, C. B. F. (2000). A inserção da criança surda em classe de crianças ouvintes: Focalizando a organização do trabalho pedagógico. Anais da 23ª Reunião da Associação Nacional de PósGraduação e Pesquisa em Educação, Caxambu.

Lane, H. (1992). A máscara da benevolência: A comunidade surda amordaçada. Lisboa: Instituto Piaget.

Lima, S. M. M. (2012). Concepção bakhtiniana de linguagem e de gêneros discursivos: Uma análise das orientações curriculares de língua portuguesa para o ensino médio. Entretextos, 12(1), 164-177.

Lodi, A. C. B. (2013). Ensino da língua portuguesa como segunda língua para surdos: Impacto na Educação Básica. In C. B. F. Lacerda, & L. F. Santos. Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos (pp. 165-183). São Carlos: EDUFSCar.

Possenti, S. (1993). Discurso, estilo e subjetividade. São Paulo: Martins Fontes.

Possenti, S. (2002). Indícios de autoria. Perspectiva, 20(1), 105-124.

Rojo, R., & Cordeiro, G. S. (2010). Apresentação: Gêneros orais e escritos como objetos de ensino: Modo de pensar, modo de fazer. In B. Schneuwly, & J. Dolz (Orgs.), Gêneros orais e escritos na escola (2a ed., pp. 7-16). Campinas: Mercado de Letras.

São Paulo (2014). Ler e Escrever: Guia de planejamento e orientações didáticas (7a ed.). São Paulo: Secretaria da Educação.

Schneuwly, B., & Dolz, J. (2010). Os gêneros escolares: Das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In B. Schneuwly, & J. Dolz (Orgs.), Gêneros orais e escritos na escola (2a ed., pp. 61-78). Campinas: Mercado de letras.

Teberosky, A. (2003). Aprendendo a escrever: Perspectivas psicológicas e implicações educacionais (3a ed.). São Paulo: Ática.
Publicado
2019-05-09
Como Citar
Almeida, D. L. de, & Lacerda , C. B. F. de. (2019). A escrita de sujeitos surdos. Pro-Posições, 30, 1-25. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8656726
Seção
Artigos